Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 23 - terça-feira, 27 de setembro de 2022

Rio já entra em estado de alerta - com risco de ventania e ressaca - em função da frente fria

Quarta 10/08/22 - 19h30


Frente fria pode trazer ventania e ressaca à cidade do Rio de Janeiro

Marinha e sistemas de previsão alertam sobre riscos até sexta-feira



O Sistema Alerta Rio informa que a passagem de uma frente fria poderá causar chuva fraca a moderada e ventos moderados a fortes a partir desta quarta-feira (10). Além dos ventos e da chuva, a previsão é de mar agitado, com ondas de até 4 metros de altura, que podem atingir a orla da cidade de hoje até às 21h de sexta-feira (12), de acordo com a Marinha do Brasil.

Segundo o Centro de Operações da Prefeitura do Rio, o município está em estágio de mobilização desde a madrugada de hoje, devido às condições do tempo. O estágio de mobilização é o segundo nível em uma escala de cinco e significa que há risco de ocorrências de alto impacto na cidade.

Nesta tarde, nos bairros da Barra da Tijuca, do Jardim Botânico, de Copacabana e Jacarepaguá, houve bolsões d’água por causa da intensidade da chuva, além de uma queda de árvore provocada pela ventania em Jacarepaguá.

Alerta
A Diretoria de Hidrografia e Navegação da Marinha emitiu alerta sobre a possibilidade de rajadas de vento e ressaca na região de Arraial do Cabo, até sexta-feira, devido à passagem de uma frente fria pelo litoral.

A Associação da Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo (Aremac) recebeu o comunicado e alerta os barqueiros, pescadores e turistas sobre o risco da navegação nestes dias. Conforme o documento, pode haver rajadas de vento de até 75km/h (40 nós) de Arraial do Cabo até São Mateus, no Espírito Santo, da madrugada desta quinta-feira (11) até a manhã de sexta-feira.

O presidente da Aremac, Eraldo Cunha, disse que todos devem seguir as orientações da Marinha do Brasil antes de iniciar qualquer movimentação de navegação nos próximos dias, seja em atividades extrativistas associadas à pesca ou em lazer. “Em primeiro lugar vem a segurança”, afirmou Cunha.
(Douglas Corrêa/Agência Brasil)

Compartilhe
Siga-nos nas redes sociais