Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 23 - sábado, 21 de maio de 2022
 

Este espaço é para você aprimorar a notícia, completando-a.

Clique aqui para exibir os comentários


 

Os dados aqui preenchidos serão exibidos.
Todos os campos são obrigatórios

Mensagem: Os combustíveis Manoel Hygino Os dias passam, discutem-se projetos nas casas do Congresso Nacional, aquecem-se os debates, mas o assunto permanece do mesmo tamanho: é o preço dos combustíveis no Brasil, que repercute nocivamente na inflação e nos preços de tudo, a começar pelas mercadorias indispensáveis à população. Assim, a novela, de desfecho ignorado, estará na pauta ao se reabrirem os trabalhos na Câmara dos Deputados e no Senado. O chefe da nação prometeu zerar os tributos incidentes sobre o diesel, caso o Congresso autorize a proposta de emenda à Constituição que o Executivo negocia no Legislativo para reduzir o PIS/Cofins sobre o custo dos combustíveis no varejo. Aliás, Bolsonaro foi taxativo: “A PEC é autorizativa. Eu prometo para vocês: se a PEC passar, no segundo seguinte à promulgação, eu zero o imposto federal do diesel no Brasil”. Mas a coisa não é tão simples assim. O preço do barril de petróleo do tipo Brent no patamar mais elevado desde 2014 pode significar mais um problema para o bolso dos brasileiros, já debilitado pela crise econômica. Segundo especialistas, é razoável supor que, como consequência, o valor do combustível sofrerá novos reajustes. Há alguns dias, a Petrobras subiu o preço da gasolina (4,85%) e do diesel (8,08%), mas é certo que haverá outros aumentos ao longo dos próximos meses. Cálculo realizado pela Ativa Investimentos mostra que, apesar das recentes altas, a Petrobras precisaria cobrar 48 centavos a mais para cobrir a defasagem do preço da gasolina doméstica nas refinarias em relação à cotação internacional. Como se sabe, combustível caro afeta toda a economia. O assunto provavelmente ganhará amplitude em 2022 e é inevitável que entre nos debates eleitorais. Visões populistas não resolvem o problema. O debate esquentará os próximos dias, em Brasília. Não há a menor dúvida. O fundamental é que se encontre uma solução que atenda aos interesses gerais do país, principalmente dos segmentos mais sofridos da população. Antes que inúmeros morram de fome. Não é, contudo, o melhor e mais conveniente que se preconiza, porque cada um por aqui quer simplesmente resolver o problema pessoal, e os demais que cuidem de si. Nesse âmbito está grande parte dos que se encontram em cargos importantes. Uma realidade muito triste.

Preencha os campos abaixo
Seu nome:
E-mail:
Cidade/UF: /
Comentário:

Trocar letras
Digite as letras que aparecem na imagem acima