Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 23 - sábado, 21 de maio de 2022
 

Este espaço é para você aprimorar a notícia, completando-a.

Clique aqui para exibir os comentários


 

Os dados aqui preenchidos serão exibidos.
Todos os campos são obrigatórios

Mensagem: A obstinação indevida Manoel Hygino Contrariando tudo o que se podia esperar para o novo ano, como pretendido nos bons votos e augúrios das festas no tempo que virou passado, a situação da crise produzida pela Covid-19 é sumamente difícil. Em primeiro lugar, porque é a continuação de uma guerra cuja finalização é ainda desconhecida parcialmente pelos generais: os cientistas. A despeito da evolução da ciência nos últimos séculos, o coronavírus ainda carrega consigo uma imensidão de mistérios que precisam ser desvendados. Alguns deles resultam da própria circunstância de tratar-se de algo novo, como se viu, embora a célere atuação nos laboratórios para descobrir o comportamento do vírus, que já causou mais de 620 mil mortes somente no Brasil. Aos cidadãos que se encontram à frente dos combates no exercício de altos cargos, tem faltado, entre outras habilidades e sentimentos, humildade para perceber que a ciência é agora quem dá as cartas no difícil jogo, cujo fim ainda se desconhece. A reiterada negativa do presidente da nação em reconhecer que a vacina é o instrumento mais poderoso nos embates que se travam, é contrária a tudo aquilo que demais chefes de Estado e de governo já plenamente reconhecem. O atraso na tomada de posição quanto ao início da imunização em 2021 causou grande número de vítimas, e o fato se repete com a vacinação das crianças de 5 a 11 anos, que se transformou num combate incompreensível e absolutamente dispensável, finalmente superado pela ciência, pelas associações médicas, pelas famílias. A tragédia de mais de 600 mil óbitos se repete diariamente com acréscimo de novas vítimas, quando não se sabe sequer o que poderá sobrevir para a humanidade após a variante ômicron, que já é o grande espectro que assusta tanto os homens de ciência, quanto os dirigentes das nações nesta segunda década do século. Pagam pela insensibilidade e falta de visão do futuro os que querem obstruir com suas ações ou inações o tempo melhor por vir. Novas cabeças rolarão. E tudo se dá, quando outros males, alguns típicos do Brasil e da estação do ano, já superlotam os ambulatórios e unidade de pronto atendimento. É bom que se preste atenção para se fazer o julgamento, em que os jurados são todos os habitantes deste grande território da América do Sul, formando o maior país do hemisfério. Os brasileiros presentemente já sabem avaliar a atuação dos dirigentes municipais, estaduais e federais e expressar sentimentos e pensamentos sobre os cidadãos guindados ao poder e seu comportamento político, social e ético. A resposta virá na hora de votar em novas eleições.

Preencha os campos abaixo
Seu nome:
E-mail:
Cidade/UF: /
Comentário:

Trocar letras
Digite as letras que aparecem na imagem acima