Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 25 - sábado, 2 de março de 2024
 

Este espaço é para você aprimorar a notícia, completando-a.

Clique aqui para exibir os comentários


 

Os dados aqui preenchidos serão exibidos.
Todos os campos são obrigatórios

Mensagem: Ainda a Covid Manoel Hygino Para a Organização Mundial de Saúde, a Covid passou daquele período pior, conforme amplamente divulgado pelos quatro cantos do planeta. Mas ela anda por aí, como fantasma perambulando pelas noites escuras. Dados da Secretaria de Estado da Saúde mostram, por exemplo, que Belo Horizonte é a cidade de Minas com mais casos da doença, com 20.402 confirmações até 30 de outubro. O Sul e o Norte do estado não ficam fora das estatísticas. Seguindo Belo Horizonte, Pouso Alegre registrou 10.596 casos; Montes Claros, 10.484; Varginha, 10.338, além de Uberlândia, no Triângulo, com 10.593. São números, pelo que se vê, bastante altos para exigir atenção da população. Aliás, quem anda pelas ruas da capital encontra pessoas com máscaras, mesmo liberadas pelas autoridades sanitárias. Quem levantou a lebre foi a histórica Santa Luzia, na região Metropolitana, cujos índices de Covid têm sido bastante elevados, a despeito das iniciativas adotadas pela Secretaria Municipal para evitar o mal enquanto é tempo. Os postos de vacinação da RMBH, por outro lado, ampliaram os locais e dias de vacinação. Belo Horizonte adota estratégias para conter as novas variantes e os crescentes casos positivos de Covid-19. De 5 de outubro a 1º de novembro, a capital mineira confirmou 1.776 óbitos pela doença. O número é 79,7% maior que as 988 mortes registradas entre os dias 6 e 27 de setembro. Os dados são de boletins epidemiológicos da prefeitura de Belo Horizonte. Conforme a Secretaria Municipal de Saúde, a alta dos casos é justificada pela circulação da EG5.1. Para conter o avanço dessa e de outras subvariantes, a Prefeitura de Belo Horizonte aposta na testagem como forma de monitorar a doença. “Nossa principal estratégia é a vacinação. Porém, temos destinado os testes da rede pública de saúde para aqueles pacientes que possuem sintoma característico, como febre, dor de cabeça, tosse. Restringir os testes é uma forma de observar se o vírus passa por alteração. E ajuda a identificar alguma nova subvariante em circulação”, explica o subsecretário de Promoção e Vigilância à Saúde Fabiano dos Anjos. O imprescindível e inadiável é que todos nos convençamos de que a Covid não está morta e sepultada ad aeternum. Ela passeia entre nós, embora não a percebamos diante de nós num piscar de olhos. E atentemos: uma nova provável pandemia já está sendo preconizada pelo mundo científico.

Preencha os campos abaixo
Seu nome:
E-mail:
Cidade/UF: /
Comentário:

Trocar letras
Digite as letras que aparecem na imagem acima