Um olhar sobre o que é notícia em toda parte
Uma janela para Montes Claros
(38) 3229-9800
 
Conheça-nos
Principal
Mural
Eu te procuro
Clamor & Broncas
Músicas de M. Claros
Hoje na história
 de M. Claros
Montes Claros
 era assim...
História
Chuvas em M. Claros,
  mês a mês,
 de 1905 a 2012
Memorial de
 João Chaves
Memorial de
 Fialho Pacheco
Reportagens
Concursos
Colunistas Convidados
Notícias por e-mail
Notícias no seu site
Fale conosco
 
Anuncie na 98 FM
Ouça e veja a 98 FM
Conheça a 98 FM
Peça sua música
Fale com a Rádio
Seja repórter da 98
Previsão do tempo
 
Anuncie na 93 FM
Ouça a 93 FM
Peça sua música
Fale com a Rádio
Seja repórter da 93
Publicidade
 
Alberto Sena
Augusto Vieira
Avay Miranda
Carmen Netto
Dário Cotrim
Dário Teixeira Cotrim
Davidson Caldeira
Edes Barbosa
Efemérides - Nelson Vianna
Enoque Alves
Flavio Pinto
Genival Tourinho
Gustavo Mameluque
Haroldo Lívio
Haroldo Santos
Haroldo Tourinho Filho
Hoje em Dia
Iara Tribuzzi
Isaías
Isaias Caldeira
Ivana Rebello
João Carlos Sobreira
Jorge Silveira
José Ponciano Neto
José Prates
Luiz Cunha Ortiga
Luiz de Paula
Manoel Hygino
Manoel Hygino
Marcelo Eduardo Freitas
Marden Carvalho
Maria Luiza Silveira Teles
Maria Ribeiro Pires
Mário Genival Tourinho
Oswaldo Antunes
Paulo Braga
Paulo Narciso
Petronio Braz
Raphael Reys
Raquel Chaves
Roberto Elísio
Ruth Tupinambá
Saulo
Ucho Ribeiro
Virginia de Paula
Waldyr Senna
Walter Abreu
Wanderlino Arruda
Web - Chorografia
Web Outros
Yvonne Silveira
 
Atuais
Panorâmicas
Antigas
Pinturas
Catopês
Obtidas por satélite
No Tempo de Lazinho
Estrada Real Sertão
Mapa de M. Claros
 

10/9/2014 -"...teve até o desfile de um mendigo novo, supostamente drogado, que andou pelo centro, o quarteirão fechado da rua Simeão Ribeiro, completamente nu, exibindo-se". A crescente degradação da Praça da Matriz e vizinhança pede:

»1 - Policiamento mais rigoroso
»2 - Redefinição do uso da praça que é o marco zero da cidade
»3 - Outra reforma física
»4 - Maior empenho das autoridades no cumprimento das leis
»5 - Uma recuperação em todos os sentidos

» Ver resultados «




Buscar no Site


Previsão do tempo

Digite uma cidade:

Busca no



 
 



Jornalismo exercido pela própria população



Deixe sua notícia neste Mural, clique aqui para enviar.
(Seja objetivo e escreva no menor espaço possível. Se preferir, coloque seu e-mail; se desejar, coloque também endereço e telefone. As mensagens - preferencialmente de inspiração noticiosa - serão publicadas a critério da redação. Textos que ferem as leis serão sumariamente descartados, assim como mensagens agressivas ou que pretendam apenas criar polêmica e discussão estéril.Pede-se, com empenho, que as mensagens não sejam redigidas em letra de caixa-alta (letras maiúsculas), que em linguagem de internet equivalem a falar gritando. As mensagens aqui postadas não representam a opinião do montesclaros.com; a responsabilidade pertence ao autor da mensagem).



Ir para mensagem N°:
Por data:

Mensagem N° 82811
De: Estado de Minas Data: Dom 22/10/2017 13:18:59
Cidade: BH
Prefeitura `desapropria` fontes privadas de água no Norte de Minas - Decreto da Prefeitura de Montes Claros de calamidade pública autoriza a Copasa a entrar em propriedades particulares e retirar água de poços tubulares e de outras fontes para o abastecimento público - Luiz Ribeiro - 22/10/2017 08:11 - A crise hídrica enfrentada pela população de Montes Claros, no Norte de Minas, sexta maior cidade do estado, com 400 mil habitantes, levou a prefeitura a tomar medidas extremas para tentar evitar o colapso no abastecimento. Assinado pelo prefeito Humberto Souto (PPS), decreto de calamidade pública autoriza a Copasa inclusive a entrar em propriedades particulares e retirar água de poços tubulares e de outras fontes para o abastecimento público. O município tem cerca de 3 mil poços tubulares, segundo a administração municipal.
O decreto de calamidade em “razão da estiagem e falta de abastecimento de água” estabelece uma série de restrições aos consumidores para impedir o desperdício de água, como proibir lavar calçadas e varandas com o uso de mangueira. Aqueles que desobedecerem estão sujeito a sanções, incluindo a suspensão do fornecimento. A cidade já enfrenta racionamento, com regime de 24 horas de fornecimento por 48 de suspensão.
O Norte de Minas enfrenta estiagem prolongada pelo quarto ano consecutivo, situação que provocou o secamento da grande maioria dos rios e córregos da região e a drástica redução dos reservatórios que abastecem as populações urbanas da região. Por causa da falta de chuvas, a barragem do Rio Juramento (Sistema Rio Verde Grande), que abastece 65% dos moradores de Montes Claros, estava com cerca de 15,8% de sua capacidade na sexta-feira.
Para evitar que a situação se agrave ainda mais, a Copasa iniciou a construção de uma adutora de 56 quilômetros para captação de água no Rio Pacuí, no município de Coração de Jesus, prevista para entrar em funcionamento em agosto de 2018. Após a reação de pequenos produtores de Coração de Jesus, que alegam que o Pacuí não tem vazão suficiente para fornecer água para Montes Claros, a empresa de saneamento anunciou que, para atender à cidade-polo do Norte do estado, vai captar água em um ponto do Rio São Francisco no município de Ibiaí. Para isso, vai construir 146 quilômetros de tubulação, aproveitando os 56 quilômetros de rede até Coração de Jesus, ao custo de R$ 323 milhões e prazo de três anos.
Em nota, a Copasa informou que, após a decretação de calamidade pública em Montes Claros, vai se reunir com representantes da administração municipal “para verificar as possibilidades de utilização das prerrogativas do decreto para melhorar as condições do abastecimento público no município”. A gerente do distrito da concessionária em Montes Claros, Mônica Ladeia, disse que, atualmente, com o racionamento, estão sendo fornecidos para a população do município 605 litros de água por segundo, sendo que em condição normal seriam 885 litros por segundo. Como medida emergencial, a companhia iniciou a perfuração de 30 poços, dos quais oito já estão em funcionamento e outros 10 começam a ser usados até novembro. Os demais 12 ainda serão licitados.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82810
De: Manoel Hygino Data: Sáb 21/10/2017 08:21:39
Cidade: Belo Horizonte
Penalizando ou punindo

Manoel Hygino

O problema é apenas da falta de um mínimo de conhecimento da língua portuguesa que falamos – porque há as outras, usadas em Portugal, em Luanda e em Moçambique, por exemplo. Assemelham-se à nossa, mas não é absolutamente igual. Para conferir, basta ler os textos com cuidado ou ouvir, também cuidadosamente, as palavras e pronúncias em programas transmarinos ou em gravações que de lá procedem. E a gente só tem a aprender, claro.
Gente há que abusa na errônea utilização da língua, o que é uma traição ao passado e ameaça ao futuro em termos de convicção. Aliás, em outras palavras, é o que diz o sempre consultado, porque jamais esquecido, Aires da Mata Machado Filho: “Deixar a cada um a faculdade de inventar para si uma boa linguagem, seria erigir em lei a balbúrdia generalizada”. E de bagunça, chega. Fazê-lo, seria engendrar o mais funesto amoralismo gramatical, pois há uma ética linguística, como reconheceu Ferdinand Brunot.
Não se permitirá despautério em país como o nosso, onde grassam veleidades de autonomia linguística, e onde sobram os que, em linguagem falada e em linguagem escrita, “dão por paus e por pedras”, como anota o culto diamantinense. Ele ensinou pelo rádio, nas salas de aula, pelas páginas dos jornais, foi professor de língua portuguesa no nosso Instituto São Rafael, destinado à educação de cegos.
Faço extensa exposição inicial para alertar sobre o uso indevido, errado, fraudulento possivelmente, do verbo penalizar, na acepção de punir.
O próprio ministro da Agricultura, Blairo Maggi, que –segundo notícias constantes – não é flor que se cheire, sobre a inoportuna portaria de trabalho em regime de escravidão, declarou: “Ninguém quer ou deve ser favorável ao trabalho escravo, mas ser penalizado por questões ideológicas ou porque o fiscal está de mau humor não é justo”.
O ilustre auxiliar do governo da República deve entender muito de agricultura, pecuária, etc. Porque ele empregou, em verdade o verbo da primeira conjugação em sentido equivocado, ou mais claramente: está enganado. Bastaria recorrer aos dicionários para certificar-se.
O veterano e conspícuo Domingos Paschoal Cegalla já informava, na segunda década do século passado (e caminhamos para um século). Penalizar: causa pena, afligir. A ideia de que se trata de impor penalidade, punir, parece coisa morta. O próprio professor já dizia que usar o verbo como sinônimo de punir e prejudicar era neologismo dispensável.
Talvez, por força do erro, confundimos alhos com bugalhos na aplicação das leis. Penalizar não é apenar, aplicar punição. Quem deve pagar por alguma ilicitude merece castigo.
Não tão longe fica Houaiss ao observar: “tem havido rejeição desta palavra no sentido de punir, apenar, entre por profissionais ligados ao direito”. Com propriedade significa ter dó ou piedade, apiedar-se, compadecer, consignar-se, compungir-se. Autores de delinquências têm sim de ser punidos na forma da lei.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82809
De: Jaime Damião Data: Sex 20/10/2017 21:54:24
Cidade: Moc

Breves notas, de memória, acerca do velório de Padre Henrique, que começou na tarde de quinta, varou a madrugada de sexta, atravessou o dia e se estenderá à manhã deste sábado. Quando, então, o corpo descerá ao campo santo das monjas carmelitas descalças de Montes Claros. Mosteiro inspirado por ele, Padre Henrique, há 40 anos, tempo em que foi o capelão e confessor das filhas de Santa Tereza Dávila entre nós.

- Ainda na noite de quinta-feira. A fanfarra da Casa São Luiz Gonzaga pediu e obteve autorização e foi tocar, em roupa de gala, vermelha, na porta da Matriz do Cintra. Quem viu e ouviu descreve a homenagem da fanfarra ao seu fundador como uma das mais sentidas e emocionantes.

- Dentro da nave da matriz do Cintra, desde a tarde de quinta, milhares de pessoas passaram diante da urna simples de Padre Henrique. Urna simples, franciscana, quase tosca. Em alguns momentos, a quantidade de pessoas foi tanta que obrigou a organização de filas.

- Padres de muitas paróquias se revezaram oficiando missas noite adentro, e também no dia de hoje.

- Às 8h30, sempre no caminhão dos Bombeiros, o corpo deixou a área central de M. Claros e foi conduzido lentamente para a igrejinha de Santiago Apóstolo, última igreja edificada por Padre Henrique.

- Igreja diminuta e graciosa, que lembra a Porciúncula de Francisco de Assis. Para sua construção, padre Henrique não permitiu que árvores fossem cortadas. Na frente, um bosque floresce, e tenras palmeiras eram regadas diariamente por ele. Hospitalizado por quase uma semana, ele perguntava - "quem está regando minhas palmeirinhas?".

- Entre estas árvores, frondosa, verde, está uma de origem indiana, a árvores Neem (se pronuncia Mim), sagrada entre o povo de espiritualidade mais arraigada da terra, há milhares de anos. Tudo na árvore sagrada Neem é curativo, da raiz às folhas. Esta árvore, hoje, muito ajudou a conter o forte calor, de 35 graus, durante a tarde.

- A igrejinha esteve cheia durante todo o dia, com missas seguidas. Ali se viu repetir o que aconteceu desde a primeira hora do velório, quinta à tarde. O caixão, isolado por bancos, ficava a pequena distância do público. As pessoas então pediam que terços, escapulários, rosas, chaves, quadros, estampas, fotos, todo tipo de objeto, fosse encostado nas mãos do padre, para se transformarem em relíquias.

- Do lado de fora da igrejinha de Santiago, onde se acumulavam centenas de coroas de flores, os mais próximos relembravam as muitas alegrias que Padre Henrique viveu no lugar, desde que recebeu o terreno para a nova obra. Veio sozinho, e num cômodo isolado, no meio do mato, passou a morar.

- Relembraram as vezes, muitas, em que deixou o seu quarto, e até sua cama, para nela acolher alguém necessitado, como foi o caso de rapaz ferido por arma de fogo. Ia dormir num sofá junto da biblioteca.

- Histórias vão aflorar, a partir de agora, pois a admiração pelo sacerdote, considerado santo, cercou de reverente silencio sua inigualável humildade.

- A capelinha de Santiago Apóstolo: no altar, há imagens de S. José, de Nossa Senhora, do Divino Espirito Santo, de S. Luiz Gonzaga, e, última a chegar, a grande réplica de Santiago Apóstolo, entre nós São Tiago Maior, que veio da Espanha, da Catedral de Santiago de Compostela, local mundial de peregrinações.

- Minúscula, assim como a Porciúncula, a capelinha de Padre Henrique parece imensa, para caber tudo que nela habita. As estações da Via Sacra foram doadas por artistas da terra. Cada um fez a sua, por própria inspiração, e o resultado é esplêndido. As estações conversam entre si, e também com a Natureza ao redor.

- Por volta das 16h desta sexta, quando o calor se acentuou, o arcebispo Dom Alberto iniciou a missa, concelebrada por outros padres. A canícula não afugentou ninguém.

- Ficaram todos, cantando e rezando em torno de Padre Henrique, que serenamente parecia dormir.

- Conciso, didático, o arcebispo explicou a vastidão do trabalho feito pelo homem que ali era velado. "Santo", murmuravam muitos, em muitas oportunidades.

- Estava acertado: quando terminasse a missa, o corpo deixaria a igrejinha, o bosque em frente, o último quarto, a biblioteca, o refeitório doméstico, a quadra, as salas de aula, as flores de cheiro, deixaria tudo o que o padre fez existir ali.

- As coroas de flores foram enfileiradas em direção à porta.

-Cantando, veio a multidão trazendo o corpo, rua a fora.

- Haviam decidido que o último percurso terreno a ser cumprido por Padre Henrique - o trajeto entre a casa e o Carmelo - seria pelas mãos da gente, indistinta, a quem estendeu as mãos nos últimos 52 anos.

(Há outros dois momentos semelhantes na história recente de M. Claros. Nos anos 60, quando o padre belga Chico se despediu, sempre pedindo para voltar para M. Claros. E quanto Padre Dudu veio, o corpo, da Santa Casa para a Matriz, em noite de litanias).

- Assim, por mais de uma hora, cantando e rezando, a multidão foi, a pé, depositar o corpo na capela do Carmelo, diante do altar.

(No trajeto, perdeu-se para sempre uma tradição, a de que é incomum, raro, coisa quem ninguém nunca viu, mulher segurar na alça de caixão. Foram exatamente as mulheres, as mães, que mais requisitaram levar o corpo, e o fizeram por quase 10 quarteirões, na tarde quente, de sol intenso).

- Quando o cortejo se aproximou do mosteiro, os sinos do campanário começaram a tocar. O toque não sugeria luto, nem lamentação, anunciavam valor acima. Muita gente aguardava.

- As carmelitas descalças, que anualmente repetem os votos perpétuos, eternos, na presença do seu capelão, sempre à meia-noite do Domingo de Páscoa, as monjas se levantaram na clausura, e cantaram.

- O arcebispo auxiliar, Dom Justino, presidiu a segunda concelebração da tarde, que teve um monge beneditino, de S. Paulo - ainda novo, mas que foi prior de Dom Marcos Barbosa, célebre na Academia Brasileira de Letras e na vida monástica.

- Terminada a missa, por volta das 20h, a grande quantidade de pessoas que enchia a capela e os jardins do mosteiro foi avisada de que o velório se prolongaria até às 21h.

- Depois, as portas seriam cerradas, para que as monjas carmelitas descalças deixassem a clausura e ingressassem no centro da igreja para cantar, rezar e se despedirem do sacerdote que esteve no centro da vida do ascetério no começo e nos seus primeiros 40 anos.


(Aqui, é preciso recordar: Giovanni Francesco di Bernardoni, São Francisco de Assis, morreu na igrejinha da Porciúncula, que fica num vale abaixo de Assis, cidade intra-muros.
A meio-caminho, estaciona a igrejinha de São Damião, que ele reconstruiu, depois transformada em mosteiro de Santa Clara, e onde por séculos ficou o corpo da Clara, atualmente exposto na Catedral das Clarissas
Morto Francisco, em noite de lamentosa ventania, subiu a procissão de archotes com o corpo. As irmãs o esperavam. Abriram o minúsculo espaço do parlatório para através dele entrar o corpo do santo, na visita última. Clara, com os dentes, ainda tenta extrair os estigmas da mão, o cravo. Pouco depois, o corpo é devolvido, e a procissão ingressa nos muros de Assis, para ser selado à terra).



- Quando amanhecer este sábado, vencida a vigília das freiras carmelitas descalças, às 6 horas, as portas da capela do Carmelo vão de novo se abrir para a última e definitiva cerimônia do adeus, ao corpo.

- O arcebispo Dom Alberto concelebrará nova missa.

- Em seguida, o corpo será levado para os jardins internos, onde - ao abrigo do mundo - repousam as relíquias das carmelitas que morreram no convento. Padre Henrique pediu e recebeu permissão para lá descansar o irmão corpo, exausto. 86 anos. 70 de vida devocional. 40 no Carmelo. 52 em M. Claros.

- Do lado de fora, vão aflorar as histórias de sua animosa vida de santo - isto é, a vida de quem vive apartado do pecado.

- Algumas histórias hoje começaram a escapar: no CTI, na última visita, apertou a mão do discípulo próximo e murmurou - sem traço de inquietação - "chegou, é o final".

- Ao formular, depois, o mesmo presságio, religiosa o desautorizou com veemência - "não, não chegou, eu o proíbo....".

- Os que estavam no CTI ou ali próximos ainda ouviram cantar um Salve Regina e duas outras músicas piedosas.

- Ouvindo, lúcido, era o padre que logo partia. "Eternamente, sacerdote do Altíssimo".
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82808
De: Manoel Hygino Data: Sex 20/10/2017 12:47:58
Cidade: BH
Li a longa notícia sobre o falecimento entre nós do padre Henrique, uma perda para a cidade e para os que a ele sobrevivem. Um exemplo. (...)
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82807
De: Rafael Pereira Data: Sex 20/10/2017 09:12:34
Cidade: Montes Claros
É incoerente estarmos diante de uma crise hídrica, e ver os córregos que cortam nossa cidade poluídos da forma em que se encontram. Se o esgoto estivesse sendo tratado de forma eficaz poderíamos aproveitar melhor esta água.
Se a água é um recurso tão precioso, por que os rejeitos e resíduos urbanos ainda são lançados nela?
Se existe estação de tratamento de esgoto, por que as aguas ainda estão poluídas?
É um absurdo estarmos enfrentando um racionamento de água, e ao mesmo tempo assistirmos este precioso recurso, indo embora da cidade na forma em que se encontra nos nossos córregos.
É inaceitável tratarmos a água da forma como estamos tratando.
Deveria ser proibido o despejo de resíduos na água, da forma como é feito aqui em Montes Claros. É incoerente, que ao mesmo tempo que necessitamos da água, nós mesmos a tornamos impropria para nossas necessidades.
Em qualquer sociedade mais evoluída, com certeza estaríamos consumindo esta água de nossos córregos, e não seria utilizada somente para despejo de nossos rejeitos.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82806
De: Estado de Minas Data: Sex 20/10/2017 08:27:35
Cidade: Belo Horizonte
Homem é preso em Janaúba por ameaçar atear fogo em creche - Luiz Ribeiro /Larissa Ricci - 20/10/2017 00:14 - Foi preso no fim da tarde desta quinta-feira no distrito Quem Quem, em Janaúba, no Norte de Minas, um homem que ameaçava atear fogo numa creche na localidade, distante 40 quilômetros da área urbana. A prisão foi confirmada pelo comandante do 51º Batalhão da Polícia Militar em Janaúba, tenente-coronel João Aparecido Nascimento. O homem, cuja identidade não foi revelada, foi encaminhado para a delegacia da Polícia Civil da cidade. Segundo o tenente-coronel Nascimento, o suspeito contou que trabalhou em uma empreiteira que prestava serviço para a prefeitura de Janaúba e que teria um valor para ser recebido. Indignado com o atraso do pagamento, ele teria comentado com uma familiar que colocaria fogo na creche, caso a dívida não fosse paga. Diante da ameaça, a mulher denunciou o homem à polícia. No entanto, nenhuma substância inflamável foi encontrada com ele. O suspeito, morador de Quem Quem, foi levado para prestar esclarecimentos no início da noite. Mais informações deverão ser passadas na manhã desta sexta-feira. O fato ocorreu duas semanas depois da tragédia na creche municipal Gente Inocente, no Bairro Rio Novo. Em 5 de outubro, o vigilante Damião Soares dos Santos, de 50 anos, ateou fogo a si mesmo e provocou a morte de nove crianças e da professora Heley de Abreu Silva Batista, de 43. Mais de 40 pessoas ficaram feridas.
OPERAÇÃO
Após levantamentos no local, também foi realizada a prisão de um foragido da Justiça – que também não teve a identidade revelada. Uma arma de fogo, munições, entorpecentes foram apreendidas, junto com duas motocicletas adulteradas.

***

O Tempo - Homem ameaça incendiar escola em Janaúba e é preso pela PM - 20/10/17 - 05h00 – Ailton do Vale - Duas semanas depois da tragédia em Janaúba, no Norte de Minas, um homem de 52 anos, que ainda não teve a identidade divulgada pela Polícia Militar (PM), foi preso nesta quinta-feira (19) ao ameaçar incendiar uma escola em Quem-Quem, distrito que fica a 44 km da cidade onde aconteceu o incêndio criminoso na creche Gente Inocente. Vizinhos e parentes do suspeito, que acionaram a PM, contaram aos militares que o homem trabalha para uma empreiteira contratada pela prefeitura de Janaúba para realizar um serviço de pavimentação.Conforme os relatos, o suspeito estava furioso porque não recebeu um pagamento pelo trabalho prestado e, por isso, ameaçava se vingar colocando fogo na instituição de ensino de Quem-Quem. O homem foi preso na casa onde ele mora no distrito. De acordo com a PM, foram encontradas drogas na residência. A corporação, no entanto, não informou quais eram as substâncias ilícitas e se o suspeito chegou a fazer uso de alguma delas. No imóvel, os policiais não localizaram elementos inflamáveis que pudessem ser utilizados em um incêndio como aquele causado pelo vigia Damião Soares dos Santos, de 50 anos, na creche Gente Inocente. O sargento José Alves Neto, da PM de Janaúba, contou à reportagem do portal O TEMPO que o homem de 52 anos estava agitado no momento da prisão. No local, parentes do suspeito confirmaram as ameaças contra a escola. Ele foi encaminhado para a delegacia da região onde vai prestar esclarecimentos sobre o caso. "A informação que temos é a de que os parentes realmente confirmaram as intenções desse homem de atear fogo em Quem-Quem. Ele estava exaltado dizendo que se não fizerem o pagamento do valor que devem a ele, vai dar um jeito de incendiar uma creche", ressaltou o sargento. A tragédia em Janaúba aconteceu na manhã do dia 5 de outubro, uma quinta-feira. Naquele dia, o vigia, também conhecido como Damião do Picolé, entrou na creche com um balde de sorvetes no qual levava gasolina. Ele ateou fogo no próprio corpo e depois agarrou as crianças. O incêndio matou o próprio autor do crime, nove crianças e a professora Heley Abreu Batista, de 43 anos, que salvou diversos alunos. Além dos 11 mortos, a tragédia deixou 48 pessoas feridas.

***
Hoje em Dia - Homem é preso por ameaçar atear fogo em outra creche em Janaúba - 20/10/2017 - 09h57 - Atualizado 10h04 - Um homem foi preso após ameaçar atear fogo em uma creche no distrito de Quem Quem, na zona rural de Janaúba, em Minas Gerais, nesta quinta-feira, 19. No dia 5 de outubro, um vigia incendiou uma escola infantil e matou 11 pessoas, a maioria crianças, na mesma cidade. Luiz Carlos Mendes Moreira, de 52 anos, teria prestado serviços para uma empreiteira contratada pela prefeitura e os pagamentos estariam atrasados. Os familiares e pessoas do convívio de Moreira confirmaram que ele estaria há pelo menos uma semana dizendo que atearia fogo na creche Cantinho Feliz, "igual aconteceu em Janaúba", se não recebesse o valor referente ao serviço de pavimento de vias que prestou à prefeitura. Ele não é funcionário público e nem trabalha na creche, informou a assessoria de comunicação da Polícia Militar de Minas Gerais. No final desta quinta-feira, a diretora da instituição educacional acionou a PM, que encaminhou ao local uma equipe do 51º Batalhão da PM. O homem foi preso em flagrante pela ameaça.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82805
De: Manoel Hygino Data: Sex 20/10/2017 07:24:07
Cidade: Belo Horizonte
O medo do futuro

Manoel Hygino

Não se negam lampejos na economia brasileira, com trovoadas não muito correspondidas por belas pancadas de chuva. Na capital, uma pesada chuva, de curta duração, e foi-se. O Brasil não quer tempestades. Mas o FMI aumentou a expectativa do PIB para 2018, o que poderá nutrir a campanha política que já se aproxima.
Enquanto o cidadão penará para pagar a conta de energia que o Correios trará, já é válido e alto o reajuste de combustíveis e o novo preço do gás de cozinha. Neste interim, o jornal que o leitor tem à mão noticiou a existência de muitas ambulâncias do Samu abandonadas na Região Metropolitana. E o povão, aflito, pede assistência.
Não sofre solução de continuidade, contudo, o ofício árduo dos bandidos atuantes em todo o país, subtraindo ou deixando estragos em bens dos cidadãos que pagam tributos. Tem também sequência a morte dos brasileiros (ou não) que ousam possuir alguma propriedade, qualquer que seja, ou espairecer-se pelas ruas nas tardes cálidas. Os criminosos sabem o que fazem, como aconteceu na pacata cidade de Capitão Enéas, acordada pela madrugada com tiros por todos os lados. Virou rotina na região. Em 29 de setembro, a PM mostrou as armas pesadas e explosivos, bem como parte do dinheiro roubado do Banco do Brasil num matagal. Eram pistolas 9mm, duas submetralhadoras, fuzil, pistolas. Essa gente anda prevenida. Os agentes da alei têm de entrar em ação a qualquer hora e circunstâncias, precisando de arsenal condizente para enfrentar a bandidagem.
Coisinhas
Observe-se: levantamento da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro revela que o roubo de cargas já causou prejuízo de mais de R$ 250 milhões nos últimos 6 meses em Minas Gerais. O Estado ocupa o terceiro lugar em ocorrências no gênero, atrás de São Paulo e Rio. A pesquisa indica também que entre 57 países, o Brasil é o oitavo com maior risco para roubo de carga, à frente de países em guerra e conflitos civis, como Paquistão, Eritreia e Sudão do Sul. Ainda bem que estamos em paz: Estamos? Quantos são mortos a tiros e facadas ou nas rodovias? O mais grave é que temos um lampejo, somente um lampejo, em meio à escuridão da noite no pântano. O homem deste país vê a televisão para saber as notícias e, sem mais assombro sequer, ouve, o relato dos desatinos e tragédias de todos os dias. Não há gente sensata e honrada que não perca o sono após desligar o vídeo, já antecipando os efeitos ainda piores (?) do que terá à frente.
O farto noticiário sobre a programação artística dá ideia de que a maioria possa ir às casas de espetáculos, contando com o salário diminuto, mas até isso é repetidamente inviável. É inegável que nos tornamos pessimistas e descrentes. Evidentemente me refiro aos que ganham ínfimas diárias, sem esquecer os milhões sem trabalho, nem salário.
A criminalidade, avassaladora, anda solta e invencível, porque está em todos os ambientes e tempo. Dentro dessas perspectivas, caminhamos inexoravelmente a enfrentar a ameaça de agravamento da situação neste acampamento em que nos transformamos, assunto imenso e permanente para a imprensa, que não pode ser responsabilizada pela situação de medo e vergonha de agora.
Como se pouco fora, eis que surge inesperada portaria sobre fiscalização do trabalho escravo nestes 5 milhões e 500 quilômetros de extensão. O problema, como inúmeros outros, irá para os gabinetes do Judiciário, se não revogados os novos dispositivos com urgência.
Tem razão Galba Velloso, ex-ministro do Tribunal Superior do Trabalho. “Os meios que o presidente usa para se defender constituem novas irregularidades...”.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:





Mensagem N° 82804
De: Maria Luiza Silveira Teles Data: Qui 19/10/2017 16:59:37
Cidade: Montes Claros  País: Btsdil
E-mail: mluizateles@gmail.com

A PARTIDA DE UM PASTOR DE ALMAS


Não o veremos mais em sua bicicleta e batina rota. Depois de toda uma vida dedicada ao outro, ele foi chamado de volta à nossa pátria verdadeira.
Como um homem é capaz de deixar toda uma cidade de luto e órfã? Essa é a reflexão mais importante que ele nos deixa. Numa era tão materialista e voltada para o exterior, tivemos o privilégio de ter entre nós um verdadeiro discípulo de Cristo. Um homem de uma humildade incrível, que jamais parou para pensar em si, mas viveu unicamente para servir.
Quando eu estava na Santa Casa com meu pai para morrer, ele apareceu do nada e perguntou: “Onde está Geraldo?” Eu e minhas primas estávamos na ante-sala, esperando o enfermeiro dar banho em papai. Eu respondi: “É aqui mesmo, mas ele está sendo banhado”. Ele disse: “Não importa. Eu vim dar-lhe a unção dos enfermos e vou fazê-lo aqui mesmo com vocês. Vamos todos nos dar as mãos”. E, juntos, o seguimos na prece de entrega do espírito de papai ao Senhor. Mas, quem o chamou? Nunca vou saber por que quando perguntei a ele a resposta foi:" Não me lembro".
Meu pai o admirava muito. Sempre dizia: “Aquele é um padre de verdade. Ele me faz lembrar Dindinho Padre”.
Dindinho Padre era o Padre Augusto Prudêncio da Silva, primo de minha avó e quem arrebatou meu pai, quando criança, e o levou de cavalo por toda a enorme paróquia. Papai conta a sua história no livro “O Padre Velho”. Para nós da família ele é e será sempre o Dindinho Padre.
Não sei se por essa semelhança ou se realmente pelo que ele foi e pela beleza de sua vida, aprendi a amar muito o Padre Henrique, embora não seja católica, nem tenha convivido com ele.
Hoje, o vazio tomou conta de mim. Perdi uma referência. Sei que é o abalo da hora, pois tenho certeza de que O Pai Maior reservou para ele um maravilhoso lugar na outra dimensão
Estamos vivendo uma época em que a sociedade consumista e voltada apenas para o capital acabou por se tornar esquizofrênica, sendo os seus membros polarizados e apenas reativos, sem tempo nem vontade para se tornarem reflexivos.
Nesse momento de luto, devemos parar um pouco e lembrar que a vida é um sopro que se apaga num instante. Depois de viver muitos anos e chegar à velhice, compreendemos como tudo passa rápido.
Iremos todos para outro plano de mãos vazias, assim como chegamos. Só levaremos conosco a nossa essência. Estaremos diante do Pai apenas com os tesouros que acumulamos nessa vida, isto é, com nossas aprendizagens no campo da virtude.
Já viram alguém sentir falta de uma criatura fútil e cruel? Não. Por esse ninguém derrama lágrimas. Mas, hoje, choramos pela ausência do Padre Henrique. Por quê? Porque ele agiu como um verdadeiro pai. Deu comida a quem tinha fome. Água a quem tinha sede. Agasalho a quem tinha frio. Ele acolheu com seu carinho e seu carisma todos aqueles que o buscaram em momentos de aflição, necessitados de conforto.
E fez muito mais: sabendo que o ser humano não necessita apenas do pão, mas também do alimento espiritual e intelectual, ele criou verdadeiras escolas não somente para o ensino de disciplinas curriculares, mas verdadeiras escolas de amor.
Pessoas como ele, que espalham vibrações de amor e paz, ficam para sempre na memória dos membros da sociedade que ajudaram a transformar.
Padre Henrique Munáiz exemplificou amor, humildade, abnegação e entrega absoluta. Estamos devolvendo-o ao Criador, mas seu exemplo ficará conosco como um farol a guiar-nos pelas noites sombrias e pelos árduos caminhos da Vida. Ele parte para a eternidade e fica na História de Montes Claros e no coração de todos nós.

Maria Luiza Silveira Teles (presidente da Academia Montes-clarense de Letras)
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82803
De: Prefeitura Data: Qui 19/10/2017 16:23:46
Cidade: M. Claros
Prefeitura decreta Situação de Calamidade em razão da estiagem - O prefeito de Montes Claros, Humberto Souto, assinou nesta quinta-feira, 19, o Decreto Municipal nº 3.583, que declara Situação de Calamidade no município, em razão da estiagem e da falta de abastecimento de água potável.
“A gravidade desse problema tem nos motivado a buscar soluções diariamente. O decreto é um instrumento fundamental para a atuação do prefeito”, explicou Humberto Souto. O texto do decreto prevê que, em caso de grave necessidade de abastecimento, a produção excedente proveniente dos poços particulares do município poderá ser usada para reforçar o fornecimento de água para a população, através da Copasa. Com relação a eventuais indenizações que poderiam ser pagas aos proprietários desses poços, o prefeito informou que “o departamento jurídico está debruçado para encontrar uma forma legal de se fazer isso”.
Além de prever a utilização da água fornecida pelos poços para o abastecimento da população, o decreto também determina que, durante a vigência da situação de calamidade, diversas condutas estarão vedadas aos cidadãos, como:
- lavar calçadas e quintais com utilização de mangueiras;
- lavar veículos com mangueiras, em domicílios ou em via pública;
- lavar telhados, paredes ou calhas;
- aguar gramados ou jardins com o uso de mangueira;
- não consertar vazamentos constatados nas redes prediais nos prazos regulamentados.
A não observância dessas regras poderá ser punida com a suspensão do fornecimento de água para o morador infrator.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82802
De: José Ponciano Neto Data: Qui 19/10/2017 12:40:03
Cidade: Montes Claros - MG  País: Brasil
Simplesmente Padre Henrique.
Despojado de todas as vaidades; inteligente; filósofo; teólogo e sem a necessidade de ser inscrito no Cânon dos santos, pois, sua vida de dedicação já o tornou.
Um Santo nato.
Deste lado de temperança da sua pureza, quem me dera saber exprimir, neste momento, o que eu desejaria...
Permita-me lhe dizer. - Muito obrigado por tudo nosso mestre e companheiro de todas as horas!
Viva! Viva! Viva!

(*) José Ponciano Neto - IHGNM
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82801
De: Manoel Hygino Data: Qui 19/10/2017 07:28:35
Cidade: Belo Horizonte
Os soldos do marechal

Manoel Hygino

No próximo ano, registra-se o sexagésimo aniversário de morte de Rondon, militar e sertanista brasileiro, nascido em 1865, em Mimoso, nas proximidades de Cuiabá, Mato Grosso. O pai era de origem luso-espanhola, com mistura de índios guanás, enquanto a mãe, indígena, descendia de terenos e bororos.
Órfão dos pais aos 2 anos, foi educado por um tio, estudou no Liceu Cuiabano, de que seria professor, mas sonhava com o Exército. Sentou praça no Regimento de Cavalaria, logo se transferindo para a Escola Militar do Rio de Janeiro e incluindo-se entre os cadetes abolicionistas e republicanos.
Nomeado para a Comissão Construtora de Linhas Telegráficas, começou a exploração dos sertões mato-grossenses, assumindo o compromisso de não hostilizar os índios. Ligou por telégrafo imensas regiões do Brasil, penetrou o Paraguai e a Bolívia. Depois, o presidente Afonso Pena quis estender as linhas, ao Amazonas e Acre e Rondon estava à frente.
Além da integração geográfica realizava trabalhos linguísticos, etnográficos, botânicos e sociológicos. Sem se afastar da Comissão de Linhas Telegráficas, foi o primeiro presidente do Serviço de Proteção aos Índios. No Congresso das Raças, em Londres em 1913, foi aplaudido por sua atuação “para honra da civilização universal”. Em 1914, foi lhe atribuído o Prêmio Livingstone, pela Sociedade de Geografia de Nova York, após a Expedição Científica Rossendet-Rondon.
Sob Vargas, 1934, Rondon viu-se nomeado para presidir a Comissão Mista Internacional Peru-Colômbia, visando à pacificação dos países em dissídio pela posse da região de Letícia. Por quatro anos, de 1967 a 1972, sofrendo grave doença na vista, lá esteve até a confraternização.
Mas, quero focalizar outro aspecto de Rondon. Na presidência de Hermes da Fonseca, um ministro se empenhou por extinguir a Comissão Rondon, por o país estar em crise financeira. Sabedor da proposta, Rondon estabeleceu que as gratificações aos membros do grupo fossem reduzidas: dos soldados em 25%, dos oficiais em 50% e do chefe, que era ele, em 100%. Em expedição de grande repercussão, comunicou aos seus superiores que não aceitaria as gratificações, ficando com os salários do posto.
Quando chefiou o 16º Distrito Telegráfico de Mato Grosso, foi rebaixado do posto de major para capitão de engenheiros. Aceitou a condição. E não só: ao voltar da missão em Letícia, foi informado que por trata-se de estado de guerra, que lhe corresponderia a quatro vezes o soldo. Questionou o Ministério, que confirmou a vantagem, por função oficial no estrangeiro. Negou-se a receber a subvenção e determinou que os proventos ficassem para construção de uma escola em Mimoso, sua cidade natal.
Sua maneira de ser virou anedota. Na expedição ao rio São Miguel, inventou-se o conselho: “preparem o rancho para as praças... e um chá para o Estado Maior”. Um bom exemplo para os atuais, não é?
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82800
De: Manoel Hygino Data: Qua 18/10/2017 08:18:08
Cidade: Belo Horizonte
O Supremo sob crítica

Manoel Hygino

Já eu o dissera: mais do que os numerosos suspeitos de tropelias no exercício de cargos públicos, de beneficiários ou supostos beneficiários – de bondades para conhecidíssimas figuras da vida brasileira – está presentemente em julgamento a própria magistratura. Pode-se aferi-lo após a extensa reunião da mais alta Corte de Justiça do país, na quarta-feira, 11 de outubro.
Enquanto o calor ofendia os dias do mês, com altas temperaturas e se ingressava no Horário de Verão, bom para alguns, horrível para inúmeros outros, o Brasil manteve-se nas gravações às treze horas de reunião do Supremo Tribunal Federal. Tema polêmico, com complexos interesses em jogo, sintomas ou revelações de crise flagrante, mediante discussões acirradas.
Amaury Ferreira Brandão, da Academia Pouso-alegrense de Letras, é incisivo em seus pontos de vistas, lembrando que Ruy Barbosa já se referia aos “primeiros eclipses constitucionais”. A certa altura de um seu comentário, AFB repete a pergunta de Calmon de Passos: “O que é o Poder Judiciário? Uma divindade, já que o povo não participa de escolha na sua composição, cujos ministros são vitalícios e não respondem perante o povo como os outros poderes?”.
Amaury lembra ainda Paulo Saboia, que sustenta a necessidade de se colocar a Justiça sob controle do povo. Aduz ser inaceitável que juízes não tenham mandato, eternizando-se nas funções, mesmo não correspondendo às necessidades daquelas a quem deveriam servir.O Supremo não teria assumido no Brasil o papel idealizado por Ruy, vinculando-se a razões e interesses políticos. Cita AFB o caso de Ricardo Lewandowski, que “rasgou a Constituição para beneficiar cidadã cujo mandato jogou o Brasil na mais funda das cavernas”. Assim por diante.
Não repito os adjetivos mais fortes usados pelo acadêmico de Pouso Alegre, ao analisar a situação de alguns membros do Supremo, a que imensamente deve a nação, sobretudo em períodos de grave crise. Cada ministro é criticado, sem se esquecer os patrocinadores de suas candidaturas, desde o presidente José Sarney, que indicou Celso Mello, o decano da Casa, que dividiu apartamento com José Dirceu, em São Paulo, quando universitário; e Marco Aurélio, primo e indicado pro Fernando Collor, defensor do PT – é o que diz Amaury, “após sua filha ser indicada desembargadora federal por Dilma”.
Amaury cita Gilmar Mendes, apontado por FHC, cuja esposa trabalha no escritório do lobista Sérgio Bermudes, advogado de Eike Batista; Lewandowski, cujo filho serve ao escritório de Raul Chequer, envolvido na compra da Refinaria de Passadena: Dias Toffoli, ex-advogado do PT, e reprovado duas vezes em concurso para o TJ de São Paulo; Luiz Fux também indicado por Lula, que prometera “matar” o Mensalão no peito; Rosa Weber, protegida por Dilma, amiga do ex-marido de Dilma, Carlos Araújo, ex- assaltante de bancos; Luiz Roberto Barroso, também da safra da ex-presidente, cuja filha, advogada de Itaipu, condenada pelo próprio STF; além de Cármen Lúcia, iniciada por Lula da Silva. Finalmente, Alexandre Morais, novato, indicado por Temer, depois de ser secretário de Kassab e Alckmim.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82799
De: Alberto Sena Data: Ter 17/10/2017 17:57:04
Cidade: Grão Mogol
E-mail: albertobatista@superig.com.br
Onde estão todos ?

Alberto Sena

O tempo é voraz tanto quanto boca de fornalha de siderurgia. Passamos pela vida de muita gente e o contrário é também verdadeiro. Vamos vivendo. Vida em abundância. Mas, então, chega uma hora em que acontece de iniciar uma revisão, inda mais quando se é estimulado a isso.
Recentemente, em Montes Claros, retornei à Rua Corrêa Machado, onde vivi a adolescência e os primeiros anos de vida adulta. Depois de mais de quatro décadas, o botão das recordações daquela época foi, então, acionado.
Pergunto, e quem puder responder, por favor, faça um comentário. Por onde anda o ex-vizinho Eustáquio, neto de Dona Tina, uma senhora simpática, pequena na estatura física, mas de grande coração? Ela viveu quase 100 anos. Criou Eustáquio e outros netos vindos de Francisco Sá. Nós dividíamos nossas apreensões da adolescência.
E os irmãos Paulo e Luiz, filho do ferreiro Simeão? Moravam na Rua Doutor Veloso, quase esquina da Rua Corrêa Machado. Quem estiver com eles, diga a ambos, por obséquio, quase meio século depois retornei à casa onde a família deles morava. Quando apertei a campainha quem me atendeu foi uma senhora já de idade. Ela se identificou como sendo Alice, irmã de Paulo e de Luiz. Deixei com ela um abraço aos dois. Nós dividimos espaço nas jogadas de futebol, bolinha de gude e finca.
Alguém sabe me informar o paradeiro do galego Dedinho, vizinho de Bonga, na Rua João Pinheiro? Ele era companheiro no futebol desde os bons tempos do campo do União. Jogamos juntos no juvenil do Cassimiro de Abreu. Depois disso nunca mais nem ouvi falar de Dedinho. Alguém saberia dele?
E Sílvio Guimarães? Irmão de Helinho Guimarães, médico. Soube que formara em Medicina e nada mais. Sílvio foi companheiro de brincadeiras de estilingue, até o dia em que ele, estilhaçou o para-brisa de um caminhão caçamba do DER e deu até polícia. Com 11 anos de idade, eu e outros tivemos de ir à delegacia de polícia para sermos apresentados ao coronel Coelho, sem ter nada a ver com o fato.
Cadê Osmar, irmão de Geraldinha? Com ele jogava futebol, tampinha e juntos íamos à Escola Normal, no período ginasial. Lembro bem do cuidado da mãe dele com a roupa do filho. A camisa engomada, tanto quanto a minha, eram coisas de mãe. Nunca mais tive notícia dele. Tomou aquele comprimido para dor de cabeça e... Sumiu.
João Carlos Gabrich, irmão de Felipe, é outro sumido. Tive notícia dele, recentemente, por intermédio de Felipe. João Carlos mora na Serra do Cipó. Feliz dele. Serra do Cipó é um dos lugares mais aconchegantes do planeta. Como João Carlos fazia um pouco de tudo: bolinha de gude, futebol, papagaio. Era com ele e o irmão dele, Ricardo, que, creio, vive em Montes Claros hoje, mas há muito tempo não o vejo também.
E os irmãos Roberto e Ronaldo Lima? Roberto, sei, ele nos deixou, recentemente. Vivia em Januária. Que descanse em paz. O irmão dele, Ronaldo, o Roxxim, tenho notícias, ele é meu amigo no Facebook. Mora em Janaúba, aposentado do Banco do Brasil. Vivemos bons momentos, naquela época, não foi mesmo, Roxxim?
Jésio, o que aconteceu com Jésio? Ele morava na Rua Corrêa Machado esquina de Rua João Pinheiro. A casa nem existe mais. Tinha alpendre e era pintada de verde escuro. Dali do alpendre divertíamos com uma ousada brincadeira chamada “pau de bosta”. Não vou nem entrar em detalhes sobre essa brincadeira condenável.
E Danilo? Danilo morava numa casa atrás da Rua Corrêa Machado. Com ele passava horas jogando bolinha de gude ou, senão, empinando papagaio. Na manhã em que meu pai morreu, 15 de janeiro de 1961, eu jogava bolinha de gude com Danilo quando minha irmã, Lúcia, chegou me chamando. Era para eu ir correndo. Fui.
Quem sabe do Zezinho? Ele morava quase na esquina da Rua Camilo Prates com Corrêa Machado. Foi colega de escola e de Tiro de Guerra, se não me engano. Morava em frente ao Juquinha, um camarada com alguma deficiência física, mas de cabeça boa. Juquinha era o técnico dos times de futebol armados no campo do União.
Como dizia no início deste texto, a gente passa pela vida de tanta gente e tanta gente passa por nossa vida. É inacreditável. Duma hora para outra a própria vida cuida de distanciar as pessoas umas das outras. Ficaram só as recordações dos bons momentos vividos numa época em que éramos aprendizes de felicidade.
E Cícero Bastos – Cícero Estru, por onde anda? Ele morava na Rua Corrêa Machado. Quem sabe dele?
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82798
De: Manoel Hygino Data: Ter 17/10/2017 08:21:10
Cidade: Belo Horizonte
Ainda chuvas e trovoadas

Manoel Hygino

No dia 11, véspera das comemorações dos 300 anos da padroeira do Brasil, um extenso julgamento no Supremo Tribunal Federal decidiu que medidas cautelares judiciais contra parlamentares têm de ser confirmadas pelo Legislativo, se significarem comprometimento ao exercício do mandato. O resultado apertado, 5 a 5, com desempate pela presidente Cármen Lúcia, não constituiu certamente uma surpresa. Os ministros se esforçaram para demonstrar que os poderes são independentes, mas harmônicos, o que constituía, no fundo, quase o cerne da questão.
Foi uma sessão com posições expressas veementemente. Não se aprovou o argumento da ministra Rosa Weber e de outros ministros, segundo os quais submeter atos próprios do Judiciário a outro poder compromete o equilíbrio de harmonia. De todo modo, só aparentemente o importante capítulo do presente ciclo de arestas foi vencido, com o “finale” marcado para o dia 17, quando o caso Aécio será especificamente definido pelo Senado Federal, do qual se acha afastado. O panorama se me apresenta extremamente delicado, porque os ilustres membros da mais alta Corte do país não chegaram a bom termo nos entendimentos, a despeito da decisão de quinta-feira, prevendo-se proximamente chuvas e trovoadas.
Como nos encontramos evidentemente já pensando nas eleições do ano que vem, percebe-se a necessidade de medir os problemas e posicionamentos a partir desta perspectiva. Aqui e em qualquer outro lugar, cabe o direito de defesa aos acusados ou apontados em investigações incessantes, porque tampouco cessam os fatos delituosos. Mas não se pode admitir que só há inocentes não se sustenta, parece mais um jardim de infância em que todos querem benevolência da “tia” para suas traquinices”. Não é o que ora ocorre?
Acrescenta: “Admiro quem se dispõe a cuidar de tantos (cidadãos), disputando eleições e ocupando posições na estrutura de poder. São potencialmente capazes de fazer a diferença para muitos. Mas ninguém é obrigado a ocupar estas posições se não se sente preparado ou se teme se dobrar às tentações do caminho. Diferentemente da vida pessoal, onde se nos mantemos inocentes, sobrecarregamos poucos, incluindo aqueles que nos amam e que não suportam nos ver em dificuldade. O caminho do poder é um caminho árduo, de muitos testes e que não pode era trilhado com olhos inocentes simplesmente porque as consequências podem atingir milhões de outros”.
O articulista, por sinal, se espanta – como milhões de outros brasileiros – ao ler o noticiário e conhecer as investigações sobre este sistema de governo, com o qual aquiescemos, a partir de nossa própria inocência. O debate gira unicamente em torno da falta de provas, do desconhecimento de práticas tão antigas, inerentes ao próprio sistema. “Somos levados a criar torcidas como no futebol: escolher o lado e defendê-lo nas redes sociais”. Em resumo: “Me parece secundária a discussão sobrea qual o partido ou político deveria vir ocupar o posto de presidente. O essencial é que estamos sendo governados sob uma estrutura ineficiente para apoiar ações que precisaríamos implementar como seres humanos”. E defende: “Na minha visão, mais do que governos de esquerda ou direita, precisamos que o poder seja ocupado por quem possa sustentar a perspectiva do amor e do olhar para o bem-estar coletivo. Estou cansado desta discussão polarizada que apenas nos divide, opõe, mas não toca no essencial. Me recuso a compartilhar da inocência de qualquer sigla e de doar meu tempo para fomentar o ódio a qualquer das partes que se deixaram partir”.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82797
De: Alberto Sena Data: Seg 16/10/2017 10:02:08
Cidade: Grão Mogol
E-mail: albertobatista@superig.com.br
Flatulência descontrolada

Alberto Sena

Houve uma época, em Montes Claros – podem até não acreditar, mas houve – em que a Rua Corrêa Machado, entre as ruas Doutor Veloso e João Pinheiro era um bom lugar de morar. O asfalto ainda não havia chegado. Com o calorão de sempre, na cidade, era comum as famílias levarem cadeiras para as portas das casas a fim de se refugiarem na rua tanto do calor como dos pernilongos.
Isso acontecia, só para se ter uma ideia, até pouco tempo antes da chegada da televisão. Na ocasião, em termos de veículo de comunicação, havia em Montes Claros a ZYD-7, “Rádio Sociedade Norte de Minas, da rede verde e amarela Norte e Sul do País, falando de Montes Claros para o mundo”, o jornal Gazeta do Norte, O Jornal de Montes Claros e depois o Diário de Montes Claros. Passado algum tempo, veio o “Big Boy”, pseudônimo de Newton Alvarenga Duarte, “disc jockey” da Rádio Mundial responsável por uma verdadeira revolução no rádio brasileiro. Ele era a sensação das noites.
A televisão chegou e foi responsável por retirar as famílias das portas das casas. Limitou-as às dependências das salas e dos quartos, porque vieram as novelas e os demais programas televisivos.
Mas, neste momento, me vejo com a família sentado numa cadeira na porta da casa da Rua Corrêa Machado, depois de construída a calçada de cimento.
Foi nos primeiros anos da década de 60. Fica fácil calcular a época e compreender não estar tão longe assim porque muitos dos personagens ainda estão vivos para confirmar o episódio a ser contado, acaso seja necessário, para corroborar a veracidade desta estória e de outras do período.
Numa noite de calor quase insuportável, estávamos todos, mãe – pai já havia falecido – e alguns dos filhos à porta de casa e alguém teve a feliz ideia de mandar comprar picolé lá na soverteria da Praça Coronel Ribeiro. Tinha de voltar rápido, de bicicleta, para evitar o derretimento dos picolés.
Estavam na porta da casa vizinha duas moças irmãs, uma delas com o namorado, com quem acabou se casando. A irmã dela ali estava naquela condição de “vela”, e, em certo momento, a moça deu de entrar e ficaram só os dois e nós na nossa porta, conversando animadamente e chupando picolé.
Estávamos meio estremecidos com os vizinhos por causa de um problema criado por eles mesmos a partir de um bueiro de água fluvial. No período chuvoso a água da chuva passava de um quintal para o outro, a partir da Rua Doutor Veloso até alcançar a Rua João Pinheiro. A água do nosso quintal tinha de escoar para o do vizinho, que, duma hora para outra cismou de fechar o bueiro a um canto do muro.
Resultado: o aguaceiro recebido dos outros quintais inundou o nosso e tivemos de usar um enxadão para desobstruir a passagem d’água pelo bueiro. Houve bate-boca e por causa disso, a relação com os vizinhos – mãe viúva e filhos, duas moças e um rapaz – ficou estremecida.
Então, retomando a narrativa, estava o casal ali, namorando, quando, não se sabe se ele ou ela deixou escapar uma flatulência alto e em bom som. Como não podia deixar de acontecer, o riso foi geral. A moça entrou correndo para dentro de casa sem olhar para trás, e o namorado dela se foi embora às pressas, envergonhado.
Passados alguns instantes, a moça reapareceu no portão ressabiada. Ela achava que o namorado havia se escondido no campo de futebol do outro lado da rua, onde havia um buraco redondo no muro por onde as pessoas costumavam passar. Estava tudo escuro dentro do campo desativado.
Como se estivesse pisando em ovos, a moça atravessou a rua e foi até ao buraco do muro. Ela se foi esgueirando como quem queria surpreender alguém e ao chegar na boca do buraco soltou um grito estridente capaz de assustar qualquer pessoa. Mal sabia ela, o namorado já estava longe dali.
Foi um episódio tragicômico. A princípio, ninguém entendeu o porquê de ela ter atravessado a rua pisando em ovos sendo que o namorado já havia ido embora. Só ela não sabia e ficou decepcionada, além de envergonhada. Ligeiro, a moça atravessou a rua e entrou correndo em casa, chorando. Ficou um tempo sem pisar os pés do lado de fora. Tudo por causa de uma incontrolável flatulência.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:





Mensagem N° 82796
De: O Tempo Data: Seg 16/10/2017 09:39:27
Cidade: Belo Horizonte
Interrogado pela polícia, o homem confessou e crime e disse ter assassinado Débora Fagundes Dias, com quem mantinha um relacionamento, porque ela teria ajudado a esquematizar uma tentativa de assassinato contra ele
Foi preso na noite desta sexta-feira (13) o suspeito de ter assassinado uma jovem de 20 anos em um quarto de hotel em Montes Claros, no Norte de Minas, na última quinta-feira (12). De acordo com a Polícia Militar (PM), o homem, que também tem 20 anos, foi detido ao tentar embarcar em um ônibus que seguia para Belo Horizonte. Ele carregava telefone celular da vítima na hora da prisão.
Interrogado pela polícia, o homem confessou e crime e disse ter assassinado Débora Fagundes Dias, com quem mantinha um relacionamento, porque ela teria ajudado a esquematizar uma tentativa de assassinato contra ele.
Segundo a PM, o casal deu entrada no hotel na madrugada de quinta para sexta. Mas, no meio da noite, o homem deixou o estabelecimento alegando que precisava resolver problemas pessoais. Horas depois, os funcionários do estabelecimento suspeitaram da demora e decidiram entrar no quarto. Lá, encontraram o corpo de Débora. Ela foi estrangulada com um cinto.
O suspeito foi autuado em flagrante pelo crime de feminicídio e levado a um presídio da região.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82795
De: Manoel Hygino Data: Seg 16/10/2017 07:28:03
Cidade: Belo Horizonte
Pela vida em outro planeta

Manoel Hygino

Pelo menos uma ameaça se desfez. No passado dia 12, o de Nossa Senhora Aparecida, uma rocha do tamanho de uma casa passou perto da Terra dentro da órbita da Lua, mas a milhares de quilômetros deste planeta que ainda habitamos. A informação foi dos astrônomos ligados à NASA e à Agência Espacial Europeia.
O asteróide em questão, batizado de TC4, passou pela primeira vez perto de nós em outubro de 2012, aproximadamente com o dobro de distância da atual, e seu retorno já era esperado. A rocha agora estará a 35 mil quilômetros, mas “não vai atingir-nos”, como previsto por um dos astrônomos. “Essa a coisa mais importante a se dizer”.
De qualquer modo, suponho que devamos ter o máximo cuidado. Assim como balas perdidas têm matado muita gente inocente na Rocinha ou na Baixada Fluminense, um asteróide desses pode alcançar-nos em algum momento. Aliás, cumpre lembrar o que declarou, há mais de um ano, Stephen Hawking, célebre físico britânico. Para ele, a exploração espacial deve continuar, pois o futuro da humanidade depende disso, já que os homens não conseguirão sobreviver mais de mil anos sem ir “além de nosso frágil planeta”.
O cientista, que participou de festival em sua homenagem nas Ilhas Canárias, da Espanha, ressaltou que há muitos experimentos ambiciosos para o futuro, como mapear a posição de bilhões de galáxias, além de utilizar os supercomputadores para compreender melhor “nossa posição” no universo.
“Talvez, algum dia, seja possível utilizar as ondas gravitacionais para olhar para trás, em direção à origem do próprio Big Bang”, afirmou. O físico está convencido de que a humanidade tem de seguir explorando o espaço pensando em seu futuro”. Para ele, nós humanos não somos mais do que conjuntos de partículas, que – no entanto- estão próximas de compreender as leis que nos governam, “e isso já constitui uma grande vitória”.
Ninguém quer ser ave de mau agouro. Mas o mundo científico está consciente de que, em algum instante da história, a humanidade terá de procurar abrigo e habitação em algum outro planeta.
As grandes potências mundiais não investem milhões e milhões em pesquisas de outros astros, senão pensando no que o futuro imporá aos terráqueos de agora. Pode ser por uma colisão com algum asteróide ou por imposições endógenas. Uma guerra entre as potências nucleares poderá obrigar o homo sapiens, nem sempre muito sapiens, a procurar outro lugar no espaço. É nisso que se pensa, e incontestavelmente não estamos sendo trágicos. Será o fenômeno da Rocinha, transportado a nível planetário.
Mais grave e inquietante é saber que sequer temos conseguido resolver os “probleminhas” de nação em crescimento, como os que ora enfrentamos. Há de perguntar-se se o porvir, que não vislumbramos tão promissor como se desejaria, será menos sofrível em outro planeta e galáxia. Por enquanto, só resta nos mantermos como possíveis vítimas de balas perdidas entre agentes da lei e traficantes, ou entre quadrilhas, nas periferias das grandes cidades ou até nos centros urbanos.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82794
De: Dirceu Data: Dom 15/10/2017 15:08:55
Cidade: M. Claros
15 horas, horário de verão. A temperatura acaba de bater nos 37 graus em M. Claros, com umidade em 16%, o que significa estado de alerta, anterior apenas ao de emergência - quando a umidade ingressa nos 12%. E a meteorologia moveu-se: via só sol na semana entrante, mas agora diz que a tarde deste domingo receberá nuvens ( o que é fato), e que o tempo será nublado entre 16 e 21 horas, sem que a temperatura desça dos 26 graus até a meia-noite. Há nuvens para terça e quarta, mas com temperaturas altas por toda a próxima semana, voltando aos 37 graus de agora no sábado e domingo. Rezemos. Santa Maria, mãe de ..."
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82793
De: Consumidor/Engenheiro Data: Dom 15/10/2017 10:06:24
Cidade: Montes Claros/MG
Em tempos de crise hídrica, muito calor (temperatura máxima hoje em Moc de 37 graus centígrados) e bandeira vermelha no patamar 2, o mais alto, é conveniente adotarmos alguns procedimentos bem simples, mas muito importantes, como consumidores de energia hidroelétrica, visando economizar no custo dos kwh medidos. Tenho um exemplo bem prático e concreto, comparando os consumos de dois eletrodomésticos da nossa residência. A geladeira consome 25 kwh/mês, ligando e desligando pela atuação do termostato. No entanto, o ar condicionado, que também liga e desliga, consome quase 200 kwh/mês, se ficar ligado, por exemplo, 8 horas por dia. É o grande vilão atual das cargas elétricas, mais do que o chuveiro, tendo, inclusive, mudado o horário de pico do sistema elétrico, devido ao forte calor da tarde, principalmente. E, além disto, o ar condicionado tem uma potência elétrica muito alta (o nosso é de quase 1 kW) e normalmente é ligado por muito tempo. Portanto, aconselha-se usar menos ou mesmo desligar o ar condicionado e recorrer algumas vezes, quando necessário, ao ventilador, que tem carga muito menor, cerca de 10% da carga do ar condicionado, para ajudar na economia da energia hidroelétrica consumida e dos kwh faturados pela Concessionária.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82792
De: José Ponciano Neto Data: Sáb 14/10/2017 11:49:03
Cidade: Montes Claros - MG  País: Brasil
Um Belzebu conhecido por “Picolé”

- 05 de outubro de 2017, Dez horas e vinte e dois minutos-

Dia Mundial do Professor. Este dia ficará para sempre conhecido como “massacre de Janaúba”; dia que homenageia todos os que oferecem ensino para a formação da sociedade.

Há pouco tempo escrevi sobre certos patifes que cometem ataques horríveis. Pós-atos, vêm os familiares dizendo que os terroristas têm distúrbios mentais - pararam de tomar remédios ou que os atos ocorrem devidos os “surtos psicóticos” por serem bipolares. Hum!

O caso do Belzebu “Damião Picolé” é parecido com os casos de ataques terroristas que fazem coreografia pelo o mundo – já falam que: “ele agiu em nome de Satã, por que ouvia vozes do além”.
Então este maquiavélico Damião “picolé” - a Suzane Richthofem e a Ana Carolina Jatobá com suas mentes diabólicas são terroristas?

Não existe terrorista Islâmico, assim como não há terrorista cristão ou satânico. O que existe são terroristas que usam o nome da religião ou do “Demo” para ganhar força e apoio dos desinformados e que não praticam religião – como se religião dar o direito de praticar o mal.
Vejamos que: - A maioria dos nossos políticos é Cristã católica e Evangélica e roubam, matam o povo de miséria e fome, isso é ou não terrorismo cristão? É só Islâmico que faz terrorismo? Qual o conceito de terrorismo? Vamos deixar de ser “marias vão com as outras” e usar um pouco do cérebro para raciocinar sobre: O que faz - quem faz - por que faz - onde faz - como faz e depois julgar se o ato de violência teve a ver com a religião ou Satãnismo. Pense sobre os atos de violência que queimam ônibus, destrói escolas, assaltam bancos, sequestram pessoas, fazem assalto em toda a sociedade e outros mais, não são atos de terrorismo? Tem que ser Islâmico para fazer terrorismo? Os bandidos do Brasil são de origem cristã católica e evangélica. Então vou dizer que são terroristas cristãos? Tá certo isso? Bandido não tem religião e nem a religião apóia violência, mas os analfabetos políticos e históricos são levados a acreditar que terrorismo está ligado à disputa do cristianismo ou Satanismo. Isso só interessa ao PODER TERRENO que se opõe a Deus e aos planos DE SALVAÇÃO dos adoradores do Criador.

O Caso do “massacre de Janaúba” que foi mais um dos campos de extermínio mais infame do Brasil, estar dando o que falar. Podemos dizer que foi mais uma falha dos Centros de Atenção Psicossocial – CAPs – que muitas vezes fingem que está acompanhado o paciente; enquanto o paciente finge que está apto a voltar à sociedade.

Neste execrável acompanhamento, alguns psicólogos e psiquiátricos ofertam ao maluco ou bandido a alta médica prematura e vão logo PROMOVENDO A REINSERÇÃO SOCIAL do individuo através do acesso ao trabalho, lazer e exercício dos direitos civis.

Ora! “Carne podre, não adianta adicionar Sal que não salva”. Eles voltam ao convívio com os humanos controlados e, em breve cometem crimes atrozes como foi o de Janaúba.

Este belzebu do Picolé. - Dizem! Que não estava certo da cabeça. Duvido! Se for fazer uma investigação mais profunda, irão descobrir que ele era até pedófilo. Era um safado! O verdadeiro demônio disfarçado de bonzinho.

A forma de atrair as crianças com os picolés e sorvete (feitos de maneia precária), demonstra sua insanidade e tendência para a pedofilia.

Em uma desta entrevistas televisionada, informaram que ele era efetivo desde 2008 na prefeitura. Quem o indicou? Foi aprovado em concurso? Como? Quem deu o laudo medico de sanidade mental para efetivarem? – São questionamentos que devem ser esclarecidos.

A verdade é que os nove anjinhos – nove gente inocente - foram para o Céu e junto com eles a Professora Helley de Abreu, que, num ato heróico, apoiada por outras professoras e empregados evitou que mais anjinhos fossem mortas.

Neste momento é de consolar os familiares – doravante, entender como será a vida dos atingidos pelo fogo com seus corpos deformados pelas queimaduras – entender como ficou a cabeça do Pai e da Mãe de cada um dos anjinhos que foram com a Helly – como está à saúde dos hospitalizados ( que não poderão ser esquecidos).

Não é hora de preocupar se a Creche tinha Alvará dos Bombeiros/ extintor / sistema anti-incêndio / se as grades eram fixas. Nada disso é mais importante! Tinha que ser vistos antes do massacre.

Na verdade, o sujeito já praticou um ato de tamanha barbaridade, ceifando as vidas dos anjinhos e o Centro de Atenção Psicossocial – CAPs foi negligente com a saúde mental do vigia (agora do inferno). Porque falo de negligência? Cadê os documentos de acompanhamento? Será que ninguém do CAPs não percebeu nenhum indício de comportamento que demonstrasse algum desequilíbrio emocional do Belzebu?

Para terminar, vou dar um exemplo de indício de comportamento que demonstrou um desequilíbrio emocional: - Um vídeo que viralizou na internet há pouco tempo; acontecido na cidade de Curvelo- MG mostra uma mãe queimando os brinquedos do filho de seis anos no quintal de casa para vingar do Ex. marido. A criança foi obrigada ficar de pé e olhando para a fogueira de brinquedos. Tudo indica que uma pessoa como esta, tem as mesmas características do Belzebu do picolé. A criança corre o risco de ter um fim trágico. Depois aparecerão os sugesteiros de plantão com mil e uma indagações. Aí... Já é tarde!

Por fim, não explorem mais este episódio politicamente; a demagogia não devolve as vidas dos anjinhos de da Helly e muito menos a normalidade da pele dos sobreviventes. Chega!

Em tempo: O dia do professor no Brasil celebra-se em 15 de outubro, dez dias depois do oficial mundial 05 de outubro .

(*) José Ponciano Neto é Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Montes Claros – Academia Maçônica de Letras do Norte de Minas
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82791
De: Renê Data: Sex 13/10/2017 14:45:08
Cidade: Montes Claros

Perplexidade. Beneméritos pilotos que voaram à noite para socorrer as crianças queimadas de Janaúba foram - ou serão - multados pela burocracia aérea. Deveriam ser condecorados. É mais um absurdo do mastodôntico estado brasileiro - insensível, tentacular, verdadeiro polvo. Pilotos que colocam suas vidas em risco para salvar os outros são heróis e merecem a mais alta distinção em nome de todos nós - e não multas. Espero que esta informação, absurda em si, não seja exata, ou que seja prontamente revertida.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82790
De: Polícia Militar Data: Sex 13/10/2017 10:12:01
Cidade: Montes Claros
José Edmilson Santos Soares foi incluído na Polícia Militar de Minas Gerais - PMMG, em 02 de dezembro de 1991, após ser aprovado em concurso público, sendo inscrito na Corporação sob o número 106.231-4.
Em 1º de setembro de 1992, após a conclusão do Curso de Formação de Soldados em Montes Claros, na Companhia de Ensino e Treinamento, à época pertencente ao 10º BPM, formou-se Soldado da PMMG, iniciando suas atividades profissionais à serviço da sociedade.
Em 02/04/2004, foi promovido à graduação de Cabo da PMMG e, em 05/12/2013, após conclusão do Curso Especial de Formação de Sargentos - CEFS, curso este realizado em Montes Claros, foi promovido a 3º Sargento da Polícia Militar, sendo classificado no município de Josenópolis, onde serviu até 06/04/2016, quando retornou a Montes Claros, passando a atuar no Pelotão de Trânsito do 50º BPM, função esta que exerceu até 13/9/2017, quando, de férias, viajou para o Estado da Bahia, vindo a falecer, por afogamento.
O 3º Sgt Edmilson, possuidor de diversas recompensas na Corporação devido aos bons serviços prestados no decorrer de sua carreira profissional, dentre elas elogios individuais por ações de destaque, sempre foi reconhecido pelos seus Comandantes como um excelente profissional.
O militar encontrava-se acompanhado por sua família (esposa e 02 filhos), e, no momento do incidente, o filho Lucas Samuel Santos Soares, 18 anos (aluno do 2º ano do ensino médio do Colégio Tiradentes), também faleceu por afogamento, na mesma data e local. Montes Claros/MG, 11 de outubro de 2017.

Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82789
De: Manoel Hygino Data: Sex 13/10/2017 08:39:27
Cidade: Belo Horizonte
Mais brasileiros viram santos

Manoel Hygino

A cada dia, descobrimos fatos até então guardados na história de um Brasil com mais de quinhentos anos, além de novas interpretações sobre registros antigos, até recentemente vistos sob outros ângulos. Faz parte. Apesar de seus cinco séculos, somos uma nação nova, se comparada a outros pedaços e povos estabelecidos no planeta.
Neste outubro, o papa Francisco anunciou que, no dia 15, canonizaria, na Basílica de São Pedro, os primeiros mártires brasileiros. São os sacerdotes André de Soveral e Antônio Francisco Ferrero, e o laico Mateus Moreira, camponês, além de outras 27 pessoas.
Por mencionados beatos, a população cristã católica brasileira não esperava, porque havia outros importantes candidatos na fila de canonização. Os ora relacionados trouxeram surpresa, principalmente porque do Rio Grande Norte tem-se falado predominantemente em presídios, fugas e mortes, em tempos mais recentes.
Em todo caso, porém, há fatos novos a registrar. Haverá santos e, agora, em três dezenas. Serão canonizados sem terem realizado os milagres, tão profundamente pesquisados antes de comprovados pela Congregação para as Causas dos Santos.
Primeiros mártires e santos brasileiros, foram assassinados entre os dias 16 de julho e 3 de outubro de 1645, pelos protestantes calvinistas holandeses no Brasil naquela época. A execução foi em Cunhaú e Uruaçu, durante uma missa dominical celebrada por André de Soveral. Eles tinham sido beatificados pelo papa João Paulo II em março de 2000, na Basílica de São Pedro.
Emissários holandeses enviados para investigar os massacres constataram a prática de violência, atrocidade e crueldade. Cronistas da época relatam que, em Uruaçu, a crueldade foi terrível. Os índios tapuias e a tropa holandesa fecharam as portas da igreja e mataram os detidos. Arrancaram línguas, deceparam braços e pernas, cortaram crianças ao meio e degolaram corpos. A história dos massacres foi pesquisada na Torre do Tombo, em Portugal, e no Museu de Ajax, na Holanda. Segund documentos, os holandeses ofereceram aos católicos a opção de salvar a vida, se eles se convertessem ao calvinismo.
Com a notícia das atrocidades em Cunhaú, o medo se espalhou pelo Rio Grande do Norte e capitanias vizinhas. Com razão. Outra vez sob as ordens de Jacob Rabbi, mercenário alemão, a serviço dos holandeses, um grupo de dezenas de pessoas, entre as quais o próprio padre André de Soveral, foi massacrado. O camponês Mateus Moreira teve o coração arrancado pelas costas, enquanto repetia a frase “Louvado seja o Santíssimo Sacramento”.
Os mártires brasileiros serão canonizados em cerimônia ao lado de dois meninos mexicanos conhecidos com Mártires de Tlxcala: o espanhol Faustino Miguez, fundador do Instituto Calasancio, Filhas da Divina Pastora, e o sacerdote franciscano italiano Luca Antonio Falcone.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:





Mensagem N° 82788
De: Alberto Sena Data: Sex 13/10/2017 07:35:09
Cidade: Grão Mogol
E-mail: albertobatista@superig.com.br
Em busca de si mesmo no "Gonçalves Chaves

Alberto Sena

No mais recente retorno a Montes Claros, por esses dias, casualmente, ia passando pelo portão da Escola Estadual Gonçalves Chaves, na Praça João Alves, quando de repente o espírito infantil do menino de sete anos o impeliu a entrar. O portão estava aberto. Devia ser 10h30. Ele entrou pela primeira vez depois de décadas e se encontrou na porta com a simpática senhora chamada Kelly, na portaria.
Explicou a ela ter sido aluno da escola, àquela época, década de 50, denominada “Grupo Escolar Gonçalves Chaves”. Ele apontou as salas de aula onde havia estudado, do primeiro ao quarto ano primário. E Kelly mostrou a ele a galeria de antigos diretores e o menino identificou as diretoras de quando ali chegou, aos sete anos de idade.
Uma delas era Dona Marucas, mãe de Roberto Avelar, um dos colegas dele no primeiro ano primário. Ela estava entregando a direção para Dona Maria Celestina Almeida, irmã de Cipriano Almeida, marido de sua tia Ambrosina Sena, irmã da mãe dele, Elvira.
Por alguns instantes, o menino viu-se no pátio, antes rebaixado e para ter acesso a este, os alunos tinham de descer por uma escada em frente aos banheiros. Viu-se chutando bola de meia velha com os colegas e ainda pôde ouvir o vozerio da meninada esbanjando alegria de viver, jogando “queimada”.
Hoje, o pátio já não é o mesmo. Foi nivelado ao piso superior de entrada e a parte de baixo ganhou outras serventias. Mais de cinco décadas depois, até que o prédio não sofreu tanta interferência.
Ele recordou, onde é hoje a garagem da escola havia uma área de terra avermelhada e em determinado ponto fora construído um pedestal de cimento onde instalaram uma cruz enorme, de madeira, pintada de tinta preta. O “cruzeiro”, como chamavam-no fora encontrado enterrado no terreno quando do início da construção do prédio. Quem fim teria levado o “cruzeiro”?
Quando ele entrou pela primeira vez por aquele portão, em 1957, era de manhã e estava acompanhado da irmã de mais idade, Lúcia, e ali se encontrava para “fazer um teste”. Era para Dona Maria Celestina escolher qual seria a professora que se encarregaria de desasná-lo. Dona Bernadete Costa era o nome dela. Com ela o menino ficou do primeiro para o segundo e do segundo para o terceiro ano.
No terceiro ano, ele foi aluno de Dona Alba Alkimim, mãe das professoras Vânia e Vilma Alkimim. Ela era tia de Eduardo Alkimim, um dos seus colegas. Eduardo deu a ele, um dia, quando já adultos, uma cópia de fotografia da turma, foto publicada, aqui, várias vezes.
No quarto ano primário, a professora dele era Dona Augusta, austera tanto quanto Dona Bernadete, esta mãe de Robson Costa, com quem ele trabalharia, anos depois, no “O Jornal de Montes Claros”. Noutra situação, mais tarde ainda, Robson o levaria a trabalhar no jornal “Estado de Minas”, em Belo Horizonte.
Toda segunda-feira, Dona Augusta queria ver as mãos de cada um dos alunos, a fim de verificar se as unhas estavam cortadas e limpas. As mãos eram mostradas sobre um lenço. Ela verificava também se cada um havia lavado o rosto de manhã ao acordar. Com o seu jeito rigoroso, a professora se dizia encabulada como “é possível alguém só passar uma aguinha no rosto e pronto, fica até a marca da sujeira”.
Mas, o interessante é que, alguns poucos de nós não fizeram “prova final” para passar do primeiro para o segundo, do segundo para o terceiro e do terceiro para o quarto ano. Fizeram provas só no último ano. Por quê? Porque tinham notas suficientes para serem promovidos. Enquanto os outros colegas ainda iam fazer “prova final”, eles já estavam gozando férias.
Entretanto, mais interessante, ainda, aconteceu no terceiro ano, no dia em que a Dona Alba pediu à turma para fazer uma “composição” sobre determinado tema. O menino fez a dele no capricho e a entregou. A professora tinha o costume de ler os melhores trabalhos. Naquele dia, ela disse ter em mãos uma “composição muito bonita” e prometia lê-la por último.
Quando chegou a vez, Dona Alba leu a composição e ao terminar de ler fez uma observação, lamentando: “É uma pena, mas a “composição” não foi escrita por ele”. A reação dela dizendo isso não podia ser pior, porque injusta. E se o menino tivesse ficado traumatizado por isso, é possível que, hoje, ele não estivesse, aqui, escrevinhando sobre o ocorrido. Inda bem que teve discernimento para entender, e pensou de si para si mesmo: “Se ela achou não ter sido eu o autor, é porque a composição está boa demais”!
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82787
De: Manoel Hygino Data: Qui 12/10/2017 08:36:34
Cidade: BH
O ciclo democrático

Manoel Hygino

Somos um país de contradições, embora a verificação não resulte em solução de nada e para nada. Leio, assim, as dolorosas notícias da falta de água principalmente no norte-mineiro, pedaço do sertão que nas fraldas da serrania nasce. Quem quiser saber mais e melhor encontrará excelentes autores, o mais conhecido dos quais o de Cordisburgo, João Guimarães Rosa, não aceito até hoje por todos.

Pois nesta época de seca, represas em baixo nível (como expressões verbais usadas no Parlamento) ameaçam o racionamento de energia e a elevação de tarifas. Mas localizo uma pequena nota, curiosa mas absolutamente verdadeira. O sentimento dos moradores no entorno da expandida penitenciária de Montes Claros, assentada em área residencial, é de perplexidade, espanto. Não passam pela mesma severa falta de água de outros bairros, há meses. A razão foi dada por fonte da Copasa: como são vizinhos da penitenciária, escapam do rodízio no racionamento de água, pois o presídio não é afetado, passando incólume pelo aperto da população.

Enquanto assim acontece, acirra-se a disputa, já em âmbito judiciário, pela água consumida pela população das cidades de Coração de Jesus e Montes Claros. A magistratura acatou pedido do Ministério Público de Minas Gerais, suspendendo a construção de adutora de 56 km para levar a água captada no primeiro município, visando atendimento do segundo, em que já há rodízio na distribuição. A obra custará R$ 135 milhões, mas a multa, se não obedecida a decisão judicial, será de R$ 100 milhões, acrescida de R$ 100 mil em caso de descumprimento. Adota-se o refrão: em lugar onde falta água, todos gritam e ninguém tem razão. Ou todos a têm.

A estação das chuvas, que tanta expectativa despertou em extensas regiões, depois do Dia de São Miguel, foi interrompida. O sol voltou, forte, enquanto milhões de brasileiros aguardavam o lenitivo que viria do céu, mas falhou.

No campo político-administrativo nacional, entramos em uma semana e dela saímos sem solução de problemas que nos afligem, o que não constitui novidade. Acumulamos desacertos por longo tempo e não seria em sete dias, contundentes os mais recentes, que nos ofereceriam propostas mais duradouras.

Nem tudo, todavia, está perdido e a fisionomia da economia melhora, já com resultado apreciável, embora pobre. De fato, a verdade verdadeira é que teremos de aguardar a eleição de 2018, pelo menos esperando que o eleitorado escolha os melhores candidatos, inclusive para a chefia da nação. Praticamente, ter-se-ia de refundar a nação, depois do descalabro dos intermináveis escândalos.

Conseguiu-se vencer um período dificílimo, ao custo de muito sacrifício a um povo cansado de manter incompetentes ou até disfarçados meliantes no exercício de importantes cargos públicos. Se vencermos este período, já nos podemos dar por satisfeitos. Evitamos pelo menos o pior, que seria a ruptura do ciclo democrático. No mais, repetiria Shakespeare: “que horas são, senhor? São horas de ser honesto”. O vate de Stratford-on-Avon com quatro séculos de sepultamento ainda pode fazer aconselhamento.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82786
De: Manoel Hygino Data: Qua 11/10/2017 11:18:51
Cidade: Belo Horizonte
Brasília em tempo da padroeira

Manoel Hygino

No último dia 4, de São Francisco de Assis, tão querido pelo povo brasileiro, houve festa em muitas cidades como todos os anos. Nos Estados Unidos, uma unanimidade, porém, em termos de perplexidade diante do morticínio que resultou em cerca de 60 vítimas fatais e de 600 feridos, em Las Vegas, no dia anterior. Difícil assimilar a tragédia na cidade dos jogos e do prazer que Tio Sam instalou no estado de Nevada, não tão distante de Pasadena, de triste lembrança.
Cá na terra descoberta por Cabral, de que não descende o Sérgio, ex-governador do Estado do Rio, o clima era de gravidade, densa ou tensa expectativa, na capital nacional. O Senado teria de deliberar se suspendia ou não o afastamento de Aécio Neves, decidido pelo STF. A Casa Alta do Congresso esboçou reagir, mas foi cuidadosa. Deixou para depois, até porque a presidente do Supremo Cármen (agora, a imprensa resolveu adotar o acento agudo no ‘a’ da sílaba inicial) transferiu ao STF definir se o Congresso deve ou não dar aval a medidas cautelares contra parlamentares, como a imposta ao senador mineiro.
Eunício Oliveira, presidente do SF, foi suficientemente claro: “não adianta os poderes fazerem enfrentamento. Os poderes são independentes, mas têm que ser harmônicos, têm de dialogar”. Quando se quis tirar de Fachin uma prerrogativa, a presidente (com e), Cármen, objetou que “jurisprudência do Tribunal não admite que terceiros questionem relatoria de processos”.
Como não poderia deixar de ser, Gilmar Mendes abriu o bico: os ministros da corte correm risco de acabar nos Trapalhões, por
praticar o “direito constitucional de malandragem”. Argumentou: “Nós temos já vários senadores e deputados com denúncias recebidas, nesse caso, também nós deveríamos afastá-los? E aí, nós podemos afastar a Câmara? A Câmara fica com composição não de 513, mas de 512, de 510 (parlamentares?) Quer dizer: o direito achado na rua, o reconstitucionalismo, o direito constitucional da malandragem, permitem esse tipo de coisa?”.
Acrescentou: “A gente precisa ter muito cuidado com essas questões. Se queremos reescrever a Constituição, vamos lá para o Congresso e assumamos a função de legisladores”. Uma observação que tem sua razão de ser. Os poderes se mistura m e seus componentes parecem querer tomar o lugar alheio? Tudo crescentemente confuso. O diretor de Relações Internacionais da J&F, Ricardo Saud, comemorou a decisão de Gilmar Mendes de conceder liberdade, em maio, a José Dirceu: “Acho que Gilmar começou a ajudar a gente”, publicou a Veja.
De todo modo, o fundamental é ter-se votado o adiantamento sobre afastamento do senador de Minas para 17 de outubro, ou, em outros termos – para depois de 12 de outubro, o feriado.
Feriado é o de Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil. Repito Rodrigo Alvarez: “Quando outubro chegar por ser véspera de comemorar o Dia da Padroeira, parece que o país inteiro peregrina para o santuário. Resta esperar que ela se manifeste na cabeça dos que detêm poder no país. Que os dias que antecedem à festa produzam efeitos benéficos! A situação não anda nada boa e a Santa se vê na contingência de dar uma mãozinha. O feriadão seguinte é de Finados”.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82784
De: Ivana Rebello Data: Ter 10/10/2017 08:57:35
Cidade: Montes Claros
E-mail: ivanaferrante@hotmail.com
Manoel Hygino, que prazer ler seus escritos!Você é mestre na arte da encantar!
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82783
De: Ivana Rebello Data: Ter 10/10/2017 08:55:45
Cidade: Montes Claros
E-mail: ivanaferrante@hotmail.com
Quero uma fita amarela

Quero uma fita amarela, linda e brilhante, gravada com o nome da professora que morreu para salvar seus alunos. Quero uma fita bem amarela, tremulando ao sol do Norte de Minas, para cada criança que partiu, antes da hora. Quero uma fita amarela para toda mãe que sai para trabalhar, com o coração apertado, ao deixar seus filhos na escola. Quero uma fita amarela nos cabelos da jovem professora que planejou durante toda a semana suas aulas, mas não sabe se o salário será depositado em dia. Quero uma fita amarela nas mãos da servente que prepara a merenda de cada menino e menina, que brincam no pátio. Quero uma fita amarela para o professor que levou um murro do aluno. Quero uma fita amarela, de ouro, para os alunos de licenciatura que ainda acreditam. Quero uma fita amarela e mimosa para a adolescente que tira nota máxima na redação. Quero uma fita amarela para os meninos especiais que frequentam as escolas que não estão preparadas para recebê-los. Quero uma fita amarela para a escola sem quadro negro, sem carteira, sem apagador, mas que figura nas estatísticas do governo. Quero uma fita amarela para cada pai que ainda acredita que o melhor que poderá legar a seu filho será uma educação de qualidade. Quero uma fita amarela, porque ela é a nova cor da esperança. Deverá arder nos olhos de quem detém o poder e nada faz; deverá amargar na boca de quem sabia e nunca agiu. Deverá irradiar luz e calor para aqueles que amam e fazem de seu ofício um constante desafio. Deverá incomodar quem desconhece. Deverá fortalecer quem padece. Deverá dar forças para quem luta.
Mas é preciso que ela seja amarrada em cada janela, cada poste, cada árvore. Amarela, como um alerta à nossa pasmaceira. Amarela, como uma homenagem à razão, que parece ter se perdido por aí. Amarela como sonhou Van Gogh em seus delírios, para nos lembrar que existe um infinito. Amarela, para nos seduzir com sua luz. E muito, muito amarela, para nos fazer enxergar os incautos.
Essa fita amarela, que eu quero, haverá de nos lembrar, definitivamente, de que não precisamos de comoção momentânea. Precisamos é de uma política educacional corajosa que tire o Brasil do humilhante lugar que ocupa. Precisamos de governos que distribuam menos comendas e mais oportunidades. Precisamos de políticos que troquem a propina pela equação matemática, o discurso pela ética e pela ação construtiva. Precisamos de uma família que frequente a escola. Precisamos de uma criança que brinque de novo.
Quero uma fita amarela. Grande, brilhante, vaidosa. Porque eu quero substituir o choro pelo riso, a derrota pela vitória, a morte pela vida.
Está chegando o dia dos professores. A universidade em que trabalho não comemora. A sociedade não vê. A imprensa não noticia.
Não quero ouvir que ser professor é um sacerdócio, missão ou doação. Não quero ver o rosto da professora cheio de hematomas. Não quero chorar por nenhuma criança morta, porque não houve o zelo necessário do estado. Não quero ouvir que meu salário está sendo fatiado, desvalorizado, dividido, aviltado. Nem quero presentes.
Eu quero uma fita amarela bem presente, numa História diferente, de um país diferente, no qual as crianças e as escolas sejam protagonistas.

(Dedico esse texto a cada aluno que já passou ou passará por minha sala de aula).
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82782
De: Manoel Hygino Data: Ter 10/10/2017 07:02:34
Cidade: Belo Horizonte
Os meninos do Brasil

Manoel Hygino

O Dia da Criança, o Mês da Criança não serão mais iguais este ano, depois da tragédia que se abateu sobre Janaúba, na Creche Gente Inocente, com um elevado cômputo de vítimas fatais ainda não definido. Por um capricho, o autor do crime coletivo foi um cidadão, Damião Soares dos Santos, nome do mártir, cuja data se festeja em 27 de setembro, com o irmão Cosme. Sofreram tormentos inexcedíveis e a degola em Egeia, na época do imperador Diocleciano, pelo ano 287. Dedicados à medicina, são patronos dos cirurgiões e seus corpos descansam numa igreja com seus nomes em Roma.
Há anos, bem anos, Rubem Braga, o grande cronista capixaba que viveu parte da vida em Belo Horizonte, publicou uma “Oração aos Santos Cosme e Damião”, em que começa rogando: “Protegei os meninos do Brasil, todos os meninos e meninas do Brasil”. È um texto de rara beleza, em que há também apelo à proteção dos “meninos ricos, pois a riqueza não impede que eles possam ficar doentes ou tristes, ou viver coisas tristes, ou ouvir ou ver coisas ruins”.
Mas a proteção é também para os meninos dos casais que se separam e sofrem com isso, os filhos dos bêbados e estúpidos e também os meninos das mães histéricas e ruins; mas ainda para o menino mimado a quem os mimos podem fazer mal e para os órfãos, os filhos sem pai, e os enjeitados: ao menino que estuda e o moleque de rua, que só sabe pedir esmola e furtar.
“Não só: a proteção é ainda para os meninos protegidos pelos asilos e orfanatos, que aprendem a rezar, a obedecer e andar na fila, a ser humildes”. Oh, São Cosme e São Damião, protegei muito os pobres meninos protegidos!”.
Um parágrafo vai por inteiro: “Protegei, sobretudo os meninos pobres dos morros e dos mocambos, os tristes meninos da cidade e os meninos amarelos e barrigudinhos da roça, protegei suas canelinhas finas, suas cabecinhas sujas, seus pés que podem pisar em cobra e seus olhos que podem pegar tracoma, afastai de todo perigo e de toda maldade os meninos do Brasil, os louros e os escurinhos, todos os milhões de meninos deste grande e abandonado menino triste e que é o nosso Brasil, ó glorioso São Cosme, glorioso São Damião”.
E protegei também, digo-o eu, as denodadas e heroicas professoras, que ganham pouco mas são capazes de atos de solidariedade que lhes rouba a vida com chamas, como Heley Abreu Batista, mulher e mãe. Mas ainda recorro a Baudelaire, que faleceu há 130 anos, e pediu em sua “Oração pelos loucos e pelas loucas”.
O pedido é dirigido a Deus, que fez a Lei e a Liberdade, o juiz que perdoa: “Senhor, tem piedade, tem piedade dos loucos e das loucas! Ó Criador! poderá acaso existir monstros aos olhos d’Aquele que é o único que sabe porque é que eles existem, como se tornam tais, e como poderiam não ter sido monstros?”.
Esta nação está em dor, pelos túmulos que confrangem coração, famílias esmagadas por tragédias que a mídia relaciona e amplia a cada hora e dia, mulheres que choram, crianças que morrem ou sofrem.
Mas há os que se vangloriam porque o Dia da Criança geraria quase R$ 9 bilhões ao comércio em 2017.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82781
De: O Tempo Data: Ter 10/10/2017 09:02:32
Cidade: Belo Horizonte
Pai e filho de Montes Claros morrem afogados em praia de Ilhéus - 09/10/17 - 21h43 - Ailton do Vale - O que deveria ser um momento de diversão para uma família de Montes Claros, no Norte de Minas, que curtia uma viagem no litoral da Bahia, acabou em tragédia na manhã desta segunda-feira (9), quando um sargento da Polícia Militar (PM) e os três filhos dele caíram em um valão na praia de Barramares, em Ilhéus. Segundo o Corpo de Bombeiros da cidade, José Edmilson Santos Soares, de 46 anos, e o filho dele Lucas Samuel Soares de Aguiar, de 18, não conseguiram escapar do buraco e morreram afogados. Os outros dois filhos, uma adolescente de 16 anos e um rapaz de 15, foram resgatados por banhistas e sobreviveram. A menina, no entanto, engoliu bastante água e precisou ser conduzida por uma ambulância do Serviço Móvel de Urgência (Samu) para um hospital da região. A maré levou os corpos do militar e do filho mais velho para uma parte mais rasa do mar, onde os bombeiros constaram os óbitos. De acordo com o sargento Ricardo Oliveira, do 5º Batalhão do Corpo de Bombeiros em Ilhéus, a praia de Barramares tem diversos valões e fortes correntes que oferecem perigos para os banhistas que não conhecem a região. Além disso, conforme ressaltou o militar, o mar não estava propício para os turistas nesta manhã. “A informação que temos é a de que a família chegou na cidade para curtir as férias na noite desse domingo e, infelizmente, teve essa tragédia hoje (segunda). O mar na nossa região está agitado e nossas praias têm uma grande diversidade de marés, buracos, valões e correntes de retorno. Para quem não conhece o lugar, como foi o caso, fica bastante perigoso”, disse. O Corpo de Bombeiros não soube informar quando os corpos serão liberados para Montes Claros.

***

Estado de Minas - Pai e filho de Montes Claros se afogam durante passeio em Ilhéus, na Bahia - Paula Bicalho - 09/10/2017 - 17h26 - Atualizado 17h38 - Uma família de Montes Claros, no Norte de Minas, que passava férias na cidade de Ilhéus, no sul da Bahia, se afogou enquanto nadava na Praia de Barramares, na manhã desta segunda-feira (9). Duas pessoas morreram e outras duas foram resgatadas por populares. Segundo o Corpo de Bombeiros da cidade baiana, dois integrantes da família, pai e filho - um homem de 46 anos, sargento, e um adolescente de 18 -, já chegaram à areia sem vida. Já um homem, de idade não informada, e uma menina de 15 anos foram salvos por populares. A jovem foi atendida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levada ao Hospital Regional de Ilhéus, onde está em avaliação. O afogamento aconteceu logo no primeiro dia de viagem da família à cidade, e a Praia de Barramares foi o primeiro lugar que visitaram. Os corpos foram levados para o IML local e devem ser liberados até a manhã desta terça (10). Os bombeiros informaram que Barramares é uma praia com muita variação de maré alta e baixa, e isso pode ser perigoso para quem não conhece a região. Eles orientam que as pessoas se informem antes sobre as condições do local que pretendem visitar para que não corram riscos.


***

Hoje em Dia - Pai e filho de Montes Claros se afogam durante passeio em Ilhéus, na Bahia - Paula Bicalho - 09/10/2017 - 17h38 - Uma família de Montes Claros, no Norte de Minas, que passava férias na cidade de Ilhéus, no sul da Bahia, se afogou enquanto nadava na Praia de Barramares, na manhã desta segunda-feira (9). Duas pessoas morreram e outras duas foram resgatadas por populares. Segundo o Corpo de Bombeiros da cidade baiana, dois integrantes da família, pai e filho - um homem de 46 anos, sargento, e um adolescente de 18 -, já chegaram à areia sem vida. Já um homem, de idade não informada, e uma menina de 15 anos foram salvos por populares. A jovem foi atendida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levada ao Hospital Regional de Ilhéus, onde está em avaliação. O afogamento aconteceu logo no primeiro dia de viagem da família à cidade, e a Praia de Barramares foi o primeiro lugar que visitaram. Os corpos foram levados para o IML local e devem ser liberados até a manhã desta terça (10). Os bombeiros informaram que Barramares é uma praia com muita variação de maré alta e baixa, e isso pode ser perigoso para quem não conhece a região. Eles orientam que as pessoas se informem antes sobre as condições do local que pretendem visitar para que não corram riscos.

***

G1 - Bahia/ Ilhéus - Turistas de MG, PM e filho morrem afogados em praia do sul da Bahia
Outras duas pessoas da família também se afogaram, mas foram resgatadas, segundo bombeiros. 09/10/2017 15h31 - Um policial militar de 46 anos e o filho dele, de 18, morreram afogados na manhã desta segunda-feira (9), na praia de Barramares, na cidade de Ilhéus, região sul da Bahia. A informação foi passada ao G1 pelo Corpo de Bombeiros Militar do município.
De acordo com os bombeiros, as vítimas são da cidade de Montes Claros (MG) e estavam de férias em Ilheús, famos destino turístico da Bahia. Outras duas pessoas, uma mulher e uma adolescente de 15 anos, que estavam com o PM e o filho dele e seriam da família, também se afogaram, mas foram resgatadas por populares.
Conforme os bombeiros, a adolescente foi atendida na praia por agentes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Não há detalhes sobre o estado de saúde da garota.
Os corpos de pai e filho serão encaminhados para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Ilhéus, onde serão periciados.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82780
De: João Cláudio Data: Seg 9/10/2017 18:16:04
Cidade: Montesclaros
E-mail: jclaudiopb@gmail.com
Grande meteorito cruza o céu de nossa cidade, fenômeno natural vislumbrado na forma de bola de fogo com calda semelhante a um cometa cruzou agora pouco o céu da cidade.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82779
De: Alberto Sena Data: Seg 9/10/2017 09:57:19
Cidade: Grão Mogol
E-mail: albertobatista@superig.com.br
O significado de voltar a Montes Claros

Alberto Sena

Voltar a Montes Claros é a mesma coisa de mergulhar na infância, na adolescência e na fase adulta até 22 anos de idade, quando se deu a partida definitiva para a capital. Retornar à Rua Corrêa Machado, onde a família morou durante anos, é um mergulho mais profundo ainda. Mas, ao mesmo tempo, é um choque misto de decepção e de conformismo porque nada mais há que fazer, tudo já foi feito para mudar o quadro de antes, décadas de 60 e 70.
Quando a família mudou para a Rua Corrêa Machado, vindo da Rua São Francisco, não havia ali asfalto nem calçamento. Era terra mesmo, cascalho. Quando passava um carro o pó subia. Mas, em compensação, no período das águas, a terra úmida era um prato cheio para jogar finca e também bolinha de gude.
Em frente da casa havia um campo de futebol, e se ninguém fosse chamar, não havia hora para almoço nem lanche da tarde porque a bola saciava a fome. Mas a sede, não. Com a boca seca e o corpo transpirando toda a água, era preciso correr em casa e engolir rapidamente um ou mais copos d’água e correr de volta ao campo.
O mês de agosto era considerado o período dos ventos. E, então, era chegada a época de empinar papagaio. Precisava correr em busca de bambu e papel impermeável mais linha de carretel número 10 ou outra grossa chamada de “cordonete”. Além de manivela de madeira de oito cruzetas. No mais, era subir aos céus com os papagaios. Acontecia, com a maior frequência, de alguns deles voltarem respingados porque alcançaram as nuvens.
Indo à Rua Corrêa Machado o mergulho no tempo causou impacto forte porque das casas de então restam só quatro, no trecho entre as ruas Doutor Veloso e João Pinheiro. A casa de Dona Tina, avó de Eustáquio. A casa onde moraram, em períodos diferentes, Clarice Magalhães e Fátima Tolentino, além da de Simeão ferreiro, pai de Paulo e Luiz. E a de Nêgo Ró.
O campo de futebol desapareceu sem deixar vestígios, cortado por duas ruas em forma de cruz. Os Biondi já não moram lá mais. Foram para Salvador (BA). Tudo mudou. Ficaram os espectros. Antes, Fernando Zuba se vestia de fantasma com lençol branco e à noite assustava a rapaziada em meio à escuridão, até ser, enfim, descoberta a identidade dele e constatado ser fantasma de carne e osso.
O ruidoso barulho de hoje provocado pelo motor dos ônibus que sobem a Rua Corrêa Machado provenientes da Avenida Cula Mangabeira não consegue abafar por completo os gritos da meninada se divertindo no campo. Os nomes de Bonga e o de Zé Bispo; de Felipe e João Carlos Gabrich e de Marcelino, irmão de Moedeferro; dos irmãos Roberto e Ronaldo Lima; de Chico Ornellas e Rubinho Sena só para citar alguns porque para lembrar de todos seria necessário possuir memória de elefante, os nomes deles e de muitos outros ainda são ouvidos vindos de passado nem tão remoto assim.
Os Gabrich já não moram mais ali, na Rua João Pinheiro. Marcelino não está mais no meio de nós. Zé Bispo e Bonga resistem. Um encontro com este, ainda no mesmo espaço onde viveu com a mãe, na Rua João Pinheiro, hoje sua oficina de restaurar motores, como sempre, foi dos mais agradáveis.
Cuidadoso, Bonga guarda anotado em cadernos a relação dos jogos e as principais informações sobre quase tudo vivido como técnico do juvenil do Cassimiro de Abreu. Como jogador, Bonga foi grande sob todos os aspectos, principalmente na altura. Bastava levantar o braço para pegar no travessão.
É importante salientar, ninguém deve cair na bobagem de viver de passado. A melhor época de nossa vida deve ser a atual. O passado foi bom, mas passou. O presente é que importa. Nele semeamos o futuro. De modo que rever a rua mágica de então, quando a vida parecia mera brincadeira, não acionou o botão da saudade, mas o da constatação, mais uma vez, de que tudo muda. Inda mais em cidade dinâmica como Montes Claros.
Mais de 40 anos depois se pode notar, a cidade cresceu em todas as direções. E o fato de ser o terreno plano favoreceu a esse crescimento. Evidentemente, a BR-251 teve e ainda tem muito a ver com as transformações de Montes Claros, ao trazer para a região gente de todas as partes do Brasil.
Em verdade, em verdade digo, a Montes Claros de hoje cumpriu e cumpre sua vocação de cidade polo. De direito ainda não, mas de fato, a terra de Antônio Gonçalves Figueira exerce o papel de capital do Norte de Minas, com a maior competência, apesar de todos os percalços.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82778
De: Manoel Hygino Data: Seg 9/10/2017 08:32:08
Cidade: Belo Horizonte
Holofotes sobre a Rocinha

Manoel Hygino

Reportagens e noticiários sobre a turbulência na Rocinha, na zona Sul do Rio de Janeiro, exigem hoje espaços enormes nas redes de televisão, que – se fossem matéria paga – demandariam milhões dos patrocinadores. Enquanto as Forças Armadas lá se mantiveram, serenaram os ânimos; com o retorno da tropa à caserna, voltou a preocupação, depois se repetiram os tiroteios, extensivos ao Vidigal, que é próximo. Na UPP da Cidade de Deus, policiais foram recebidos a tiros. Os agentes da lei não revidaram, evitando talvez uma batalha campal.
Entanto, o problema é antigo, complexo, de dificílima solução, tanto que as tentativas de pacificação das antigas favelas (o nome passou para comunidades) foram frustrantes, para não dizer que fracassaram. Nos dias passados, a imagem de Nem, considerado chefe do tráfico da Rocinha, maior favela da América Latina, apareceu um sem número de vezes.
É sobre ele que comentamos, principalmente depois de o site brasil.elpais publicar matéria de Gil Alessi, focalizando-o. Conta-se ali que Antônio Bonfim Lopes, em dezembro de 1999, enfrentou com a esposa um grave problema de saúde da filha, Eduarda, de nove meses. Iniciou-se uma peregrinação por clínicas e hospitais, mas os diagnósticos eram desencontrados e não sobrou um fio de esperança. Mãe e pai, diz a notícia, se viram na contingência de abandonar seus empregos para tratar do bebê, afundando em uma dívida de R$ 20 mil.
Antônio, até então trabalhador responsável por uma equipe de distribuição de revista, se tornou o Nem, chefe do tráfico da Rocinha, o maior ajuntamento no gênero do hemisfério. O drama é relatado no livro “O Dono do Morro: Um homem e a batalha pelo Rio”
(Companhia das Letras), do jornalista inglês Mischa Glenny. Durante a Festa Literária Internacional de Paraty, ano passado, o escritor se encontrou com Nem, que responde a oito processos e está condenado a 16 anos e oito meses de prisão por tráfico de drogas e formação de quadrilha.
Para contar a história, o autor ouviu amigos e inimigos do traficante, policiais, políticos e o próprio ex-secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame. Mas, para salvar a vida da filha, recorreu a Luciano Barbosa da Silva, o Lulu, chefe do negócio ilegal na Rocinha e uma das lideranças do CV – Comando Vermelho.
Jovem e inteligente, Nem se tornou importante, um “ditador esclarecido”, segundo o autor inglês: “ele entendia que o dono do morro deveria criar um círculo virtuoso que assegurasse o sustento da favela, devolvendo parte dos lucros à comunidade e produzindo um clima de crescimento econômico”. Estabeleceu-se um clima de paz, mas a “alta direção” do negócio sujo se dividiu, houve troca de comando. Nem, em circunstâncias misteriosas, acabou preso e levado a presídio de segurança máxima.
Não tenho notícia da filha que se enfermara. Misha Glenny, o escritor inglês, anotou: “Os grandes traficantes brasileiros não moram nas favelas”; “a Rocinha não precisa de teleférico, mas sim de saneamento básico”; “Rio desidrata UPPs para transferir parte do efetivo das favelas para o asfalto”. Nem desabafa: “Mandar polícia não adianta. Tem quatro ou cinco pra tomar meu lugar se me prenderem ou matarem”.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82777
De: BBC Londres Data: Sáb 7/10/2017 11:00:03
Cidade: Londres
Do isolamento à perversidade, os últimos dias do vigia que incendiou creche em Minas Gerais - Júlia Dias Carneiro - Há 18 minutos - Enquanto multidões comovidas acompanharam os velórios das primeiras vítimas do ataque de Janaúba, no norte de Minas Gerais, na sexta-feira, o corpo do vigia Damião Soares dos Santos, de 50 anos, foi sepultado em uma cerimônia discreta, sem a presença de parentes, buscando ao máximo evitar a atenção - e a revolta - da cidade que passou a vê-lo como um monstro. Vizinhos, funcionários da creche e familiares agora se perguntam retrospectivamente quem era Damião, um homem que não chamava atenção, "proseava" com os moradores da vizinhança e vendia picolés, que ele mesmo fazia, para as crianças. O homem que planejou e levou a cabo o incêndio na creche Gente Inocente, na quinta-feira, era caçula entre os irmã de uma família de sete mulheres e quatro homens e cresceu em uma família humilde, porém "muito unida, trabalhadora, de coração bom", diz sua irmã, Maria Alexandrina dos Reis Santos, de 59 anos. Na manhã de quinta-feira, Damião chegou à creche dizendo que ia entregar um atestado médico. Ao entrar, jogou combustível em si mesmo e em quem mais conseguiu alcançar, entre crianças e funcionários, e ateou fogo. De acordo com o delegado regional Bruno Fernandes, ele chegou a abraçar algumas crianças no meio das chamas. O ataque matou sete crianças de 4 a 6 anos e a professora Helley Abreu Batista, de 43 anos, deixando a cidade de 72 mil moradores toda de luto. Damião chegou a ser levado para o hospital com queimaduras, mas também morreu, horas depois. Mais de 40 pessoas ficaram feridas, e algumas crianças ainda estão em estado grave devido à extensão das queimaduras. Os casos mais graves foram levados para hospitais em Montes Claros e Belo Horizonte. Damião era funcionário efetivo da prefeitura desde 2008 e, de acordo com o prefeito Carlos Isaildon Mendes, nunca apresentara qualquer problema. Ele estava afastado da creche desde julho, primeiro de férias, e depois alegando problemas médicos.
Abalo
Maria foi a única familiar a comparecer à funerária para lidar com o enterro do irmão, mas nem ela nem outros parentes foram ao sepultamento. "Estamos muito abalados. São duas dores que a gente tá sentindo. Por todas as crianças e famílias que estão sofrendo e pelo irmão. Nem velar ele podemos. Está tudo muito triste, doído", diz Maria. "Estou com o coração esbagaçado." Maria diz que o irmão vinha apresentando problemas "de cabeça" que começaram depois que o pai morreu, há três anos. "Ele falava que a gente estava envenenando as coisas dele. Ele saiu da casa da mamãe, foi morar sozinho. Uma pessoas que fez o que ele fez não está certo da cabeça, não. Um homem que teve a coragem de fazer o que ele fez, tirar a vida dele e de tantas criancinhas", diz a irmã. "Ele era uma pessoa boa, bem humilde, bem educado, um servidor honesto. O apelido dele na família era Dão. Agora fez um erro assim..." Damião foi enterrado no cemitério São Lucas, o mesmo que suas vítimas, mas em um horário que não coincidisse com os demais sepultamentos. A família ficou com medo de enterrá-lo - "as pessoas estavam falando que iam pegar o corpo dele e jogar no asfalto", diz Maria - e chegou a perguntar à funerária se seria possível uma cremação, mas não havia documentação de Damião para permitir o procedimento. "Quero pedir muitas muitas desculpas a todas as famílias. Só peço que as pessoas entendam que a família de Damião não é culpada. Está todo mundo muito abalado. Estamos orando, pedindo paz e harmonia para todas as famílias", diz. Nesses últimos três anos, Maria afirma que a família praticamente não teve contato com o Damião. Ele se isolou depois de sair da casa da mãe. Porém, reapareceu dias antes do ataque. Reaproximou-se da família, conheceu um sobrinho de 3 anos que nunca tinha visto e dormiu as duas últimas noites na casa da mãe. Reclamou que vinha vomitando muito e vomitou muito de manhã, conta a irmã. A família conversou com um psicólogo que veio atender outro parente e quis levá-lo para conhecer o Damião - mas isso já foi na manhã do ataque.
`Premeditado`
Damião escolheu o aniversário de três anos de morte do pai para o incêndio na creche. De acordo com o delegado regional Bruno Fernandes, há outras evidências de que o ataque tenha sido "arquitetado, premeditado": a polícia encontrou galões de gasolina na casa de Damião, e dois dias antes do incêndio ele falou à família que iria morrer e que iria dar aquele "presente" aos parentes. Para o delegado, isso esvazia a teoria de que ele poderia ter tido um surto psiquiátrico. "Não foi um surto. Ele fez por perversidade", acredita Fernandes. "Por covardia, resolveu se autoimolar e levar junto quem tinha pela frente. E foi tudo premeditado, até a data escolhida. Foi uma forma que ele achou de chamar atenção." Mas o delegado diz não ter dúvidas de que Damião tinha um transtorno psiquiátrico. "Ele tinha uma síndrome de perseguição. Achava que as pessoas estavam perseguindo-o para matá-lo envenenado", diz. Em 2014, Damião procurou o Ministério Público Estadual, que o encaminhou para o Centro de Atenção Psicossocial de Janaúba (Caps). "Ele busca ajuda e a ajuda é oferecida, mas ele não quer. Ele resolve por si só se tornar um homem sozinho, solitário." De acordo com sua irmã, Damião nunca casou nem teve filhos. A casa de dois cômodos onde morou nos últimos anos era "totalmente insalubre e inóspita", diz o delegado. "Estava muito suja, parecia que ninguém morava lá havia muito tempo."
Gasolina em galão de sorvete
Nas buscas realizadas em sua casa, os agentes da Polícia Civil encontraram anotações de Damião com textos confusos e pouco concatenados contendo referências ao Estatuto da Criança e do Adolescente. Uma nota da Polícia Civil chegou a falar que o vigia era "obcecado por crianças". "Ele gostava muito de crianças. Fabricava picolé e vendia ou às vezes até dava para as crianças na rua", diz. O delegado acredita que foi num galão de sorvete, "desses grandes de 10 litros", que Damião levou a gasolina na mochila para dentro da creche. O recipiente não está entre as provas coletadas pela polícia: derreteu após o fogo iniciado por Damião, que atingiu quatro salas adjacentes. A BBC Brasil obteve acesso às salas de aula e constatou a dimensão do estrago: brinquedos e livros carbonizados no chão, parede e pisos tingidos de negro pela fumaça, e o teto praticamente todo derretido, as tiras de PVC que antes formavam o forro caídas ou penduradas, retorcidas. Alguns chinelos e sapatinhos das crianças ainda se encontram espalhados pelo chão. A creche fica no bairro Rio Novo, na periferia de Janaúba, em uma rua de piso de chão. Após as cenas de caos e desespero durante o incêndio, a rua estava quieta no dia seguinte ao ataque. A maioria dos vizinhos conhecia Damião. "Era um homem normal, quieto, tinha amizade com todo mundo", relata uma moça que se identifica apenas como Juliana. "Todas as mães aqui da rua estão em choque, porque ele ficava aqui sentado na calçada e as crianças ficavam falando com ele. Nossos filhos conviviam com ele." Jucimar Pereira Franco, que mora em frente à creche, diz que Damião chegava mais cedo para começar o turno de vigia noturno e ficava conversando com os vizinhos. Na quinta-feira, ele foi um dos muitos que ajudaram no socorro. Entrou na creche no meio daquele "fumação preto" e conseguiu tirar duas crianças. "Quando peguei a segunda, parecia que não tinha mais nada segurando a pele dela", conta Jucimar, ainda em choque. "O que levou ele (Damião) a fazer isso? É uma coisa que a gente quebra a cabeça pra tentar entender."
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82776
De: Estado de Minas Data: Sáb 7/10/2017 09:36:19
Cidade: Belo Horizonte
Transtorno mental de vigia que matou crianças em Janaúba foi detectado há 3 anos - João Henrique do Vale/Cristiane Silva - 07/10/2017 - 08:56 - O laudo que traçou o perfil psicológico do vigia Damião Soares dos Santos, de 50 anos, mostrou que ele sofria de disfunção de consciência e tinha delírios persecutórios. Em 2014, chegou a procurar o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) para pedir ajuda, pois afirmava que estaria sendo envenenado pela própria mãe. O caso foi analisado e foi recomendado a ele a procura de tratamento mental. Mesmo com a constatação, a Polícia Civil descarta que o funcionário tenha tido um surto psicótico no ataque contra a creche Gente Inocente, em Janaúba, no Norte de Minas, que deixou nove mortos e 41 feridos. O crime é tratado como premeditado no inquérito. A Polícia Civil está elaborando um documento com algumas avaliações preliminares que vão compor o inquérito. As investigações iniciais, segundo a corporação, mostram que o suspeito sofria transtornos mentais, que foram detectados em 2014, a partir de uma avaliação de um profissional especializado. Ele possuía disfunção de consciência, por isso foi sugerido a ele o acompanhamento psiquiátrico. Porém, as apurações ainda não encontraram nenhum registro de consulta médica, receita e elementos que comprovassem o uso de medicação. A promotoria da cidade já tinha recomendado ao vigia que ele procurasse um atendimento em um Centro de Atenção Psicossocial (Caps) depois da denúncia feita por ele em 2014. Na época, Damião alegou que estava sendo envenenado pela própria mãe. “Ele procurou o Ministério Público alegando que estava sendo perseguido pela própria mãe, que a mãe estaria envenenando seus alimentos para ceifar a vida dele. Coisas da cabeça dele. Isso não existiu”, contou o delegado Ricardo Nunes Henriques, chefe do 11º Departamento da Polícia Civil. De acordo com o delegado, Damião sofria de delírio persecutório, mas que o transtorno não teve relação com o massacre cometido por ele. “Ele delirava às vezes, como se estivesse sendo perseguido por alguém. Isso é uma enfermidade. Mas isso não tem nada à ver com o ato em si. O ato dele foi preparado, premeditado. No momento da ação, ele tinha plenamente o caráter dele. Tinha plena consciência do ato que estava cometendo. Ele se preparou para fazer aquilo e fez deliberadamente. Ele não estava surtado. Ele estava em sã consciência”, reforça o policial. “Então, era imprevisível isso aí. Foi um fato isolado que aconteceu como acontece às vezes em outros países. Infelizmente é a mente humana, mas não seria possível evitar esse fato”, finalizou o delegado.
Crime imprevisível
Damião trabalhava no período noturno, em regime de 12 por 36 horas, e não tinha contato com as crianças, segundo o prefeito Carlos Isaildon Mendes. “Em momento algum poderíamos imaginar que ele causaria uma tragédia dessas”, disse. Segundo ele, o vigia ficou três meses de férias, por ter períodos acumulados. O homem chegou a conversar com a diretora por telefone nesta semana e disse que ele estava bem. Questionado sobre o fato de o homem continuar na função mesmo com problemas psicológicos, o chefe do Executivo municipal foi enfático. “Eu preciso deixar claro para o Brasil e para o mundo que ontem, em uma reunião com a polícia, foi dito que todas as investigações foram feitas. E trata-se de uma tragédia totalmente imprevisível e nenhuma autoridade poderia imaginar o que aconteceu”, completou. O promotor do Ministério Público, Jorge Victor Barreto Cunha, também acredita que o caso não foi um surto psicótico. “Ele desempenhava suas funções normalmente. Sinaliza que foi um ato preparado, que ele tinha uma organização, sabia o horário das crianças na creche, das professoras, comprou os combustíveis. Tudo sinaliza para um ato, pasmem, senhores, de barbaridade”, afirmou.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82775
De: R7 - Rede Record Data: Sáb 7/10/2017 08:28:03
Cidade: S. Paulo
Autor de atentado era solitário e quis causar sofrimento, diz vizinho - 6/10/2017 às 20h28 - Damião Soares dos Santos, conhecido em Janaúba, norte de Minas Gerais, como ‘Damião Picolé’, era visto por vizinhos como um sujeito “solitário e calado”, mas nunca demonstrou ser agressivo. Ele é o suspeito de ter incendiado a creche Gente Inocente, na tragédia que causou a morte de sete crianças e uma professora, além do próprio Damião.“Toda a vida, Damião foi muito solitário. Nunca foi casado e nunca o vi com uma namorada”, comenta um vizinho que o conhecia há pelo menos duas décadas. Ele prefere não se identificar porque, “em cidade pequena, o pessoal faz muita fofoca, melhor evitar um problema”.Para o vizinho, a escolha da creche como alvo não foi aleatória. “Ele gostava muito de criança, mas acredito que escolheu a creche para causar sofrimento nas outras pessoas também, causar uma comoção geral. Porque se fizesse o que fez na casa dele, só a família sofreria, como está sofrendo”, diz o morador de Janaúba.A Polícia Civil de Minas Gerais afirmou que as investigações sobre o incêndio apuraram que Santos “era obcecado por crianças”. Segundo os investigadores, o crime foi premeditado. Foram achados galões de combustível na casa do vigia e foi apurado que ele marcou simbolicamente a data de falecimento do pai.A Polícia Civil afirmou que “Damião também disse à família, na última terça-feira (3), que daria um presente a todos, se matando em breve”.
Cosme e Damião
Os irmãos gêmeos nascidos em 21/05/1967 foram batizados Cosme e Damião por vontade da mãe, devota dos santos que ela celebra todo dia 27 de setembro com uma cerimônia feita com sete crianças e sete pratos diferentes.O ‘Picolé’ do apelido veio do trabalho que Damião exercia paralelamente à função de vigia. “Ele mesmo fazia os picolés em casa, e eram muito bons”, conta o morador de Janaúba.O antigo vizinho conta que não via Damião há alguns anos, desde que o suspeito pelo atentado deixou a casa da mãe por conflitos com a família, e ambos deixaram de morar na mesma rua. “Não sabemos ao certo, mas entre a vizinhança havia muito boato de atritos entre ele, Cosme e a irmã Simone”, conta.A reportagem do R7 conseguiu contatar Simone Soares dos Santos na quinta-feira (5), horas depois do atentado, quando o irmão ainda não havia sido identificado oficialmente como suspeito do ataque. Questionada se o conhecia ou se era parente, ela disse que "por ordens superiores", não estava autorizada a falar”.Para o antigo vizinho, as últimas postagens de Damião nas redes sociais preocupavam. “Eu via aquilo e ficava meio na dúvida… um ‘cara’ que está prestando concurso não sabe nem escrever direito, era umas coisas muito sem nexo que ele escrevia, sem coerência. Eu tentava entender, interpretar o que ele queria dizer com aquelas coisas, mas jamais esperaria algo assim”, conta.Para ele, a lição que se pode tirar com a tragédia é que as pessoas devem atentar mais às “pessoas caladas assim” como Damião.“A gente tem que ver o que as pessoas postam… porque essa pessoa pode ser a ponta da flecha para muitas outras. Às vezes tem muito ‘cara’ com problema e tem vontade de fazer esse tipo de coisa, mas ainda não teve coragem para fazer. Esse tipo de atitude contagia os caras, e eles podem tomar a iniciativa… isso pode estimular quem tem problema psicológico”, afirma.Ele afirma ainda que melhores estruturas físicas, como sistemas automáticos de extinção de incêndio, deveriam ser obrigatórios em creches e escolas, o que poderia ter evitado ou diminuído a tragédia.
Problemas psicológicos

O vigia, que tinha sido afastado das funções por problemas psicológicos, chegou na creche, que fica em Janaúba, no norte de Minas Gerais, na manhã de quinta-feira (5) e arremessou o líquido inflamável que tinha dentro do balde azul em várias crianças e em si mesmo. Em seguida, ateou fogo.De acordo com Pedro Aihara, tenente responsável pela comunicação do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, o vigia teria abraçado crianças com o corpo em chamas.A página pessoal de Santos tinha uma série de posts de autoajuda. A última publicação, de 2 de outubro, dizia: “Se alguém duvidar visita minha família eu fazia de tudo para ajundar (sic) nunca fiz mal a niguem (sic)”.
Postagens nas redes sociais
No último dia 2 de outubro, três dias antes do atentado, Damião Picolé fez uma série de postagens de difícil compreensão nas redes sociais. É parte do que o vizinho chama de "sem nexo" e à qual ele não sabia como interpretar. Leia abaixo a transcrição das postagens, com a grafia original:
9:54 — Tudo que toco vira o que é quiser. Eu sempre plantei amor; verdade; paz; felicidade e liberdade. organização diabólica acaba de mim elimina eu sempre serei o filho primogênito da minha mãe e Cristo será o rei universal.
10:20 — Milagre da toalhinha feito com veneno da veneno pra o sujeito e depois deixa de da é curado
10:32 — Quentinha para traficante no Rio pode ter veneno?
10:45 — Os homens está todos com barriga grande é doente do figado veneno escondido na comida?
10:54 — Por saber muito e nunca associar o mal hoje eu estou invenenado e a casa da minha mãe virou um inverno todos dopado
11:04 — O jornalista Marcelo Resende é quem dize cai no golpe de Dalila e sansão meu fígado podreceu costa pra mim.
11:23 — As padarias e restaurantes estão se vingando coloca grades nas postas e veneno nas comidas da aqueles que eles acha ser bandido. Que país é esse?
11:40 — Tem gentes dando remedio escodido para padres ficarem com deprensao até eles associar ao mal depois deixa De dar .que geração está esperando. Que país é esse?
12:14 — Basiando na morte de arthu, jornalista da globo na morte do mendingo em montes claro na morte do médico em montes claro e nas quentinhas de lula. segio mora está preso ele não pode comer em restaurantes e padarias. que pais é esse.
12:35 — Se alguém duvidar visita minha família eu fazia de tudo para ajundar nunca fiz mal a niguem

Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82774
De: Engenheiro Data: Sex 6/10/2017 18:36:30
Cidade: Montes Claros/MG
TRAGÉDIA NA CRECHE GENTE INOCENTE, JANAÚBA, 5/10/2017 - Infelizmente o perigo existe em Las Vegas, Marselha, Paris, Londres, Janaúba, Montes Claros, Belo Horizonte, no mundo todo. Importantíssimo debater essa ocorrência da Creche de Janaúba nas creches, colégios, faculdades, universidades, em todo o Brasil. Além das providências do Ministério Público, que já estão em andamento, visando a regularização de outras creches em Janaúba, as demais instituições do sistema de ensino, em todos os níveis, também já devem revisar a segurança das suas instalações, em todos os sentidos, tais como elétricas, gases, proteção contra incêndios, construção civil, inclusive as características dos materiais, sistema de vigilância, para que os alunos, pais, professores, servidores e outros tenham mais segurança nos diversos prédios desses educandários. A facilidade de acesso a esses locais pode levar aos crimes bárbaros como o de ontem em Janaúba, ou piores. Tem que haver identificação, triagem dos objetos que a pessoa está de posse, para não entrar com armas, explosivos ou combustíveis, por exemplo. Sem sistema de alarme e/ou seguranças profissionais os riscos de atentados são muito maiores. Por outro lado, considerando que no Estado de Minas Gerais menos da metade dos municípios têm hospitais e clínicas psiquiátricas, de alguma forma os governantes têm que encontrar uma solução para problema tão grave, pois quanto mais indivíduos com problemas mentais houver, sem o tratamento necessário, maior a possibilidade de atentados tão violentos como o de ontem em Janaúba, que, por enquanto, resultou nas mortes de 9 pessoas e poderá subir mais ainda, pois há muitas vítimas ainda internadas, várias em estado muito grave. A prevenção é o melhor que se deve adotar para evitar acidentes e tragédias e preservando as preciosas vidas humanas. Que as vidas de tantos inocentes, ceifadas de forma tão violenta, precocemente, motivem a todos os responsáveis pela segurança pública a solucionarem problemas tão importantes.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82773
De: El País Data: Sáb 7/10/2017 08:06:37
Cidade: Madri

A professora que deu a vida para salvar suas crianças em Janaúba - 6 OUT 2017 - 23:55 - Ensinar era o propósito e o símbolo da reconstrução da vida da professora Heley de Abreu Silva Batista. Aos 43 anos, cuidava dos alunos como se fossem seus filhos antes de ter o corpo queimado durante a luta travada com o vigia Damião Soares dos Santos, que ateou fogo na creche em que trabalhava, em Janaúba, no norte de Minas Gerais. “Ela jamais deixaria os alunos para trás”, diz a professora de educação física, Evani Cunha, que trabalhou com Heley ao longo de 15 anos. “Os alunos a ajudaram a dar a volta por cima depois da morte do filho. Ela não sossegaria enquanto não salvasse todos eles.” O primogênito de Heley morreu afogado na piscina de um clube da cidade, aos quatro anos, quando ela estava grávida do segundo filho. Naquela época, era professora do ensino fundamental. Encontrou forças no convívio diário com crianças. A sala de aula lhe ensinou que era possível reencontrar a esperança e tocar em frente. Heley estava na primeira sala atacada pelo incendiário na creche. Ela cuidava de uma turma do maternal, com 16 crianças entre dois e quatro anos. Ao perceber que Damião corria em direção aos alunos lançando combustível e chamas de fogo, que rapidamente se espalharam pela sala, a professora passou a retirar criança por criança através de uma estreita janela que dava no corredor da creche. Até que o homem a alcançou, e sua pele começou a queimar. De acordo com os primeiros depoimentos colhidos pela polícia, Heley lutou com Damião até ficar inconsciente e não ter mais condições de salvar os remanescentes de sua turma. “O que essa professora fez foi ato de heroísmo e lealdade pelos seus alunos. Ela não os abandonou”, afirma Bruno Fernandes Barbosa, delegado responsável pela investigação do crime. Apesar da atitude que a transformou em mártir na cidade do norte de Minas Gerais, Heley era uma professora que convivia com dilemas comuns a tantos colegas de profissão. Por problemas nas cordas vocais, tinha a voz rouca, o que não a impedia de ser uma das mais empolgadas nas gincanas da escola. “Ela era briguenta e competitiva. Estava sempre gritando para incentivar os alunos nas provas. Não perdia uma gincana”, conta Evani Cunha, conhecida como Tiazinha em Janaúba. Lecionar era uma vocação precoce. “Foi ela quem me ensinou a ler, quando a gente ainda era pequena. O que ela mais gostava era brincar de escolinha”, lembra Dilzane Rodrigues Cardoso, de 40 anos, que cresceu no mesmo bairro de Heley, em São Gonçalo. Juntas, dividiram uma infância humilde, em que a futura professora já dava mostras de sua bondade. “A casa da Heley era a única da rua que tinha televisão colorida na época. Ela abria a janela e a gente ficava em cima da árvore assistindo. Foi uma grande companheira”, afirma Dilzane. Ela só deixou o bairro de São Gonçalo ao se casar com Luís Carlos Batista, que ficou paralisado ao receber a notícia de que a mulher não havia resistido às queimaduras. Ela se desdobrava entre o expediente na creche, as obrigações com os filhos e as tarefas domésticas para que o marido pudesse concluir a faculdade de odontologia. Com 90% do corpo comprometido por graves ferimentos, Heley teve a morte confirmada na noite de quinta-feira. Deixou dois filhos adolescentes e um bebê de um ano e três meses. Janaúba parou na tarde desta sexta-feira para acompanhar o enterro da professora. Em caixão fechado, o corpo foi levado por um caminhão do Corpo de Bombeiros em cortejo fúnebre até uma capela improvisada em frente ao cemitério da cidade, que viu parte de seu comércio fechar as portas em sinal de luto pelas vítimas da tragédia. Cerca de 500 pessoas acompanharam o velório de Heley, entre elas a técnica em farmácia Edna Cardoso, de 43 anos, que estudou na mesma sala da professora nos tempos de colégio. “Ela sofreu muito naquela sala. Mas não me surpreendo por seu esforço em salvar os alunos. Sempre teve um sorriso no rosto e, principalmente, o coração generoso. Vai fazer muita falta.”
Luta contra o descaso
Em seus pronunciamentos, o prefeito de Janaúba, Carlos Isaildon Mendes, tem se esforçado para isentar o poder público de responsabilidade pela tragédia, pelo fato de o vigia nunca ter levantado suspeitas ou dado demonstrações explícitas que indicassem transtorno mental, segundo funcionários da creche. Na cidade, Damião, que também vendia picolés, era visto como figura pacata e de poucas palavras. Porém, colegas de profissão de Heley que acompanharam o velório se queixam das condições de trabalho não só na creche, mas também nas escolas do município. O Centro Municipal de Educação Infantil Gente Inocente, onde a professora dava aulas, não contava com nenhum extintor de incêndio e nem alvará de funcionamento do Corpo de Bombeiros. Para apagar o fogo, moradores vizinhos usaram baldes com água e tiveram de se espremer por entre os portões e corredores estreitos da creche. “Nenhuma escola da cidade, seja municipal ou estadual, tem extintor de incêndio”, afirma a professora de matemática e ex-diretora de escola, Maria José Nogueira, que também era amiga de Heley. Consultada pela reportagem, a prefeitura não soube informar se as escolas sob sua responsabilidade dispõem de ao menos um extintor. Apenas confirmou que não havia o equipamento na creche. “Nós, professores, trabalhamos em condições muito ruins na cidade. Creches e escolas não têm estrutura, muito menos segurança”, prossegue Maria José. Outras colegas de Heley relataram ainda que o acesso à creche Gente Inocente não era controlado. Só havia vigilância – Damião, no caso – no período noturno. Inaugurada em 2000, a creche também não tinha câmeras de segurança. A situação das escolas é um reflexo da maioria dos serviços públicos oferecidos na região. O hospital Fundajan, por exemplo, que atende pacientes de várias cidades e recebeu 15 feridos da tragédia, esteve prestes a fechar as portas por falta de recursos em agosto deste ano. Quando as primeiras crianças chegaram para o atendimento de emergência, não havia sequer analgésicos no estoque de medicamentos. Em mais de duas décadas de ofício, Heley costumava se queixar da estrutura dos locais em que trabalhava, mas nunca desistiu de fazer sua parte como educadora. Maria José espera que a memória da mulher que ensinou Janaúba que é possível reencontrar a esperança e tocar em frente sirva para sensibilizar autoridades sobre a necessidade de mais investimentos na educação. “Vivemos um descaso de muitos anos e várias gestões, não só em Janaúba, mas em grande parte das escolas do Brasil. Espero que o exemplo da Heley faça com que o poder público pare de cruzar os braços diante da nossa situação.”
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82772
De: João Carlos Data: Sáb 7/10/2017 08:16:01
Cidade: M. Claros

Escritos nas redes sociais do vigia da creche em Janauba dão vigorosas pistas do seu estado mental precário. Ninguém viu isto, a Tempo de procurar afastá-lo do convívio das crianças?. Veja as frases (e as influências que sofria horas antes do ataque). As frases foram coletadas e divulgadas pela R 7, da Rede Record:


"A página pessoal de Santos tinha uma série de posts de autoajuda. A última publicação, de 2 de outubro, dizia: “Se alguém duvidar visita minha família eu fazia de tudo para ajundar (sic) nunca fiz mal a niguem (sic)”.

Postagens nas redes sociais

No último dia 2 de outubro, três dias antes do atentado, Damião Picolé fez uma série de postagens de difícil compreensão nas redes sociais. É parte do que o vizinho chama de "sem nexo" e à qual ele não sabia como interpretar. Leia abaixo a transcrição das postagens, com a grafia original:

9:54 — Tudo que toco vira o que é quiser. Eu sempre plantei amor; verdade; paz; felicidade e liberdade. organização diabólica acaba de mim elimina eu sempre serei o filho primogênito da minha mãe e Cristo será o rei universal.

10:20 — Milagre da toalhinha feito com veneno da veneno pra o sujeito e depois deixa de da é curado

10:32 — Quentinha para traficante no Rio pode ter veneno?

10:45 — Os homens está todos com barriga grande é doente do figado veneno escondido na comida?

10:54 — Por saber muito e nunca associar o mal hoje eu estou invenenado e a casa da minha mãe virou um inverno todos dopado

11:04 — O jornalista Marcelo Resende é quem dize cai no golpe de Dalila e sansão meu fígado podreceu costa pra mim.

11:23 — As padarias e restaurantes estão se vingando coloca grades nas postas e veneno nas comidas da aqueles que eles acha ser bandido. Que país é esse?

11:40 — Tem gentes dando remedio escodido para padres ficarem com deprensao até eles associar ao mal depois deixa De dar .que geração está esperando. Que país é esse?

12:14 — Basiando na morte de arthu, jornalista da globo na morte do mendingo em montes claro na morte do médico em montes claro e nas quentinhas de lula. segio mora está preso ele não pode comer em restaurantes e padarias. que pais é esse.

12:35 — Se alguém duvidar visita minha família eu fazia de tudo para ajundar nunca fiz mal a niguem"
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82771
De: Walter Abreu Data: Sex 6/10/2017 16:47:06
Cidade: Montes Claros  País: Brasil
E-mail: waltermabreu@yahoo.com.br
A DOR E AS LIÇÕES DAS TRAGÉDIAS - Deus nos ilumine, para que as tragédias nos sejam úteis. Que aprendamos com elas e que saibamos fazer a correta leitura dos acontecimentos. Que tenhamos coragem e não nos acovardemos na hora de cobrar com firmeza o que nos é devido. Que não nos afastemos da virtude da gratidão, mas que a mão estendida no momento de tristeza não apague a omissão e o descaso com a saúde de nosso povo. Quantas criancinhas já morreram,por falta de vagas nos hospitais, por desnutrição, pela violência, sem que a imprensa noticiasse, sem que lutos oficiais fossem decretados e sem que uma lágrima dos nossos dirigentes fossem roladas nas faces frias.
O momento das tragédias é ideal para a remissão dos pecados da ausência do Estado e da ineficiência da aplicação do dinheiro dos impostos.Também é momento da remição(do verbo remir) da dívida histórica com a saúde dos Norte Mineiros. Os mesmos acusados de corrupção de desvio de milhões(ou até bilhões) aparecem emocionados nas telas das TV`s, prometendo apoio, trabalho,dinheiro(do povo) e todas as soluções possíveis e imagináveis. Tão logo aconteça uma nova tragédia, que passe a ser a preferida da imprensa, esqueça-se a penúltima e utilize-se da última para se mostrar de "salvador". Agradecemos aos governantes que socorrem as famílias afetadas diretamente na tragédia de Janaúba. Porém sugiro que usemos a capacidade extraordinária de mobilização pela qual passamos neste momento de dor, para continuar um contínuo trabalho de pressão, para que as mortes de nossa criancinhas, silenciosamente e no dia a dia, não passem despercebidas.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82770
De: O Dia Data: Sex 6/10/2017 15:47:38
Cidade: Rio de Janeiro
`Eu vou dar picolé para vocês`, disse vigilante antes de atear fogo em creche - Familiares de Damião Silva afirmam que o segurança disse, nesta semana, por mais de uma vez que iria morrer. Ao todo, cinco crianças e uma professora morreram, além do vigia - O incêndio que matou cinco crianças e uma professora na Creche Municipal Criança Inocente, em Janaúba, norte de Minas, ocorreu no meio da festa de dia das crianças, antecipada por causa do feriado na semana que vem. Com uma mochila nas costas e um pote azul nas mãos, o vigilante Damião Soares da Silva, de 50 anos, entrou no salão, fechou a porta e atraiu a atenção das crianças: "Eu vou dar picolé para vocês", teria dito o homem, segundo testemunhas.
Damião atirou álcool nos alunos e no próprio corpo, depois ateou fogo. Segundo as investigações, o ato foi premeditado e ocorreu no aniversário de três anos da morte do pai do vigilante. No momento do atentado, apenas as crianças do berçário não participavam da festa. A dinâmica do crime foi relatada por testemunhas à Polícia Civil.
De acordo com o delegado Renato Nunes Henriques, chefe do Departamento da Polícia Civil de Montes Claros, responsável pela região, Damião, de fato, fabricava picolé em casa. Por isso, ele comprava etanol, usado como insumo na produção e guardava em casa (misturado com água, o álcool mantém a temperatura mais baixa).
"A investigação, agora, é para traçar o perfil psicológico dele", afirmou o delegado. "Ele começou a demonstrar transtornos em 2014, quando foi ao Ministério Público denunciar que a mãe estava envenenando a comida dele mas era mentira." Para vizinhos da creche, o vigilante parecia uma pessoa normal. "Ele não mostrava isso para a sociedade."
Velório
Os corpos das vitimas começaram a ser velados por familiares, em casa, na noite desta quinta-feira. Os enterros ocorrem separadamente no cemitério da cidade. A primeira criança a ser enterrada foi Ana Clara Ferreira Silva, de 4 anos, irmã gêmea de Victor Hugo Ferreira Silva, que, por estar com conjuntivite não foi para a escola no dia do crime. "Poderia ter sido os dois", disse o avô Antônio Ferreira, de 55 anos.
Ana Clara sofreu queimaduras no rosto e no corpo e não resistiu. Outras duas irmãs dela inalaram fumaça, foram internadas e transferidas para Montes Claros. O ataque causou a morte de cinco crianças e uma professora. Damião Silva também morreu em função das queimaduras.

***
Estadão - Eu vou dar picolé para vocês”, disse vigilante antes de atear fogo em creche - 06/10/17 - 12h34 - O incêndio que matou cinco crianças e uma professora na Creche Municipal Criança Inocente, em Janaúba, norte de Minas, ocorreu no meio da festa de dia das crianças, antecipada por causa do feriado na semana que vem. Com uma mochila nas costas e um pote azul nas mãos, o vigilante Damião Soares da Silva, de 50 anos, entrou no salão, fechou a porta e atraiu a atenção das crianças. “Eu vou dar picolé para vocês.” Silva atirou álcool nos alunos e no próprio corpo, depois ateou fogo. Segundo as investigações, o ato foi premeditado e ocorreu no aniversário de três anos da morte do pai do vigilante. No momento do atentado, apenas as crianças do berçário não participavam da festa. A dinâmica do crime foi relatada por testemunhas à Polícia Civil. De acordo com o delegado Renato Nunes Henriques, chefe do Departamento da Polícia Civil de Montes Claros, responsável pela região, Silva, de fato, fabricava picolé em casa. Por isso, ele comprava etanol, usado como insumo na produção e guardava em casa (misturado com água, o álcool mantém a temperatura mais baixa). “A investigação, agora, é para traçar o perfil psicológico dele”, afirmou o delegado. “Ele começou a demonstrar transtornos em 2014, quando foi ao Ministério Público denunciar que a mãe estava envenenando a comida dele mas era mentira.” Para vizinhos da creche, o vigilante parecia uma pessoa normal. “Ele não mostrava isso para a sociedade.” Ao longo da semana, familiares relataram que Silva repetiu, ora que daria um presente a eles, ora que iria morrer.
Velório
Os corpos das vitimas começaram a ser velados por familiares, em casa, na noite desta quinta-feira, 5. Os enterros ocorrem separadamente no cemitério da cidade. A primeira criança a ser enterrada foi Ana Clara Ferreira Silva, de 4 anos, irmã gêmea de Victor Hugo Ferreira Silva, que, por estar com conjuntivite não foi para a escola no dia do crime. “Poderia ter sido os dois”, disse o avô Antônio Ferreira, de 55 anos. Ana Clara sofreu queimaduras no rosto e no corpo e não resistiu. Outras duas irmãs dela inalaram fumaça, foram internadas e transferidas para Montes Claros. O ataque causou a morte de cinco crianças e uma professora. Damião Silva também morreu em função das queimaduras.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82769
De: El País Data: Sex 6/10/2017 13:19:59
Cidade: Madri
“Foi perversão de um psicopata”, diz delegado sobre vigia ateou fogo em crianças em Janaúba – Gil Alessi - São Paulo – 06/10/17 – 13h04 - O vigia Damião Soares dos Santos, de 50 anos, responsável por atear fogo em crianças e professores em uma creche de Janaúba, Minas Gerais, na quinta-feira, “premeditou o crime” e tinha um histórico de “surtos psicóticos”. A data do crime coincide com o aniversário de três anos da morte do pai de Santos. De acordo com o delegado Bruno Fernandes Barbosa, responsável pelo caso, o autor da chacina que deixou até o momento cinco crianças e uma professora mortos sofria de “delírios e mania de perseguição”. Santos morreu na tarde desta quinta-feira, após ser internado em estado grave com queimaduras por todo o corpo. Outras 43 crianças e adultos estão em tratamento nos hospitais de Janaúba, Montes Claros e Belo Horizonte, com queimaduras e problemas respiratórios. O delegado afirma que o vigia não era violento e tinha um histórico bom como funcionário público, o que torna o crime “impossível de prever”. “Ele tinha oito anos como servidor da prefeitura sem nenhuma mancha em seu currículo”, afirmou Barbosa ao EL PAÍS. Santos era conhecido como "Damião Picolé", já que ele vendia sorvetes pela cidade nas horas vagas. De acordo com o policial, Santos havia passado, em 2014, por atendimento em uma unidade do Centro de Atendimento Psico-Social (Caps) da prefeitura. Uma perícia preliminar feita na creche aponta que Santos chegou a trancar duas salas de aula para impedir que as crianças fugissem do local, e uma professora entrou em luta corporal para tentar conter o vigia. A funcionária seria Helley Abreu Batista, de 43 anos, que também morreu em decorrência das queimaduras sofridas no ataque. O teto das salas era de material plástico altamente inflamável, o que pode ter contribuído para o grande número de vítimas. Barbosa entrevistou familiares do vigia, que confirmaram a instabilidade psíquica do autor do crime. “Em 2014 ele saiu de casa porque tinha mania de perseguição, achava que a mãe e outras pessoas estavam envenenando a comida dele, e isso estaria provocando uma doença gástrica nele”, disse o delegado. Recentemente ele chegou a dizer a familiares que "iria dar um presente a eles, e iria morrer". Na casa de Santos foram encontrados galões com álcool, que ele utilizava para manter os picolés que vendia a uma temperatura mais baixa. A polícia irá realizar testes toxicológicos para determinar se o vigia estava sob efeito de drogas no momento do crime. No entanto, uma testemunha que abriu a porta para que ele entrasse na creche afirmou que o comportamento de Santos era “normal” no dia. Ele havia passado três meses de férias, tendo retornado ao trabalho uma semana antes do crime. No entanto, ele trabalhou um dia e desapareceu. "Então na quinta-feira ele foi até a creche para apresentar um atestado médico", diz o delegado. A polícia ainda não sabe o conteúdo do documento, que pode ter sido destruído pelas chamas. As crianças mortas são Ana Clara Ferreira Silva, Luiz Davi Carlos Rodrigues, Juan Pablo Cruz dos Santos, Juan Miguel Soares Silva, Renan Nicolas Santos, todos de quatro anos. Na manhã desta sexta feira duas das vítimas foram enterradas no cemitério São Lucas, de Janaúba.
Mobilização na cidade
Desde a manhã de quinta-feira a prefeitura de Janaúba pediu doações de insumos hospitalares como anti bióticos, soros e gaze para reforçar os estoques do Hospital Regional da cidade. Além disso foi criada uma conta corrente para receber doações em dinheiro. Ônibus municipais foram disponibilizados para levar doadores de sangue até a vizinha Montes Claros, onde fica o hemocentro mais próximo. O Governo estadual disponibilizou aeronaves e ambulâncias para transportar os feridos mais graves para hospitais de referência no tratamento de queimados. O governador do Estado, Fernando Pimentel (PT), esteve na cidade na tarde de ontem, e se encontrou com familiares das vítimas.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82768
De: Estado de Minas Data: Sex 6/10/2017 10:14:51
Cidade: Belo Horizonte
Dor e comoção marcam primeiro enterro de criança que morreu queimada em creche de Janaúba - Luiz Ribeiro/Guilherme Paranaiba - 06/10/2017 – 09h50 - Em clima de muita comoção foi sepultado na manhã desta sexta-feira, no Cemitério São Lucas, em Janaúba, no Norte de Minas, o corpo da menina Ana Clara Ferreira da Silva, de quatro anos. Foi o primeiro sepultamento das vítimas da tragédia da creche Gente Inocente. O corpo foi velado na casa simples da família no Bairro Rio Novo. Os pais de Ana Clara, o lavrador Nelsir de Jesus Silva, e a doméstica Luana Ferreira de Jesus ficaram desconsolados e, desesperados, foram amparados por parentes e amigos. O casal tem outros dois filhos vítimas da tragédia que foram transferidos em estado grave para a Santa Casa de Montes Claros, onde continuam internados. Os presentes no sepultamento fizeram uma oração para confortar os pais da garotinha, uma das cinco crianças que morreram após terem os corpos incendiados pelo vigia Damião Soares dos Santos, de 50 anos. O próprio Damião, que ateou fogo em si mesmo, e a professora Helley Abreu Batista, de 43 anos, também morreram queimados.
MAIS ENTERROS
Neste momento, chegou ao mesmo cemitério o cortejo para sepultamento do corpo do menino Ruan Miguel Santos Silva, de 4 anos. Ruan Miguel e Ana Clara residiam no Bairro Rio Novo, mesma região onde fica a creche Gente Inocente.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82767
De: R7 - Rede Record Data: Sex 6/10/2017 09:51:58
Cidade: S. Paulo
Prefeito de Janaúba (MG): `Não havia motivo para barrar` autor de ataque - 00H40 atualizado em 06/10/2017 – 08h52 - O prefeito de Janaúba, a pequena cidade de 72 mil habitantes no norte de Minas Gerais que ganhou o noticiário nacional nesta quinta-feira (5), depois do atentado que deixou uma professora e cinco crianças mortas em uma creche da cidade, falou com exclusividade ao R7. Ainda abalado com a tragédia na creche Gente Inocente, Carlos Isaildon Mendes negou que o autor do crime, Damião Soares Santos, de 50 anos, também morto, estivesse afastado de suas atividades profissionais. Por isso, diz o prefeito, "não havia nenhum motivo para ele ser barrado" na porta da creche. Mendes afirma que o vigia noturno, que espalhou combustível, ateou fogo ao próprio corpo e abraçou as crianças já em chamas, trabalhou normalmente na segunda-feira (2), folgou na terça-feira (3) e faltou ao trabalho na quarta-feira (4). A diretora da creche procurou por Santos nesta quinta-feira (5) para questionar a razão da ausência em um dia normal de trabalho. O funcionário informou que faltou por uma questão médica, mas que levaria o atestado à escola. "Aí ao invés dele entregar os documentos ele fez o que fez", explica. A Polícia Civil afirma que houve premeditação deste atentado e revela que foram encontrados galões de combustível na casa do vigia. O prefeito de Janaúba afirma que, antes de cometer o crime, Santos teria deixado um recado: "Ele comentou com a família que ele iria dar um presente para Janaúba e que iria morrer". A data, 5 de outubro, é também o terceiro aniversário de morte do pai do vigia. Mendes conta também que o funcionário da creche apresentou um comportamento incomum durante a cerimônia fúnebre. "Eu ouvi o delegado falando que ele não foi no velório nem no enterro do pai", se recorda.
Retomada e homenagem
Carlos Isaildon Mendes detalhou os próximos passos na apuração da tragédia e disse que a pequena cidade mineira aprendeu uma lição. "Nós temos que, lamentavelmente, tirar proveito de uma tragédia como essa. Na reunião com o governador [Fernando Pimentel], o comandante-geral do Corpo de Bombeiros estava lá e já prevemos uma inspeção em todas as instalações", explica. Mendes disse que, se a estrutura da creche Gente Inocente tivesse passado por reformas, como a instalação de janelas maiores, por exemplo, o resultado poderia ser menos traumático. "Com instalações mais modernas e funcionais seguramente teríamos diminuído a expressão desta tragédia", diz. Mesmo com a comoção, o prefeito faz questão de agradecer: "Uma coisa latente foi que, apesar da tragédia, houve muita solidariedade e isso nunca havia ocorrido em nossa cidade”. Mendes garante que os familiares serão amparados pela cidade e pelo governo de Minas Gerais e enaltece a coragem de Heley Abreu, professora que lutou com o agressor e infelizmente não resistiu aos ferimentos. "Ela está em estado muito grave, porque foi e voltou três vezes salvando crianças", diz. A entrevista ao R7 foi dada minutos antes de o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais confirmar a morte da professora. Para o prefeito, a catástrofe de Janaúba servirá de exemplo para o Brasil: "Com certeza uma tragédia como essa vai servir de lição para o País inteiro".
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82766
De: Manoel Hygino Data: Sex 6/10/2017 07:51:44
Cidade: Belo Horizonte
Uma indesejada notícia

Manoel Hygino

Janaúba não é um lugar qualquer perdido no norte-mineiro. Pelo contrário, com 68 anos de emancipação política, dedica-se à agricultura, à pecuária, ao comércio e serviços, com seus dedicam mais de 71 mil habitantes, a 52ª população do Estado. O burgo nasceu a partir do final do século XVIII, quando bandeirantes voltavam do Nordeste, conduzindo índios preados para a região, como relata Dário Teixeira Cotrim. A temperatura, como em toda região, é de semiárido brasileiro e da microrregião, de que Janaúba é polo.
Terra de gente trabalhadora, conta com infraestrutura de cidade de porte médio, com hospital regional e dispõe de pontos turísticos, ostentando o título de principal centro comercial da Serra Geral. Note-se: desde 1984, possui um campus da Universidade Estadual de Minas Gerais, estando em implantação uma unidade da primeira universidade federal da Serra Geral e a segunda do Norte de Minas.
No entanto, nesta primeira semana de outubro, Janaúba se tornou dramático assunto da imprensa internacional. O vigia, de 50 anos, de uma creche, o Centro Municipal de Educação Infantil Gente Inocente, afastado das funções por motivo de saúde, ateou fogo pela manhã no acolhimento, em que se encontravam dezenas de crianças entre quatro e seis anos. Quatro delas morreram, além de uma professora.
O teto da escolinha era de material plástico e ajudou a propagar as chamas. Os feridos foram levados para a Santa Casa de Montes Claros e para o Hospital João XXIII, em helicópteros.
Um oficial da PM declarou que o homem entrara em um tambor de gasolina ou álcool e, tomados o corpo e as roupas pelo fogo, abraçava as pessoas que deparava no caminho fatal.
O governador Fernando Pimentel determinou mobilização de todas as forças de saúde pública e de segurança para resgate e salvamento. O presidente Temer, de Belém, PA, expressou sua dor como pai e solidariedade às famílias. Jornais de vários continentes imediatamente divulgaram. Uma notícia, que eu, que sou de Montes Claros, e a jornalista Mônica Miranda, da Itatiaia, nascida naquela cidade, no mesmo dia que eu, 13 de março, não gostaríamos de dar.
Neste momento em que o Brasil enfrenta vicissitudes de toda natureza, um fato como este acrescenta dor e lágrimas à sociedade, ainda que a jovem cidade esteja a centenas de quilômetros dos grandes centros urbanos. A adversidade não se mede pela distância e pelo conhecimento pessoal.
Ademais, são crianças, algumas das quais estigmatizadas fisicamente a partir de agora pelos ferimentos. Nem se fala dos pais e demais membros das famílias.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82765
De: Lúcia Data: Qui 5/10/2017 17:13:22
Cidade: Janaúba
A população percebe nítido esforço de se obter promoção pessoal nos dramáticos acontecimentos de Janaúba.
Em momentos como este, todo o esforço deve ser empenhado no atendimento às vítimas, jamais em chamar atenção para quem tem o dever e a obrigação de agir em nome coletivo.
A estes, depois, manifestaremos o nosso aplauso, na proporção do que merecerem. Ou não.
A setores políticos, que em notas oficiais querem se promover, silêncio e perdão.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82764
De: PolÍcia Militar Data: Qui 5/10/2017 16:42:06
Cidade: Montes Claros  País: Brasil
Hoje, 05/10/2017, por volta das 09h30, a Polícia Militar foi acionada a comparecer no Centro Municipal Infantil “Gente Inocente” situado no bairro Rio Novo (Janaúba/MG), onde ocorria um incêndio e que algumas crianças, entre 4 e 6 anos de idade, haviam sido atingidas pelo fogo.
Concomitantemente ao acionamento do Corpo de Bombeiros local, a Polícia Militar deslocou todas as viaturas disponíveis para o estabelecimento, quando foi confirmada a informação e iniciadas as ações de socorro de urgência, sendo necessário o acionamento do SAMU e dos hospitais locais para recebimento das vítimas, incluindo atendimento por parte da equipe médica da Polícia Militar do 51º BPM/Janaúba.
Assim que informado, o Comandante Regional da Polícia Militar, Coronel Klevson Pires Martins, encaminhou, de pronto, a aeronave Pégasus da PMMG à cidade de Janaúba, inclusive declinando de seguir no primeiro voo para que o helicóptero conduzisse equipe médica do SAMU/M. Claros, bem como designou que médicos da Polícia Militar em Montes Claros também se deslocassem em apoio à ocorrência. Nesse ínterim, o Comandante também acionou o Governo do Estado de Minas Gerais que, sensibilizado, além de também autorizar os deslocamentos de aeronaves do Corpo de Bombeiros e da Polícia Civil, alugou, de iniciativa, uma aeronave dotada de UTI móvel, com deslocamento imediato de Belo Horizonte a Janaúba, para atendimento e traslado das vítimas, tendo, ainda, acionado o hospital João XXIII, situado naquela Capital (referência nacional em atendimento à vítimas de queimaduras), para recebimento dos casos mais gravosos. Outras duas aeronaves particulares também foram disponibilizadas para traslado de equipes médicas, mediante contatos realizados pela Polícia Civil/M. Claros.
Assim que houve o deslocamento do reforço médico, o Coronel Klevson, o Cmt do Corpo de Bombeiros no norte de Minas, Coronel BM Primo Lara de Almeida Júnior, e o Chefe do 11º Departamento de Polícia Civil, Dr. Renato Nunes Henriques, também se deslocaram à Janaúba a fim de acompanharem e auxiliarem, “in loco”, as ações de socorro.
Informações preliminares relatam que havia aproximadamente 60 (sessenta) crianças no local, quando o autor D.M.S., 50 anos, o qual estaria afastado das funções de vigilante daquela creche por problemas psicológicos, chegou ao local munido de um vasilhame com gasolina, jogando o combustível nas crianças e ateando fogo.
Até o momento, há o registro do óbito de 04 crianças, e, em estado grave, 15 crianças entubadas e mais 04 adultos também entubados, estando todos em processo de estabilização e já iniciando o processo de remoção para Montes Claros e Belo Horizonte. O autor, que se encontrava entubado e com queimaduras de 3º grau, conforme informação médica, acabou de falecer. Há, ainda, aproximadamente 30 pessoas, entre militares e vizinhos da creche, os quais participaram dos resgates das demais vítimas que também se encontram sob acompanhamento médico por haverem inalado fumaça tóxica e apresentado queimaduras de menor proporção (devido as ações de socorro).
Devido à gravidade da ocorrência, o Exmo. Sr. Governador do Estado, Fernando Pimentel, aportou naquela cidade na tarde de hoje em solidariedade às vítimas e seus familiares.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82763
De: Guilherme Fernandes Data: Qui 5/10/2017 16:15:26
Cidade: Montes Claros
Muita gente querendo ajudar mas ainda falta uma comunicação eficiente em casos de crise, como o caso de Janaúba.
Precisamos de informações centralizadas e principalmente oficiais sobre o que os hospitais e vítimas precisam.
Hoje eu e amigos fizemos doações e haviam muitas pessoas com interesse em ajudar em uma loja de artigos de saúde. Mas muita gente e empresas adquirindo doações mas sem algo centralizado.Acredito que várias pessoas indo para o mesmo local onde talvez as aeronaves que estão trazendo pacientes pudessem retornar mais rapidamente com os itens necessários.
Como doar? Pode deixar na secretaria de esportes que os helicopteros levam ? Corpo de Bombeiros?
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82762
De: Marlon Data: Qui 5/10/2017 15:56:15
Cidade: Janaúba
Informações que circulam aqui em Janaúba:
1 - Havia na creche cerca de 80 crianças.
2 - Apenas as turmas do berçário e maternal I não foram atingidas.
3 - A professora estava na sala de aula quando Damião, o vigia, entrou e a trancou junto com as crianças.
4 - Ele entrou levando um balde de gasolina, e não de álcool.
5 - O vigia morreu.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Mensagem N° 82761
De: El Paiz Data: Qui 5/10/2017 14:32:37
Cidade: Espanha, Madri

Vigia põe fogo em crianças em creche de Janaúba, em Minas, e ao menos quatro morrem - As vítimas têm entre quatro e seis anos. No total 22 crianças foram queimadas, nove estão em estado grave - Uma tragédia abalou a pequena cidade mineira de Janaúba, a 557 km da capital Belo Horizonte. O vigia noturno da creche Centro Municipal de Educação Infantil Gente Inocente ateou fogo em dezenas de crianças entre quatro e seis anos que estavam no estabelecimento na manhã desta quinta-feira. De acordo com a prefeitura, quatro crianças morreram no local. Outras 22 foram socorridas e levadas para hospitais da região, sendo que nove estão em estado grave com queimaduras em mais de 20% do corpo, de acordo com um boletim divulgado pelo Corpo de Bombeiros. Segundo informações preliminares do portal G1, o agressor seria Damião Soares dos Santos, de 50 anos, que havia sido afastado do cargo após alegar problemas de saúde. Ele jogou álcool sobre as crianças e sobre seu próprio corpo e em seguida acendeu o líquido inflamável. Santos está internado em estado grave.
O crime teria ocorrido no horário do intervalo da creche, e no momento cerca de 50 pessoas, entre crianças e funcionários, estavam no pátio. Helicópteros da Polícia Militar de cidades vizinhas foram deslocados para Janaúba para auxiliar na remoção de vítimas para hospitais de referência no tratamento de queimados, como o João XXIII, na capital. Nas redes sociais, moradores da cidade pedem doações de material hospitalar e de sangue para o Hospital Regional, que recebeu a maioria dos feridos. Quinze pessoas deram entrada no local em estado de choque, mas já foram liberadas.
O presidente Michel Temer, que está em Belém, disse “lamentar imensamente” a tragédia em Janaúba. “Eu que sou pai, naturalmente muitos dos senhores e das senhores também o são. Deve ser uma perda dolorosa. Quero expressar minha solidariedade às famílias, lamentar esse acontecimento". O peemedebista disse ainda que o mundo está “muito convulsionado (...) e muitas vezes ocorrem lamentáveis acontecimentos”. O governador do Estado, Fernando Pimentel (PT), divulgou nota afirmando ter determinado "a mobilização de todas as forças de Saúde Pública e de segurança (...) nas operações de resgate e salvamento".
Em entrevista a um jornal local, o tenente Diego Prates, do sétimo batalhão dos Bombeiros, afirmou que testemunhas afirmaram que o homem entrou com um galão de gasolina ou álcool, e ateou fogo. “Em seguida ele saiu abraçando as pessoas, para que todos pegassem fogo”, disse. De acordo com Prates, existe a suspeita de que o homem sofresse de algum distúrbio mental.
Receba Notícias por E-mail Imprimir Envie esta notícia a um amigo Aprimore esta informação, complete-aAprimore esta informação, complete-a Link:

Página Anterior >>>

Abra aqui as mensagens anteriores:


Voltar à Página Inicial

 






Um olhar de Montes Claros sobre o que é notícia em toda parte
Uma janela para Montes Claros


Clique e acesse nosso Twitter
Siga o montesclaros.com


Últimas Notícias

22/10/17 - 13h21
Jornal Estado de Minas: "...estão sendo fornecidos para a população do município 605 litros de água por segundo, sendo que em condição normal seriam 885 litros por segundo"


21/10/17 - 18h01
Este noticiário será retomado na segunda-feira às 7 horas, a não ser que aconteça fato extraordinário

21/10/17 - 18h
Clássico deste domingo entre Cruzeiro e Atlético valerá como tira-teima da temporada

21/10/17 - 17h
Chuva de meteoros poderá ser vista a olho nu até terça-feira em todo o Brasil. Pico deve ser na madrugada deste domingo

21/10/17 - 16h
Brasileirão entra na fase final com 9 jogos neste fim de semana

21/10/17 - 15h
Valdívia, do Atlético, vê clássico contra o Cruzeiro como “jogo do ano”. A 98 FM vai transmitir às 17h deste domingo

21/10/17 - 14h
Governo de Minas abrirá quarta-feira inscrições para professores designados

21/10/17 - 13h
Mesmo com o templo nublado neste sábado, M. Claros vai atingir temperatura de 37 graus, hoje, e 38, segunda e terça

21/10/17 - 12h
Manchetes dos jornais: “Estudante vítima de bullying mata dois em escola de Goiás” - “Aluno de 14 anos abre fogo em escola e mata dois colegas” - “Assassinatos inspirados em caso dos EUA”

21/10/17 - 11h
IBGE vai contratar mais 1.152 trabalhadores para o Censo Agropecuário de 2017. Inscrições de 23 de outubro a 6 de novembro

21/10/17 - 10h41
Aclamado como "santo, santo", corpo de Padre Henrique é sepultado no cemitério particular das monjas carmelitas descalças de Montes Claros

21/10/17 - 10h
Presidente da Aneel alerta que tarifa de energia vai seguir no patamar 2, se escassez de chuva continuar

21/10/17 - 9h
Homem esfaqueia várias pessoas na Alemanha e foge de bicicleta

21/10/17 - 8h
Líder do returno do Brasileirão, Cruzeiro vai defender contra o Atlético longa invencibilidade no Mineirão. A 98 FM vai transmitir o jogo às 17h

21/10/17 - 7h
Polícia diz que atirador de Goiânia se inspirou em tragédias no Rio e nos EUA - 2 alunos morreram e 4 ficaram feridos

21/10/17 - 1h53
"Quando amanhecer este sábado, vencida a vigília das freiras carmelitas descalças, às 6 horas, as portas da capela do Carmelo vão de novo se abrir para a última e definitiva cerimônia do adeus, ao corpo"


20/10/17 - 18h
Brasileirão terá 5 clássicos no domingo e um segunda-feira

20/10/17 - 17h
Sem jogar há 4 partidas, zagueiro Léo Silva pode ser a novidade do Atlético no Clássico contra o Cruzeiro

20/10/17 - 16h
Mano Menezes renova contrato com o Cruzeiro por dois anos

20/10/17 - 15h
202 mil pessoas ainda não foram vacinadas contra a febre amarela no N. de Minas – aponta Secretaria da Saúde

20/10/17 - 14h37
Escritor Manoel Hygino: "Li a longa notícia sobre o falecimento entre nós do padre Henrique, uma perda para a cidade e para os que a ele sobrevivem. Um exemplo"

20/10/17 - 14h
Portaria cria 238 vagas para professor e técnico administrativo em universidades federais em Minas

20/10/17 - 13h05
Aluno de 14 anos tira pistola .40 da mochila e atira contra colegas. Dois morreram e 4 ficaram feridos. Foi em Goiânia, antes do meio-dia

20/10/17 - 13h
Montes claros vai ter máxima de 35 graus hoje, 37 sábado e domingo e 38 graus segunda feira – repete a meteorologia

20/10/17 - 12h38
Procissão vai conduzir o corpo de Padre Henrique da igrejinha de Santiago Apóstolo para o Carmelo, às 17h30m de hoje

20/10/17 - 12h
Tite convoca seleção para os amistosos contra Japão e Inglaterra em novembro

20/10/17 - 11h
No meio da tarde, perto de Sesc, centrão de M.Claros, clínica médica e assaltada. No Alto da Boa Vista, mototaxista é forçado a entregar a moto

20/10/17 - 10h12
"Em qualquer sociedade mais evoluída, com certeza estaríamos consumindo esta água de nossos córregos, e não seria utilizada somente para despejo de nossos rejeitos"

20/10/17 - 10h06
Jornais de BH: "...estava furioso porque não recebeu um pagamento pelo trabalho prestado e, por isso, ameaçava se vingar colocando fogo na instituição de ensino de Quem-Quem. O homem foi preso na ..."

20/10/17 - 10h
Manchetes dos jornais: “Por votos na Câmara, Temer promete não privatizar Congonhas” - “Base rejeita pauta de Temer para economia após denúncia” - “Conselho de Ética deve arquivar ação conta Aécio”

20/10/17 - 9h
CIA adverte que Coreia do Norte está perto de obter míssil nuclear capaz de atingir os EUA

20/10/17 - 8h51
"Não o veremos mais em sua bicicleta e batina rota. Depois de toda uma vida dedicada ao outro, ele foi chamado de volta à nossa pátria verdadeira. Como um homem é capaz de deixar toda uma cidade de luto e órfã?"

20/10/17 - 8h
Temer exonera mais 8 ministros para garantir votos contra a 2ª denúncia na Câmara

20/10/17 - 7h
Brasil cria 34 mil vagas de trabalho no melhor setembro em 3 anos


19/10/17 - 18h
Galo começa a se preparar para o clássico de domingo contra o Cruzeiro pelo Brasileirão

19/10/17 - 17h
Justiça Desportiva multa Cruzeiro por incidente envolvendo torcida na final da Copa do Brasil

19/10/17 - 16h24
Decreto reconhece calamidade pública em M. Claros por falta de água. Reserva de poços particulares pode ser requisitada

19/10/17 - 16h
Ministério da Educação promete 80 mil vagas, em 2018, para formação inicial de professores

19/10/17 - 15h
Derrota para a Chapecoense foi a 8ª do Atlético como mandante no Brasileirão

19/10/17 - 14h
Decreto muda regras e dificulta doação de órgãos no Brasil

19/10/17 - 13h
Manchetes dos jornais: “Câmara deve absolver Temer por ampla maioria” - “Comissão de Constituição e Justiça rejeita denúncia, mas apoio a Temer encolhe” - “Temer vence na CCJ e Maia marca votação de denúncia no dia 25”

19/10/17 - 12h
Calor voltará aos 37 graus em M. Claros, entre sexta e terça feira - repete a meteorologia

19/10/17 - 11h
Os assaltos. Às 17h, na rua Simão Ribeiro, centro. No Bairro de São José, levaram carro e celulares

19/10/17 - 10h
Autorizado o 2º reajuste do ano para as tarifas dos Correios. Aumento de até 6%

19/10/17 - 9h13
Morreu Padre Henrique - um dos sacerdotes mais admirados da história de Montes Claros de todos os tempos. (Missas vão avançar pela madrugada, no Bairro do Cintra, e sepultamento será, a seu pedido, no Carmelo, que ajudou a fundar)

19/10/17 - 9h
Tropeço contra o Coritiba acaba com 13 jogos de invencibilidade do Cruzeiro

19/10/17 - 8h
Multa de trânsito poderá vir a ser paga com cartão de crédito e débito. Medida ainda depende da burocracia

19/10/17 - 7h
Cotas do PIS/Pasep começarão a ser pagas, hoje, a 4,4 milhões de pessoas - de 70 anos ou mais


18/10/17 - 18h
Galo seca 3 times cariocas, hoje, na briga pelo G-7 do Brasileirão

18/10/17 - 17h
Seis jogos hoje e quatro amanhã “esquentam” a 29ª rodada do Brasileirão

18/10/17 - 16h32
"E Cícero Bastos – Cícero Estru, por onde anda? Ele morava na Rua Corrêa Machado. Quem sabe dele?"

18/10/17 - 16h
Cruzeiro visita hoje o desesperado Coritiba e quer manter a invencibilidade no Brasileirão

18/10/17 - 15h
Supermercados de Minas devem abrir entre 3 mil e 5 mil vagas temporárias neste final de ano

18/10/17 - 14h
Atlético receberá a Chapecoense, hoje, com Robinho entre os titulares. A 98 FM vai transmitir o jogo às 21h

18/10/17 - 13h
A partir de sexta, M. Claros voltará ter temperaturas, máximas, de 36 a 38 graus (2ª-feira). Depois, entre 34 e 35, sem chuva

18/10/17 - 12h
Encapuzados, armados e de moto, assaltantes voltam a atacar na área rural de M. Claros. Irmãos de 73, 76 e 81 anos foram agredidos e roubados em 48 mil reais

18/10/17 - 11h
“Irã destruirá acordo nuclear se EUA rasgarem tratado”, diz líder iraniano, chamando Trump de "bruto"

18/10/17 - 10h
Chuva forte no N. de Minas "só deve acontecer no final do mês” - admite a meteorologia. Até lá, mais calor e baixa umidade

18/10/17 - 9h40
Caminhoneiros comentam a brutal ação de 10 homens, fortemente armados de fuzis, contra carro-forte e seus seguranças perto de Grão Mogol

18/10/17 - 9h36
"Cada ministro é criticado, sem se esquecer os patrocinadores de suas candidaturas, desde o presidente José Sarney, que indicou..."

18/10/17 - 9h
Anfíbio do Greenpeace que caiu no Amazonas e matou sueca de 29 anos estava perto de área federal

18/10/17 - 8h
Manchetes dos jornais: “Senado anula decisão do STF e reverte afastamento de Aécio” - “Senado revê decisão do STF e Aécio recupera mandato” - “Senado derruba punição que STF aplicou a Aécio”

18/10/17 - 7h
Natal deve gerar mais de 73 mil contratações e movimentar 34 bilhões de reais no comércio varejista


17/10/17 - 20h04
Por 44 votos a 26, Senado afasta decisão do STF e recompõe Aecio Neves nas funções de senador

17/10/17 - 18h
Após acabar com jejum de gols, Fred quer se tornar o 4º maior artilheiro do Brasileirão

17/10/17 - 17h
Enem deste ano terá detectores de metal nos banheiros dos locais de prova

17/10/17 - 16h
Tite convocará, sexta-feira, seleção para amistosos contra Japão e Inglaterra

17/10/17 - 15h
Setor de serviços cai 1% e registra o pior agosto em 5 anos –constata o IBGE

17/10/17 - 14h
Instituto Federal do N. de Minas tem 17 vagas a preencher, com salários de até 4.180 reais - inscrições até 27 de outubro

17/10/17 - 13h
“Guerra nuclear pode eclodir a qualquer momento”, admite na ONU diplomata da Coreia do Norte

17/10/17 - 12h
Brasília tem esperança de chuva, sábado. (M. Claros, no mesmo calorão, torce para que a chuva chegue aqui, mas ela não aparece na previsão até o dia 26)

17/10/17 - 11h
Minas teve 17.482 casos prováveis de chikungunya em 2017, número 34 vezes maior do que em 2016

17/10/17 - 10h
Mano mantém zaga e deve fazer duas mudanças no Cruzeiro para o jogo de amanhã contra o Coritiba

17/10/17 - 9h
Manchetes dos jornais: “Com disputa sobre forma de votação, senadores decidem o futuro de Aécio” - “Temer diz em carta que é vítima de conspiração” - “Planalto dificulta ações contra trabalho escravo”

17/10/17 - 8h
Supremo determina que votação sobre Aécio, hoje às 16h, no Senado, deve ser por voto aberto. Adiamento é a tendência

17/10/17 - 7h
Cotas do PIS/Pasep começarão a ser pagas, hoje, para quem tem mais de 70 anos


16/10/17 - 18h
Maioria dos cotistas com direito ao saque do PIS/Pasep é do Sudeste. Pagamento começa quinta-feira

16/10/17 - 17h05
Tráfico sequestra medico para operar, fora de hospital, homem baleado em confronto com a polícia carioca, na Avenida Brasil

16/10/17 - 17h
Cruzeiro tem semana decisiva para manter o técnico Mano Menezes

16/10/17 - 16h
Polícia de Dubai terá “moto voadora” que suporta 270 quilos e chega a 200 km/h



OUÇA E VEJA A 98 FM
Todos direitos pertecentes a Rádio Montes Claros 98,9 FM. O material desta página
não pode ser publicado, transmitido por broadcasting, reescrito ou distribuído
sem prévia autorização