Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 25 - terça-feira, 27 de fevereiro de 2024
 

Este espaço é para você aprimorar a notícia, completando-a.

Clique aqui para exibir os comentários


 

Os dados aqui preenchidos serão exibidos.
Todos os campos são obrigatórios

Mensagem: Ao sol do rio Grande Manoel Hygino Enquanto avultavam os embates no Oriente Médio, desencadeados após o imprevisto e absurdo ataque do grupo Hamas, em 7 de outubro, maldito, alguma coisa útil e digna aconteceu do lado de cá do Atlântico. Parece que as Américas começam a entender que chegada é a hora de acertar o passo político no hemisfério sul do continente. Parece – foi o verbo que usei. Ficaria, porém, a indagação. Chegou a hora efetiva de as Américas abaixo do Rio Grande, encontrarem seu melhor e mais lúcido caminho? Gostaria de ouvir agora Manoel Bonfim e Darcy Ribeiro, que lamentavelmente não mais estão conosco. Mas o presidente Nicolás Maduro despertou de seu pesadelo e determinou a soltura de alguns de seus 273 presos políticos. Assim, obedecendo a acordo com a oposição, prometeu eleições presidenciais limpas, competitivas, em 2024, com presença de observadores internacionais. Também mandou libertar o ex-deputado Juan Requesens. Este, à porta de sua residência, onde estava cumprindo pena de oito anos de prisão domiciliar, foi aplaudido. Como não podia deixar de ser, o jornalista Roland Carreño conseguiu igualmente a libertação. Também falou. Declarou estar “cheio de esperança de que a liberdade da Venezuela também chegue. Um acordo político foi firmado para tentar retomar a normalidade democrática”. Em compensação, Estados Unidos suspenderam sanções ao petróleo, gás e ouro da Venezuela, impostas desde 2019. Na Argentina, após campanha marcada por discursos contundentes contra os adversários, o ultradireitista Javier Milei, sempre descabelado como de costume, classificado como anarcocapitalista ou libertário, ficou em segundo lugar no pleito, no último domingo, não confirmando as pesquisas e os números das primárias de agosto. Agora, é esperar a segunda votação para ver como ficam as relações com o Brasil. E há pauta importante: Mercosul, acordo com a União Europeia e ingresso nos Brics, em 2024. E ainda: adoção de uma moeda única para os dois países. Em 3 de novembro próximo, o novo presidente do Equador, Daniel Noboa, filho de conhecido empresário, venceu as eleições, com mais de 52% das atas válidas contabilizadas. Por sinal, ele votou usando um colete à prova de balas devido à violência no país. Veremos na posse como será.

Preencha os campos abaixo
Seu nome:
E-mail:
Cidade/UF: /
Comentário:

Trocar letras
Digite as letras que aparecem na imagem acima