Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 23 - sábado, 21 de maio de 2022
 

Este espaço é para você aprimorar a notícia, completando-a.

Clique aqui para exibir os comentários


 

Os dados aqui preenchidos serão exibidos.
Todos os campos são obrigatórios

Mensagem: É só lucro Manoel Hygino Atravessamos um ano eleitoral. Muito propício ao levantamento de suspeitas sobre os candidatos adversários, de divulgação de boatos, acusações e mentiras, além de permitir a disseminação de promessas que, no fundo, não representam compromissos dos que se elegem. Galeno Alvarenga, de Itabira como Drummond, formado em Medicina e Filosofia pela UFMG, distinguido com títulos e premiações que chegam a dar inveja, autor de excelente livro de Crônicas e Ensaios, lançado pela Editora Campos do Brasil, há exatamente vinte anos, nos oferece considerações sobre “quando as palavras mentem”, a partir da ideia de que, através delas “despertamos ou criamos crenças, valores, fantasias e desejos adormecidos que habitam nossas almas”. Aí entramos no aspecto que vem ao tema: “O condutor de massas, o líder carismático e o grande pregador sempre usaram e abusaram das “palavras oportunas”, no momento certo. Somos, num certo grau, dóceis e fracos, sujeitos às manipulações continuadas dos mais espertos”. Como funciona. “Em todos os tempos, um grupo dominou o outro para seu benefício. Assim é que na maioria das culturas os homens jovens e brancos, sadios, ricos, saudáveis, inteligentes e cultos exploraram as mulheres, os velhos, os negros, os pobres, os doentes, os deficientes mentais e os incultos. Este é o nosso destino: obedecer, sem refletir e sem o desejar, à vontade dos mais sagazes e com mais poder”. Depois de focalizar os comerciantes, Galeno se refere aos políticos. Estes, “usando as palavras adequadas e comoventes, segundo o padrão da propaganda, oferecem-nos a justiça social, os empregos com salários altos para todos, a assistência médica de alto padrão, a proteção à criança abandonada e ao idoso, uma Justiça digna para os grupos marginalizados, uma alimentação abundante e barata. Em resumo, tudo o que é desejado por todos nós. Para quem? Para uma maioria que nunca imaginou poder alcançar tais coisas, compostas dos sem-casas, pivetes, negros e os brancos pobres, mulheres desempregadas ou com subempregos, crianças, analfabetos, deficientes mentais, etc., ou seja, pessoas sem oportunidades e estigmatizadas socialmente. Vivemos ainda sonhando com o paraíso perdido”. Finalizando, o mestre em Filosofia, observa. “Quando se fala em melhoria do ensino, trata-se apenas de melhorar a capacidade de compreensão da leitura de instruções para que o operário saiba utilizar melhor o maquinário da empresa, aumentar a produção, a leitura de revistas que precisam ser vendidas, de propagandas diversas e, deste modo, haja mais consumo com mais lucro para as empresas”.

Preencha os campos abaixo
Seu nome:
E-mail:
Cidade/UF: /
Comentário:

Trocar letras
Digite as letras que aparecem na imagem acima