Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 25 - sábado, 2 de março de 2024
 

Este espaço é para você aprimorar a notícia, completando-a.

Clique aqui para exibir os comentários


 

Os dados aqui preenchidos serão exibidos.
Todos os campos são obrigatórios

Mensagem: Perspectivas sombrias Manoel Hygino Os brasileiros dormem, quando dormem, e acordam pensando nos preços de todos os produtos imprescindíveis à sua manutenção ou sobrevivência. É típico do civilizado, aliás. E, nestes tempos bélicos, com conflitos no Oriente Médio, entre Rússia e Croácia, e entre países que já pertenceram à União Soviética, no Sudeste da Europa, não faltam ao interessado na paz mundial motivos para impedir um bom sono. Eis o caso dos chefes de executivos municipais, que se acham em regime de permanente insônia. No caso de Minas, os municípios, em especial os com menos de 5 mil habitantes, enfrentam uma crise financeira sem tamanho, que pode dificultar o pagamento do 13º salário a seus servidores neste final de ano. E falta pouco... Li que o presidente da Associação Mineira de Municípios vem alertando que a diminuição dos repasses está gerando desequilíbrio nas finanças. Nem poderia ser de outro jeito e maneira. Em decorrência da redução da arrecadação de tributos neste ano, a maioria das cidades mineiras depende de recursos transferidos, como o ICMS e FPM, tendo este sofrido significativa diminuição. A situação é tão delicada que se prevê, em maio de 2024, se não houver uma mudança imediata no cenário (o que está fora de perspectiva) os municípios poderão enfrentar colapso financeiro. Dom Walmor Oliveira de Azevedo, arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, adverte homens e mulheres de todas as confissões religiosas, renovando o apelo do pontífice Francisco. Os cenários de pobreza e exclusão social, conflitos, mortes, manifestações furiosas da natureza comprovam a gravidade da situação, que ameaça a dignidade humana. A lembrança é de que tudo está interligado, inspirando o engajamento de todos para a adoção de um novo estilo de vida. É preciso superar determinados modos de agir no mundo, indiferentes com relação ao planeta, pautados pela mesquinhez. Ao se trata de uma simples abordagem ligada à preservação da fauna e da flora. Inclui a necessidade do cuidado com o semelhante, condição essencial para a autopreservação. Todos precisam buscar-se informar, e se posicionar diante de tudo o que leva à degradação ambiental. Atribuir responsabilidade aos pobres apenas acentua lógica de exclusão e contribui para esgotamento extrativista da natureza. Vamos acordar e agir.

Preencha os campos abaixo
Seu nome:
E-mail:
Cidade/UF: /
Comentário:

Trocar letras
Digite as letras que aparecem na imagem acima