Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 23 - sábado, 21 de maio de 2022

"Bolsa sobe pelo terceiro dia e atinge maior nível desde outubro. Dólar cai para R$ 5,42, apesar de pressões externas"

Sexta 28/01/22 - 6h14

Bolsa sobe pelo terceiro dia e atinge maior nível desde outubro.

Dólar cai para R$ 5,42, apesar de pressões externas"

Beneficiada pelo fluxo estrangeiro, a bolsa de valores subiu pelo terceiro dia seguido e atingiu o maior nível desde outubro. O dólar iniciou a quinta-feira em forte baixa, mas fechou com pequena queda, perto da estabilidade, com a piora do mercado de câmbio durante a tarde.

O índice Ibovespa, da B3, fechou hoje (27) aos 112.612 pontos, com alta de 1,19%. Os investidores estrangeiros entraram hoje no mercado comprando ações de empresas brasileiras, fazendo o indicador caminhar na contramão das bolsas norte-americanas, que fecharam em queda.

O Ibovespa acumula alta de 7,43% em janeiro. No último dia 5, o indicador chegou a acumular queda de 3,64%, iniciando uma trajetória de recuperação desde então.

Após subir dia 26, o dólar comercial encerrou o dia vendido a R$ 5,424, com leve recuo de 0,32%. Na mínima do dia, por volta das 11h15, a moeda norte-americana chegou a cair para R$ 5,35, à medida que investidores aproveitavam a cotação abaixo de R$ 5,40 para vender dólares. No entanto, as pressões externas durante a tarde fizeram a divisa aproximar-se da estabilidade.

Com o desempenho, o dólar comercial acumula queda de 2,73% em 2022. Em 5 de janeiro, a divisa fechou em R$ 5,71, no maior nível do ano.

O Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) confirmou que aumentará os juros básicos nos Estados Unidos em março e que deverá promover reajustes em pelo menos quatro reuniões neste ano. O Fed também indicou que poderá encerrar o programa de compra de dívidas, em vigor desde o início da pandemia de covid-19, mais cedo que o esperado.

Apesar de juros mais altos em economias avançadas estimularem a fuga de recursos de países emergentes, parte dos investidores entende que os efeitos do aperto monetário nos Estados Unidos já estão precificados (incorporados ao preço dos ativos). Isso tem aumentado o interesse dos investidores internacionais em países emergentes, atraídos pelos ativos financeiros baratos.(Agência Brasil)

Compartilhe
Siga-nos nas redes sociais