Receba as notcias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 23 - tera-feira, 30 de maio de 2023

Sargento fugiu para Salvador, na Bahia, de moto, após disparar 14 tiros e acertar os 4 que mataram o tenente, na porta da casa dele. Polícia Civil acredita em crime premeditado

Quarta 10/05/23 - 13h09

O sargento do Corpo de Bombeiros Anderson Pinheiro Neves foi ouvido informalmente pela Polcia Civil e confirmou ter matado o tenente Rafael Alves Veloso, motivado por desavenas anteriores.

O crime ocorreu na ltima sexta-feira (5) em Montes Claros, quando o tenente saa para o trabalho.

O sargento Pinheiro se apresentou acompanhado de advogados na noite de tera-feira (9) e entregou a arma usada no homicdio.

O sargento alegou que houve divergncia entre eles, supostamente ligada a questes funcionais, mas - disseram os Bombeiros - nenhum deles formalizou ou solicitou procedimento na instituio.

Segundo o delegado Bruno Rezende, o autor premeditou o crime e articulou a ida at a residncia para cometer o homicdio.

Foram efetuados 14 tiros e quatro acertaram o tenente, que morreu no local.

O sargento fugiu para Salvador, na Bahia, em uma motocicleta e retornou a Montes Claros de nibus, permanecendo em uma casa providenciada pela defesa at a apresentao polcia.

As investigaes continuam para elucidar a motivao do crime.


O judicirio autorizou a quebra do sigilo telefnico do sargento.

O Corpo de Bombeiros instaurou procedimento administrativo para apurar o caso, que pode resultar em punio e at em demisso.

***

Divulgao da Polcia Civil:

Montes Claros: suspeito de matar tenente do Corpo de Bombeiros preso

A Polcia Civil de Minas Gerais (PCMG) cumpriu, nessa tera-feira (9/5), mandado de priso temporria contra um sargento do Corpo de Bombeiro Militar (CBMMG), de 38 anos, investigado por atirar em um tenente da corporao, na ltima sexta-feira (5/5), em Montes Claros, na regio Norte do estado. Na ocasio, a vtima, de 42 anos, foi atingida com quatro disparos e morreu na porta de casa, no bairro Ibituruna. A arma usada foi entregue durante a apresentao espontnea do bombeiro militar.
Segundo as informaes colhidas no local pela equipe da PCMG, o tenente foi surpreendido quando deixava a residncia para se deslocar ao trabalho, por volta das 7 horas. Os levantamentos preliminares realizados pela percia tcnica no endereo dos fatos indicaram que o suspeito teria efetuado 14 tiros, usando uma pistola 380, e que quatro acertaram a vtima.

No mesmo dia, a investigao conduzida pela Polcia Civil buscava identificar o suspeito do crime e passou a apurar o envolvimento do sargento do Corpo de Bombeiros. Conforme relato das testemunhas, o investigado apresentava o mesmo porte fsico da pessoa que efetuou os disparos e, naquele dia, no havia se apresentado ao trabalho.

O delegado Bruno Rezende da Silveira, que coordena a investigao, relatou que, de acordo com as imagens coletadas pelas cmeras de segurana, o sargento usava roupas semelhantes s do suspeito no momento do crime. Ele, ainda, conduzia uma motocicleta parecida com a que foi usada pelo investigado para se deslocar at a casa da vtima. Todos os indcios colhidos preliminarmente colocavam o sargento como suspeito de ter cometido o homicdio. Ele fugiu e no foi mais visto na cidade, explicou o delegado.

Desdobramentos

No inqurito policial, o delegado representou pela expedio do mandado de priso contra o investigado, e a ordem foi deferida pela Justia no ltimo sbado (6/5). Desde ento, a Polcia Civil realizou buscas para tentar efetuar a priso do alvo, que se apresentou ontem.

A apresentao espontnea foi ajustada entre os advogados do suspeito e representantes do 7 Batalho do Corpo de Bombeiros Militar. Aps as tratativas, ele foi encontrado no bairro Jaragu e conduzido at a sede da 11 Regio Integrada de Segurana Pblica, onde teve o mandado de priso formalizado. O militar tambm entregou a arma utilizada no homicdio, que foi enviada para a percia.

Segundo o delegado, informalmente, o investigado confessou aos policiais civis que aps ter um atrito com a vtima foi at a casa dela para conversar, contudo perdeu o controle e atirou no tenente. Ele disse ainda que, posteriormente ao crime, foi para a cidade de Salvador, no estado da Bahia, conduzindo sua motocicleta, e retornou de nibus para Montes Claros. O investigado optou por no prestar declaraes formais sobre o crime, mas para a nossa linha investigativa, at o momento, acreditamos que ele premeditou o homicdio, esclarece.

O coronel do CBMMG, Jlio Csar Toffoli, participou da coletiva e afirmou a inexistncia de atrito entre os envolvidos, pois no h na corporao registro de desavenas entre eles.

O delegado esclareceu que o inqurito policial ser concludo em 30 dias, e o suspeito encontra-se disposio da Justia.

***

Estado de Minas, de BH:

Bombeiro que matou colega de profisso premeditou o crime, diz polcia

Suspeito estava desaparecido desde o dia do homicdio e, na noite dessa tera-feira (9/5), foi preso depois de se entregar polcia e confessar o crime
Luiz Ribeiro

Um crime premeditado, com execuo da vtima, em que o autor tambm planejou a fuga. A motivao teria sido uma desavena entre assassino e vtima, o que ainda objeto de investigao. Isso que a Polcia Civil apurou at o momento sobre o caso do tenente do Corpo de Bombeiros Rafael Alves Veloso, de 42 anos, morto a tiros na ltima sexta-feira (5/5), em Montes Claros, no Norte de Minas, e que teve imensa repercusso.

O autor confesso do crime o sargento da mesma corporao Anderson Pinheiro Neves, de 39, colega de trabalho da vtima.

Anderson estava foragido e sendo procurado desde o dia do homicdio. Na noite dessa tera-feira (9/5), ele foi preso provisoriamente, depois de se entregar polcia.

O sargento foi detido em uma casa do Bairro Jaragu 2, na regio Norte de Montes Claros, aps comunicao dos seus advogados equipe policial, para quem tambm foi entregue a arma usada no crime.


Logo aps o homicdio, Anderson fugiu de moto para Salvador (BA), tendo retornado a Montes Claros em nibus de carreira.

O tenente Rafael Veloso foi morto a tiros, na manh da sexta-feira, quando saa de casa para o trabalho, no Bairro Ibituruna, rea de classe mdia/alta da cidade. De acordo com o boletim de ocorrncia, foram feitos 14 disparos com uma pistola 380 e quatro acertaram a vtima, que morreu no local.

Desavena teria motivado crime

Em entrevista coletiva imprensa, na manh de hoje, o delegado de Homicdios de Montes Claros, Bruno Rezende Silveira, responsvel pela investigao, disse que, ao ser interrogado logo depois da priso, ainda na noite de tera-feira, o sargento Anderson Neves alegou que foi at a casa de Rafael Veloso para conversar" sobre questo relacionada a servio, e que, houve uma desavena entre eles. Foi quando sacou a arma e matou a vtima.

A polcia, porm, no tem dvidas de que o assassinato foi premeditado, assim como a fuga do atirador. "Para ns, est colocado que ele (o sargento), inicialmente, premeditou o crime e articulou ir at a residncia da vtima na tentativa de cometer o homicdio", assegurou Bruno Rezende.

O delegado tambm falou em execuo. "Informaes preliminares do conta de que havia desavenas entre ambos (autor e vtima), supostamente ligada a questes funcionais, no relata instituio (Corpo de Bombeiros). Isso teria sido suficiente para alterar o nimo do autor, que teria providenciado o para executar a vtima", disse.

Os fatos de que foram feitos 14 disparos revelam que o autor "agiu com raiva". Informalmente, policiais reconhecem, que os autores cometem homicidios nessas circunstncias quando diante de um motivo mais grave.

Questionado, o delegado Bruno Rezende, disse que at agora, no foi apurado nenhum "elemento mais forte" para a motivao do assassinato do tenente do Corpo de Bombeiros, a no ser "desavenas" entre autor e vitima por "questes funcionais".

Quebra de sigilo telefnico

O delegado afirmou que a Policia Civil vai aprofundar as investigaes do inqurito, que dever ser concludo em 30 dias, o prazo inicial (que pode ser prorrogado) da priso temporria do sargento do Corpo de Bombeitos autor confesso da morte do tenente da corporao. Ele est recolhido no 10 Batalho da Policia Militar de Montes Claros.

Bruno Rezende informou que foi solicitada Justia a quebra do sigilo telefnico autor confesso do homicdio, que entregou seu celular voluntariamente para averiguao. O aparelho celular da vtima tambm est sendo analisado.

Por sua vez, o chefe do 4 Comando Regional dos Bombeiros de Montes Claros, coronel Jlio Csar Tffoli, disse que na corporao no havia registro de divergncias entre o sargento Anderson e o tenente Rafael Veloso. "No h nenhum tipo de problema anterior registrado na nossa Corporao. Ento, com a priso do autor, a gente entende que a investigao vai avanar e vamos ter maiores informaes em relao motivao", assegurou.

Ele informou que at o dia homicdio, o sargento estava trabalhando normalmente, sem alegar nenhum problema de sade ou restrio mdica.

Compartilhe
Siga-nos nas redes sociais