Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 22 - quinta-feira, 16 de setembro de 2021

Cena de horror, 1: Filha de 1 ano, supostamente morta pelos pais na cama, em M. Claros, teve declaração de morte dificultada pela inexistência de declaração de vida, como se não existisse - levanta jornal de Bh

Quarta 28/07/21 - 8h37

Jornal Estado de Minas, de BH:


Pais mataram bebê de 1 ano, conclui polícia

Caso ocorreu no último dia 6, em Montes Claros. Menina foi encontrada morta em casa. Além das agressões, ela tinha sinais de abuso sexual, segundo a polícia

Cristiane Silva

A Polícia Civil concluiu que um casal de Montes Claros, no Norte de Minas Gerais, matou a própria filha, de 1 ano e dois meses.
O crime foi descoberto em 6 de julho no Bairro Santo Antônio. O resultado das investigações foi apresentado em uma entrevista coletiva nessa segunda-feira (26/7).
Na manhã daquele dia, ao perceber que a criança não tinha sinais vitais, o homem de 39 anos saiu de casa, tomou uma dose de cachaça em um bar e pegou um mototáxi para fugir. Como o Estado de Minas publicou em 7 de julho, ele foi localizado à noite perto da casa de parentes, no Bairro Monte Carmelo, após uma denúncia chegar à Polícia Militar (PM). O homem foi abordado na rua e resistiu à prisão. A mãe e uma irmã dele também chegaram a ser conduzidas à delegacia para averiguar se teriam facilitado a fuga, segundo a PM.

A mãe da bebê já havia sido detida durante o dia após a confirmação da morte da menina, uma vez que testemunhas relataram várias agressões dela contra a vítima. Ainda de acordo com a PM, o suspeito teria ido até a casa da mãe dele alegando que a menina estava morta. A mulher, então, pediu que o marido fosse até ao local para averiguar o que estava acontecendo. Quando ele chegou na casa, viu menina sem vida e chamou a mãe dela, que estava dormindo.
O casal foi preso preventivamente na ocasião e negou o crime inicialmente. O corpo da criança tinha várias marcas de agressão e, além disso, era apurada a possibilidade de estupro.

Ontem, o delegado Bruno Rezende, titular da Delegacia Especializada de Homicídios de Montes Claros, informou que a necropsia indicou lesões nas costelas, rompimento da alça intestinal e dilaceração que é considerada um sinal característico de abuso sexual.
Assassinato

O casal tem outros três filhos e todos eram constantemente agredidos por motivos banais. Um deles chegou a relatar à polícia em depoimento que não sabia se os pais gostavam dele diante de tanta violência. A Polícia Civil também apurou que o casal costumava deixar os meninos sozinhos em casa ou com outras pessoas e saíam para usar drogas.

A família dormia em duas camas colocadas em um quarto. De acordo com o delegado, na madrugada do crime, a menina não queria dormir e, por causa disso, a mãe deu tapas e murros nela. A mulher assumiu as agressões. Ela ainda disse que o companheiro deu um soco na menina e, de acordo com a Polícia Civil, também afirmou ter visto movimentos embaixo da colcha que poderiam indicar um abuso sexual. O pai negou as acusações e disse apenas ter visto a mãe bater na criança.
Considerando que os pais têm a obrigação legal de proteger as crianças e a família, a omissão de ambos levou a esse desfecho, conforme o delegado. “O pai alega que viu a criança sendo agredida várias vezes pela mãe; a mãe informa que viu o pai agredir a criança e observou movimentos que poderiam implicar em violência sexual. Eles escolheram, deliberadamente, não adotar nenhuma providência em relação ao outro”, enfatizou Rezende, que também descartou a participação de uma terceira pessoa no crime, já que somente os pais e irmãos tiveram acesso à menina no dia da morte.
Criança sequer tinha registro
Reforçando a omissão dos pais em relação à criança, o delegado Bruno Rezende contou na coletiva que várias instituições precisaram se mobilizar para que o óbito da menina fosse declarado, porque ela não tinha registro civil.

“Foi preciso, inclusive, trazer o pai do presídio de Bocaiúva para Montes Claros para que ele pudesse assinar os trâmites no Cartório de Registro Civil, a gente pudesse iniciar o protocolo de registrar a criança, consequentemente, declarar o óbito e, a partir disso, a família poder ter os cuidados com sepultamento, inumação e velório. Então, além de todo o desfecho trágico do caso, houve a necessidade de se adotar essas providências e diversas pessoas atuaram para isso, socialmente falando”, informou.
Indiciamento
De acordo com a Polícia Civil, o casal foi indiciado por homicídio qualificado, abandono de incapaz e maus tratos. O homem vai responder também por estupro de vulnerável.

A mulher já tem passagens pela polícia por tráfico de drogas, receptação e abandono de incapaz. Já o pai tem condenação por estupro de vulnerável, além de passagens por ameaça, lesão corporal, dano, roubo e homicídio.

Compartilhe
Siga-nos nas redes sociais