Receba as notcias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 23 - sexta-feira, 9 de junho de 2023

Pequi, cuja safra não demora, vira anti-inflamatório e protetor solar em universidade paulista. Produtos, já patenteados, aguardam aprovação da Anvisa

Tera 16/11/21 - 6h18


Cientistas aproveitam o pequi como anti-inflamatrio e protetor solar

Unesp encontra forma criativa e sustentvel de aproveitar fruto


Muitos cosmticos so produzidos a partir de matrias-primas naturais, que esto disponveis a baixo custo e sem agredir o meio ambiente. E ainda ajudam a movimentar a economia e ajudar pequenos produtores.

o caso do pequi, muito utilizado na culinria no cerrado brasileiro, principalmente pela populao de Gois (e Norte de Minas). Alm da alimentao, o leo de pequi, extrado da polpa e da amndoa do fruto, j utilizado na indstria farmacutica e de cosmticos. Mas, o que sobra do pequi aps esse processo, equivalente a 90% do fruto, geralmente descartado, gerando um desperdcio de centenas de toneladas por ano.

Isso, no entanto, pode mudar. Pesquisadores da unidade de Assis da Universidade Estadual Paulista (Unesp), encontraram uma forma criativa, sustentvel e barata de aproveitar essa matria-prima natural. Em estudos que comearam em 2016, os cientistas desenvolveram dois novos produtos a partir dos resduos da fruta: um creme anti-inflamatrio e um protetor solar com propriedades antioxidantes, capazes de retardar o envelhecimento da pele.

A professora da Unesp em Assis, Lucinia dos Santos, cita as vantagens dessa descoberta e destaca benefcios que o aproveitamento das sobras do pequi vai proporcionar. Segundo ela, alm dos benefcios no campo da cosmtica, a economia social das famlias que dependem do fruto tambm pode melhorar com o aproveitamento desse material de forma sustentvel.

Ainda segundo a pesquisadora, os produtos desenvolvidos com o resduo do fruto apresentaram resultados promissores em testes farmacolgicos.

As novidades j foram patenteadas pela Agncia Unesp de Inovao e aguardam aprovao da Anvisa para serem comercializadas.(Agncia Brasil)

Compartilhe
Siga-nos nas redes sociais