Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 23 - sábado, 21 de maio de 2022
 

Este espaço é para você aprimorar a notícia, completando-a.

Clique aqui para exibir os comentários


 

Os dados aqui preenchidos serão exibidos.
Todos os campos são obrigatórios

Mensagem: A morte espreita Manoel Hygino Quem se interessa por conhecer a situação da segurança no Brasil se espantará, se disser que estamos menos violentos do que antes. Não é o que se divulga em mídia, a ponto de não causar surpresa o relato sobre número de assassinatos, de furtos e roubos, praticamente em todas as unidades da Federação. Há programas de rádio e televisão que cuidam unicamente desta matéria, a exemplo das editorias próprias dos jornais. O próprio presidente, recentemente, declarou – para geral espanto das pessoas presentes à conversa – que “todos os índices de homicídios, estupros, latrocínios, roubo de veículos e cargas, invasão de fazendas, entre outros, que os índices caíram de janeiro de 2019 para cá”. Engana-se S. Exa., contudo. A declaração destoa do divulgado pelo 15º Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Segundo os dados divulgados em julho de 2021, o Brasil retomou a tendência de crescimento de mortes violentas intencionais em 2020, após dois anos em declínio. Em 2020, o índice subiu 4%. Em verdade, segundo as informações do Fórum, foram 50.033 vítimas, das quais 78% com armas de fogo. As mortes violentas intencionais, consideradas pelo Anuário, somam os registros de homicídios dolosos (quando há intenção), latrocínios, lesões corporais seguidas de morte, feminicídios e mortes decorrentes de intervenção policial. O Anuário sublinha: “A arma de fogo é o principal instrumento utilizado para todos os tipos de crime, com exceção da lesão corporal seguida de morte – crime em que não há a intenção de matar a vítima, mas sim de feri-la”. Ainda conforme os números, a arma de fogo foi utilizada em 83,5% das mortes por intervenção policial, 75,8% dos homicídios dolosos, 60,9% dos latrocínios e 14,5% das lesões corporais seguidas de morte. A estatística revela muito, portanto, do que está acontecendo pelo território nacional, a despeito de providências que possam estar em curso para reduzir a mortandade que depende de medidas de praxe nas principais nações do mundo. Uma delas reside na formação do homem, desde a infância e a adolescência, começando pelo propiciamento de educação bem focada em objetivos. Simultaneamente é imprescindível que as famílias gozem de adequadas condições de igualdade com demais segmentos sociais. Sem tais bases iniciais, os esforços serão vãos e caminharemos como até aqui, não permitindo que a economia se fortaleça, e se forjando um povo motivado e feliz.

Preencha os campos abaixo
Seu nome:
E-mail:
Cidade/UF: /
Comentário:

Trocar letras
Digite as letras que aparecem na imagem acima