Um olhar sobre o que é notícia em toda parte
Uma janela para Montes Claros
(38) 3229-9800
 
Conheça-nos
Principal
Mural
Eu te procuro
Clamor & Broncas
Músicas de M. Claros
Hoje na história
 de M. Claros
Montes Claros
 era assim...
História
Memorial de
 João Chaves
Memorial de
 Fialho Pacheco
Reportagens
Concursos
Colunistas Convidados
Notícias por e-mail
Notícias no seu site
Fale conosco
 
Anuncie na 98 FM
Ouça e veja a 98 FM
Conheça a 98 FM
Peça sua música
Fale com a Rádio
Seja repórter da 98
Previsão do tempo
 
Anuncie na 93 FM
Ouça a 93 FM
Peça sua música
Fale com a Rádio
Seja repórter da 93
Publicidade
 
Wanderlino Arruda
Alberto Sena
Augusto Vieira
Avay Miranda
Carmen Netto
Dário Cotrim
Davidson Caldeira
Efemérides - Nelson Vianna
Enoque Alves
Flavio Pinto
Genival Tourinho
Gustavo Mameluque
Haroldo Lívio
Haroldo Santos
Haroldo Tourinho Filho
Hoje em Dia
Iara Tribuzzi
Isaías
Isaias Caldeira
João Carlos Sobreira
Jorge Silveira
José Ponciano Neto
José Prates
Luiz de Paula
Luiz Ortiga
Manoel Hygino
Marcelo Eduardo Freitas
Marden Carvalho
Maria Ribeiro Pires
Mário Genival Tourinho
Oswaldo Antunes
Paulo Braga
Paulo Narciso
Petronio Braz
Raphael Reys
Raquel Chaves
Roberto Elísio
Ruth Tupinambá
Ruth Tupinambá Graça
Saulo
Ucho Ribeiro
Virginia de Paula
Waldyr Senna
Walter Abreu
Wanderlino Arruda
Web - Chorografia
Web Outros
Yvonne Silveira
 
Atuais
Panorâmicas
Antigas
Pinturas
Catopês
Obtidas por satélite
No Tempo de Lazinho
Estrada Real Sertão
Mapa de M. Claros
 

10/9/2014 -"...teve até o desfile de um mendigo novo, supostamente drogado, que andou pelo centro, o quarteirão fechado da rua Simeão Ribeiro, completamente nu, exibindo-se". A crescente degradação da Praça da Matriz e vizinhança pede:

»1 - Policiamento mais rigoroso
»2 - Redefinição do uso da praça que é o marco zero da cidade
»3 - Outra reforma física
»4 - Maior empenho das autoridades no cumprimento das leis
»5 - Uma recuperação em todos os sentidos

» Ver resultados «




Buscar no Site


Previsão do tempo

Digite uma cidade:

Busca no



 
 


Dom 06/03/11 - 11h02 - Terremoto sentido ontem em M. Claros, às 8h29m, ocorreu a no máximo 5km da crosta e é classificado como "raso" e ainda "fraco"; população deve se precaver e evitar o pânico

O novo terremoto sentido ontem pela população de M. claros ocorreu exatamente às 20h29m, mesmo horário em que as pessoas, amedrontadas, começaram a deixar centenas de depoimentos no site da Rádio Montes Claros 98 FM, no endereço montesclaros.com. A Universidade de Brasília, pelo Observatório Sismológico, divulgou agora cedo os dados preliminares confirmando o último evento, ontem à noite, na área urbana, em ponto ainda a ser precisado. O anterior foi em 29 de setembro de 2010 e da mesma forma foi muito sentido pela população. Não há registro de danos, nos dois. Segundo o professor George Sand França, o abalo ocorreu a 3 km de profundidade, em algum ponto da cidade de Montes Claros. É considerado um terremoto “raso”, uma vez que em países como o Chile, de forte histórico de mortes provocadas por terremotos, eles acontecem a 600 quilômetros de fundura e atingem graus máximos de destruição. No Brasil, os terremotos ocorrem entre três a cinco quilômetros de profundidade. O Observatório não descarta a possibilidade de novos abalos ou tremores nas horas seguintes aos primeiros, e até nos dias seguintes. Recomenda que a população se eduque e evite pânico, o que é o mais perigoso nas ocorrências de baixa intensidade, como foi novamente a de ontem em Montes Claros. O terremoto das 20h29 foi descrito como “fraco”, com intensidade três, mas o aumento populacional leva as pessoas a sentirem mais os seus efeitos, e a temê-los. M. Claros vem registrando abalos nos últimos 50 anos, sempre entre dois e pouco mais que três graus, como o de ontem à noite, de menor risco – embora nada assegure que eles se manterão neste tamanho. Há uma falha geológica de menor importância confirmada na região, o que - segundo entendidos - justificaria a instalação de sismógrafo na cidade, ao custo de 50 mil reais. Segundo o professor Sand, os terremotos que ocorrem no Brasil, de pequenas magnitudes, só são capazes de derrubar prédios quando atingem vigor acima de 4,5 a 5 graus, como o registrado em Itacarambi, há alguns anos, e que matou uma criança. Assim mesmo, as casas construídas sem maior técnica ou cuidadas são as mais vulneráveis. Construções bem feitas suportariam até 4 graus, ou pouco mais. A recomendação é de que, sentido o abalo, as pessoas se protejam. Se estiverem deitadas, cubram a cabeça com um travesseiro ou procurem se abrigar nas partes mais sólidas das construções, como debaixo das soleiras ou vigas, e até debaixo de mesas mais sólidas. Devem sair de casa, mas em perfeita ordem e sem pânico. Os edifícios mais altos correm mais riscos, mas se forem bem construídos também tendem a suportar terremotos de até 4 a 5 graus. (ler mais no Mural)
               

Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-a   Link:




Voltar à Página Inicial

 






Um olhar de Montes Claros sobre o que é notícia em toda parte
Uma janela para Montes Claros


OUÇA E VEJA A 98 FM
Todos direitos pertecentes a Rádio Montes Claros 98,9 FM. O material desta página
não pode ser publicado, transmitido por broadcasting, reescrito ou distribuído
sem prévia autorização