Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 25 - sábado, 2 de março de 2024
 

Este espaço é para você aprimorar a notícia, completando-a.

Clique aqui para exibir os comentários


 

Os dados aqui preenchidos serão exibidos.
Todos os campos são obrigatórios

Mensagem: Três cidades Manoel Hygino Neste ano quase encerrante, ainda houve tempo de lançamento de “Três Cidades”, novela de Napoleão Valadares, nascido em Arinos, bisneto de Saint-Clair Fernandes Valadares, um dos líderes políticos que tiveram a feliz e justa iniciativa de promover a emancipação e a constituição de uma cidade naquela excelente região das Minas Gerais. Lá é o berço de Afonso Arinos de Melo Franco e de Ana Leopoldina de Melo Franco, ele uma das figuras mais importantes da literatura brasileira, como oportunamente lembrado por Danilo Gomes, que é de São João del-Rei e o Brasil todo conhece. Assim como Afonso Arinos, Napoleão se revelou, mais uma vez, no campo literário e nas áreas a que se devotou. Formado em Direito pela UnB, exerceu importantes cargos em Brasília, como de Assistente jurídico da União, Diretor de Secretaria da Justiça Federal, Assessor de Juiz do TRF da 1ª Região e Advogado da União. Membro da Associação Nacional de Escritores, de que já foi presidente, da Academia de Letras do Brasil, do IHGDF, da Academia Brasiliense de Letras e de Letras, Ciência e Artes do São Francisco, já foi premiado em diversos concursos de prestígio no cenário literário nacional. A mais recente edição de Valadares é a novela “Três Cidades”, pela André Quicé, da capital federal. Depois de cerca de vinte obras publicadas em outros gêneros, ele decidiu caminhar para a ficção. Em três cidades de porte diverso, experimentou a vida o protagonista, a partir de sua pequenina localidade natal, da qual se despedira apenas com o dinheiro para pagar a viagem de coletivo. A vida lhe vinha toda à cabeça, desde as primeiras lembranças da infância até aquela cadeira de ônibus. Era a nova ocasião de realizar-se numa cidade maior. A de porte médio poderia dar-lhe ocasião para realizar-se profissionalmente. Até sentindo fome, que lhe dava tontura e dor no estômago, descobriu uma praça pública. “Tinha vindo para fugir. E fugido estava. Agora, nem voltar era possível. O jeito era procurar um meio de vida. Ou de morte”. Podia ter ficado sossegado, mas buscou outro rumo. Na cidade grande, estaria seu futuro, botando as ideias no lugar, resgatar o tempo perdido. Meditou sobre sua carreira de advogado, sua experiência como professor e escritor, os amores, a angústia, mas partiu pela terceira vez. Não se despediu, azulou no mundo. Pegou suas coisas e saiu. “Tranquei por fora, joguei a chave por cima do portão e fugi mais uma vez”. Uma novela que merece leitura mais de uma vez.

Preencha os campos abaixo
Seu nome:
E-mail:
Cidade/UF: /
Comentário:

Trocar letras
Digite as letras que aparecem na imagem acima