Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 23 - sábado, 21 de maio de 2022

Veja as imagens: 2 casarões de Ouro Preto desapareceram em segundos, nesta manhã, atingidos por avalanche que desceu do Morro da Forca em direção ao centro histórico. Local vinha sendo monitorado, por causa das fortes chuvas em Minas

Quinta 13/01/22 - 10h40



Notícia originariamente publicada no @montesclaroscom, no Instagram

Clique aqui para ir e seguir o @montesclaroscom no Instagram



Mais um pedaço da histórica Ouro Preto foi levado hoje.

Dois casarões, dos mais antigo, acabaram soterrados por avalanche que se desprendeu do Morro da Forca e avançou sobre o centro histórico .

Não há feridos. O local estava esvaziado desde 2012 e vinha sendo monitorado, especialmente em momentos de chuvas, pois o risco de desmoronamento sempre existiu.

Pessoas que estavam no local, inclusive da Defesa Civil, saíram correndo.

.O maior casarão atingido foi construído em 1906, e era uma das primeiras construções arquitetônicas neocoloniais da cidade. Atualmente, pertencia ao município de Ouro Preto. A outra construção que desabou era mais recente e servia de armazém comercial.

O centro da cidade ficou sem energia elétrica e a circulação de veículos também foi afetada.br>

***

Parte de morro desliza sobre duas casas no centro de Ouro Preto

Até o momento, não há registro de vítimas


Um deslizamento de terra em um morro no centro da cidade de Ouro Preto (MG) atingiu a dois casarões históricos na manhã de hoje (13).

Bombeiros e técnicos da Defesa Civil municipal estão no local, verificando a situação.


Até o momento, não há registro de vítimas, pois toda a área ao redor já tinha sido evacuada.

Vídeos filmados por pessoas que testemunharam o acidente circulam pelas redes sociais.

Neles, é possível ver, à distância, o momento em que parte do Morro da Forca vem abaixo, na altura da Rua Diogo de Vasconcelos, 327, próximo ao Terminal de Integração José da Silva Araújo.

O acidente ocorreu por volta das 9 horas, pouco após o Corpo de Bombeiros ter sido acionado por pessoas que perceberam que o talude estava cedendo.

Em frente aos imóveis atingidos no sopé do morro, do outro lado da rua, funciona o Centro de Artes e Convenções da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).

A rua foi isolada e moradores de casas próximas ainda não foram autorizados a retornar a suas residências, pois a área ao redor do talude que deslizou está instável devido às fortes chuvas que há semanas atingem Minas Gerais.

“Se houver outro desmoronamento, há a possibilidade de um hotel e um restaurante serem atingidos”, informou o Corpo de Bombeiros, em nota.

Segundo a corporação, os dois casarões atingidos tinham valor histórico reconhecido, foram tombados.

Moradores

Dono de uma barbearia que funciona a cerca de 300 metros do terminal de integração, Fábio Rogério Alves, 44 anos, contou à Agência Brasil que ele e outras duas pessoas, incluindo uma funcionária da prefeitura, notaram os primeiros sinais de que parte do morro estava prestes a ceder.

Antes mesmo de acionar as autoridades locais, os três interromperam o trânsito de veículos e passaram a alertar as pessoas.

“Antes mesmo dos bombeiros chegarem, pouco antes da queda do morro, já tínhamos isolado a passagem de veículos e de pedestres. Como o terminal ainda não estava funcionando, não havia muita gente circulando”, disse Alves.

Segundo ele, os dois casarões atingidos já estavam embargados e lacrados há vários anos.

Há 15 anos trabalhando de um local de onde se vê toda a Rua Diogo de Vasconcelos, o barbeiro afirma que, no mesmo ponto, já houve um deslizamento semelhante em 2011. “O terreno ali é bastante instável”, explicou. (Agência Brasil)

Compartilhe
Siga-nos nas redes sociais