Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 25 - sexta-feira, 1 de março de 2024

Grande esperança para a humanidade: homem com paralisia voltou a andar após implante de conexão direta entre o cérebro e a coluna

Quinta 25/05/23 - 13h04

Uma nova pesquisa revelou: um homem com paralisia conseguiu voltar a andar naturalmente após mais de uma década de lesão, graças a um dispositivo médico inovador.

Os pesquisadores do Instituto Federal Suíço de Tecnologia em Lausanne desenvolveram uma "interface cérebro-espinha" que estabelece uma conexão direta entre o cérebro e a medula espinhal.

O dispositivo consiste em implantes cerebrais que rastreiam as intenções de movimento, que são transferidas sem fio para uma unidade de processamento externa, como uma mochila.

Essas intenções são traduzidas em comandos que a unidade de processamento envia de volta através de um segundo implante, estimulando os músculos correspondentes.

Os resultados do estudo foram publicados na revista Nature e descrevem o sucesso alcançado por um participante do estudo na Holanda.

Gert-Jan Oskam, de 40 anos, ficou paralisado após um acidente de moto há mais de uma década, o que afetou suas pernas, braços e tronco.

Oskam expressou sua crença de que seria possível voltar a andar e destacou a importância de aprender a caminhar de forma natural novamente.

Ele agora consegue percorrer pelo menos 100 metros, dependendo do dia, e ficar em pé sem usar as mãos por alguns minutos.

Essa habilidade se mostrou útil em sua vida diária, permitindo que ele realize tarefas como pintar sozinho quando não tem ajuda disponível.

Pesquisas anteriores já haviam demonstrado que pulsos elétricos direcionados podem estimular as áreas das pernas necessárias para caminhar.

No entanto, essa nova tecnologia permite movimentos mais suaves e melhor adaptação a mudanças no terreno, pois reconecta duas regiões do sistema nervoso central que foram interrompidas devido à lesão na medula espinhal.

Oskam já havia passado por implantes de estimulação anteriormente, mas precisava realizar um movimento para acionar a estimulação.

Agora, ele tem controle total sobre os parâmetros de estimulação, podendo iniciar, parar, andar e subir escadas conforme desejar.

Essa descoberta representa um avanço significativo no campo da medicina e oferece esperança para pessoas com lesões na medula espinhal, proporcionando a oportunidade de recuperar a mobilidade e a independência perdidas.

Compartilhe
Siga-nos nas redes sociais